DEFUNTA REPÚBLICA DE MENTIRA

"(...) É, todavia, difícil compreender por que, até o fim do reinado de Pedro II, o Brasil era um país mais promissor que os EUA, mais importante que a China, a Índia, o Japão, a Coréia e quase todos os países europeus - de onde vieram muitos imigrantes - e hoje ocorre o oposto: (...)" - (Dr. José Carlos de Almeida Azevedo)

Defender a manutenção da imundície da Ilegítima Ditadura Republicana Genocida Brasileira, que seguiu matando pelo futuro milhões com suas inconsequências, negligências, omissões... É de uma falta de conhecimento extrema, de uma burrice crônica absoluta, ou de uma voracidade predatória sem precedentes... Apenas caindo Dilma com o seu "Perda Total", mesmo que seja junto com suas coligações (Partidos dos Partidos...) das Organizações Criminosas das Facções Narco-Psicopatas-Partidárias-Copartícipes dos Regimes Síndico-Comuna-Socialistas-Golpistas, da Máquina de Prostituição Parlamentar do Poder Central Republicano, Alinhada a Política Transnacional Continental Latina Americana do Foro de São Paulo... Quase nada mudará nessa decadente República de mentira nunca proclamada de fato - a sujeira mais uma vez apenas mudará de mãos.

O Brasil é escravizado por uma caricatura republicana presidencialista moralmente ilegítima abortada defunta como regime totalitário, cujas suas predadoras consequências se estenderam pelo futuro numa sucessão de ditaduras civis e militares... Nódoa negra do hoje paradoxalmente dito Exército do monarquista Caxias do Exército Imperial Brasileiro. Aliciados por meia dúzia de traidores da pátria discípulos da Seita Positivista, alguns militares do Exército Imperial foram utilizados como ferramenta executora do trabalho sujo que mergulhou o país nas trevas, com a desastrosa inauguração da primeira ditadura militar da História do Brasil em 15 de novembro de 1889, acabando com a democracia da Monarquia Constitucional Parlamentar Representativa do promissor respeitável Império do Brasil, que ombreava com as outras três nações mais poderosas, cuja sua Armada Imperial somada a Marinha Mercante, foi a 2ª Potência Naval da terra. Num determinado momento da nossa história, já fomos mais poderosos do que os Estados Unidos da América do Norte.

No desastre do Flagelo Republicano, entre mandos e desmandos nesses 126 anos de estagnação, se somam: "12 Estados de Sítios, 17 Atos Institucionais, 6 Dissoluções do Congresso, 19 Revoluções ou Intervenções Militares, 2 Renuncias Presidenciais, 3 Presidentes Impedidos, 4 Presidentes Depostos, 6 Constituições Diferentes, 4 Ditaduras e 9 Governos Autoritários"... Mais os últimos 30 anos de retrocessos perdidos num oceano de esgoto sem precedentes na História do Brasil, com a 6ª tentativa ressuscitadora do pesadelo da tragédia dessa fracassada Nova República Salvadora da Pátria perdida em si mesma, que além de produzir desde 1985 mais de 3.000.000* de assassinatos (*Incluindo as mortes provocadas pelos desserviços e/ou omissões dos sucessivos desgovernos), nos conduziu mais uma vez a um terrível vazio. E, tudo indica que a burrice ou obscuras ambições dos dementes políticos predadores devoradores da pátria, indiferentes ao que já funcionou a contento na história dessa nação fundada em 1822 como Império, continuarão como insaciáveis varejeiras investindo no engodo de novas inúteis defuntas repúblicas, que têm sido sinônimos de Desgraça Nacional. (Emanuel Nunes Silva)

quarta-feira, 30 de março de 2016

A Tragédia Republicana Brasileira no Esgoto do Crime Organizado Político Partidário

➤ REPÚBLICA NO BRASIL SEMPRE FOI SINÔNIMO DE DESGRAÇA NACIONAL.


A Tragédia Republicana Brasileira no Esgoto do Crime Organizado Político Partidário
- INTRODUÇÃO -
15 DE NOVEMBRO: UMA ORGIA DE ASSASSINOS E DITADORES

"(...) Chamam hoje de "proclamação da república" aquilo que na verdade foi o PRIMEIRO GOLPE MILITAR da história. Uma mescla de militares positivistas e alguns da classe econômica representada pelos fazendeiros, uniram-se em total confluência de interesses. Para os militares, o país deveria ser dirigido por eles, sem eleição alguma, pois eles delegavam para si o conhecimento do que era "bom" para o país. Para os fazendeiros, que se rebelaram contra Dom Pedro II por ele ter libertado os escravos, o imperador deveria cair como ato de vingança em face do fato deles não ter sido indenizados pela "perda de sua propriedade"...

(...) Floriano Peixoto mais que certamente encabeça a lista dos piores assassinos e terroristas de estado da história do Brasil. A alcunha de "Consolidador da República" foi forjada pelos militares é a maneira eles como se referem ao Floriano dentro dos círculos militares e - obrigatoriamente - nos livros de história.

Ambas as figuras, Deodoro e Floriano, eram delirantes, mal sabiam raciocinar objetivamente, construíram em torno de si uma abstração da realidade, de tal forma que vieram prometer à população (e eles próprios estavam convencidos disso), de que ainda no primeiro mandato da presidência da república, o país perceberia imediatos avanços econômicos, a nação iria se modernizar, deixando-se de ser um território agrário e passando a ser uma nação industrial, como a Inglaterra, e seria "o país do futuro". (...)"
REPÚBLICA DO CRIME ORGANIZADO POLÍTICO PARTIDÁRIO
● Capítulo - II -
● DIREITA e ESQUERDA & ESQUERDA e DIREITA

D Defender a Forma de Governo Republicana Presidencialista Brasileira da Seita Positivista, alienígena às nossas raízes históricas e a legítima identidade nacional (nunca existiu identidade nacional republicana brasileira), esta República abortada defunta na ilegalidade com a tragédia da arbitrariedade de meia dúzia de Traidores da Pátria, devotos da Igreja da Humanidade (Seita Positivista) em 15 de novembro de 1889, inaugurada como a primeira e mais sangrenta Ditadura Militar da História do Brasil, que para se consolidar nos seus 10 primeiros anos de imposição, brutalmente exterminou cerca de 200.000 brasileiros, sendo a maioria monarquistas, o que corresponderia hoje a um genocídio de 2.200.000 mortes... Cujas suas predadoras consequências se estenderam pelo futuro numa sucessão de Ditaduras e Regimes Totalitários Civis e Militares... Usurpando o Brasil dos brasileiros nesses 127 anos de retrocessos e fracassos, destruindo o futuro da nação, conduzindo criminosamente pela 6ª vez a nação a este grande nada absoluto... Obviamente não é defender o Brasil.
(...)
F Defender a manutenção da imundície da Ilegítima Ditadura Republicana Genocida Brasileira, que seguiu matando pelo futuro milhões com suas inconsequências, negligências, omissões... É de uma falta de conhecimento extrema, de uma burrice crônica absoluta, ou de uma voracidade predatória sem precedentes... Apenas caindo Dilma com o seu "Perda Total", mesmo que seja junto com suas coligações (Partidos dos Partidos...) das Organizações Criminosas das Facções Narco-Psicopatas-Partidárias-Copartícipes dos Regimes-Síndico-Comuna-Socialistas-Golpistas, da Máquina de Prostituição Parlamentar do Poder Central Republicano, Alinhada a Política Transnacional Continental Latina Americana do Foro de São Paulo... Obviamente será um lamentável investimento no CONTINUÍSMO.
ALGUMAS MATÉRIAS RELACIONADAS:
- I -

quarta-feira, 30 de março de 2016
O golpe da anistia contra a Lava Jato
Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Simplesmente tirar Dilma Rousseff para botar o maçom irregular Michel Temer na Presidência da República é um dos golpes institucionais mais canalhas da História do Brasil. Se tal barbaridade se confirmar, como vem sendo cuidadosamente urdida, o PMDB continuará 31 anos no poder, de forma tão escrota e com risco de mais danos que os 13 de Perda Total (PT). A primeira vítima institucional, em aliança devidamente combinada com a cúpula do PSDB, é sabotar a Operação Lava Jato.

O plano básico e imediato, coordenado por Michel Temer e pelo jurista Nelson Jobim, é promover uma "grande conciliação pela governabilidade". Um dos pontos fundamentais do "pacto" é contar os efeitos da Lava Jato - com o argumento insustentável  de que "a política judiciária de caças às bruxas prejudica a economia, pois alimenta a instabilidade política". No pragmatismo cínico dos peemedebostas e tucanalhas, que pode ter a adesão da desesperada cúpula da petelândia, o momento é de "conciliação e não de perseguição política".

É seríssima a possibilidade de se costurar uma grande anistia para os políticos mais importantes, a partir de transações penais, sobretudo os acordos de leniência firmados com empresas que sempre atuaram no esquema político de corrupção ativa e passiva com o desgoverno do crime organizado. A Presidenta Dilma, se renunciar, será uma das maiores beneficiadas do "perdão" (que pode ser dado via Congresso Nacional ou por Decreto do futuro Presidente da República).

Juridicamente impossível e politicamente só pensável na cabeça dos loucos de Brasília, a anistia "ampla, geral e irrestrita" é um assunto tratado com a maior seriedade pelos que articulam o novo desenho de ocupação do "Condomínio" do Poder Federal. A suposta saída retórica do PMDB da base do governo Dilma foi a manobra mais ilusória do século. O balcão de negociatas opera a pleno vapor...

Pedido de ajuda

Do Juiz federal Sérgio Moro, ontem, no evento "Combate à Corrupção: desafios e resultados, os casos Mãos Limpas e Lava Jato", no auditório da Procuradoria da República, em São Paulo:

"A Justiça tem papel relevante, mas não consegue resolver sozinha. É preciso que as outras instituições operem, os legisladores, a sociedade civil e que as próprias empresas se organizem para evitar pagamentos de propina. Se as empresas não pagarem, é um grande avanço'. 

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 30 de Março de 2016.
- II -
domingo, 3 de abril de 2016
Vamos cair de novo no novo golpe do PT/PNDB?
Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net 

O Brasil tem de ser reinventado, reestruturado e passado a limpo com Democracia - Segurança do Direito. Precisamos obediência consciente às leis que forem pactuadas. Necessitamos, urgentemente, de um novo "Contrato Social". Só valerá se for baseado no mundo real e em conceitos políticos e jurídicos corretos. Nosso regramento excessivo (centenas de milhares de normais legais em vigor) apenas consagra o Estado Antidemocrático de Direito em vigor. Nada resolverá se a pressão popular, claramente manifestada nas ruas e nas redes sociais, não for suficiente para promover a mudança na estrutura do Estado. #prontofalei!

Uma nova Constituição, adequada ao momento atual e às necessidades reais do País, deve ser debatida exaustivamente e outorgada. O regime da "Nova República" de 1985 violentou a tal "Carta Cidadã de 1988". O modelo representativo precisa ser aprimorado, com voto distrital e distrital-misto, através de eleições limpas, com possibilidade de recontagem do voto eletrônico. Enfim, a vontade popular precisa ser efetivamente representada. Só haverá Democracia com regras claras, seguidas consensualmente por todos, quando os cidadãos se tornarem legítimos fiscalizadores da máquina estatal. Estado sem controle cidadão é antidemocrático, #prontofalei de novo!

A crise é estrutural - e não apenas conjuntural. As instituições funcionam apenas no papel. Na prática, já foram rompidas, há muito tempo. Seja pela inação democrática, pela ineficiência proposital do modelo e pela ação direta do crime organizado. A bandidagem institucionalizada mistura interesses políticos (sede de poder) com interesses econômicos (ganância que financia os projetos de conquista e manutenção da hegemonia). Neste modelo, impera o vale tudo institucional. Os poderes (executivo, legislativo, judiciário e militar) "funcionam" para quem os controla de fato: a tal "Organização Criminosa". O cidadão-eleitor-contribuinte é um refém que apenas paga a conta.

O Brasil está cheio de paradoxos que desafiam os paradigmas. Ao longo da História, quando o processo democrático mostra evolução, os modelos errados ou ineficientes são substituídos pelos corretos. Isto ocorre pela via da chamada "Pressão Popular" - curiosamente algo que não existe. Na prática, quem faz pressão real são os segmentos esclarecidos (que são minoria e não maioria na sociedade. O avanço tecnológico, com a maioria das pessoas interagindo em redes sociais que garantam um mínimo de liberdade, abre caminho para que as ideias, conceitos e atitudes corretas, éticas e verdadeiras se tornem hegemônicas.

A tal "Revolução Brasileira" segue tal tendência. Tomara que a onda por mudanças não seja impedida pelas forças ideológicas reacionárias e suas vanguardas do atraso. Elas fazem, direitinho, o jogo da oligarquia (a zelite) para que ocorram apenas alterações pontuais. A intenção é que tudo continue do jeito como sempre esteve. De acordo com tal fórmula, que não deseja mexer na estrutura Capimunista Rentista, porque ela viabiliza o sistema do crime institucionalmente organizado. as mudanças efetivas só podem ocorrer no discurso, e não na vida prática. Tudo parece projeto - e não plano para ser realizado no prazo correto e da forma correta. A demagogia, a politicagem e a corrupção sistêmica fazem a festa.  

Vale repetir por 13 x 13: o Brasil vive um dos momentos mais perigosos da vida brasileira. Já vítima constante da violência, das desgraças econômicas e da corrupção política sistêmica, agora a população é obrigada a suportar um brutal e cínico processo de ruptura institucional. O sucesso ainda parcial da Lava Jato (tem muito a investigar) escancara que a cúpula do Judiciário brasileiro atua fora de sintonia com a necessidade cidadã por mudanças. O Supremo Tribunal Federal de uma nação civilizada não pode ser conivente com a judicialização da política e nem promover a politicagem no judiciário. Sempre que isto acontece, alimentando uma guerra insana entre os poderes corrompidos, a república se esfacela.

Apenas tirar a Dilma Rousseff (objetivo imediato da maioria) não resolve. Substituí-la pelo Michel Temer não muda, efetivamente, a situação. O PMDB sempre foi governista e deseja continuar sendo. O partido é o coração e o cérebro da esclerosada Nova República, que o comparsa PT terminou de avacalhar nos últimos 13 anos de desastrosa ocupação e aparelhamento do poder.

Assim, superar o PMDB é a prioridade democrática mais urgente, logo após a inevitável saída de Dilma. Lula e a Petelândia correm atrás do prejuízo para manter a maior parte do espólio que pode ser perdido. Se a cidadania brasileira der mole, eles conseguirão o objetivo imediato de fingir que se entrega o poder ao PMDB, enquanto prepara um retorno na próxima eleição presidencial - que pode ser antecipada ou acontecer apenas em 2018.

Enquanto os poderosos conspiram, a crise estrutural continua... Se não ocorrer uma pressão mais forte pelas mudanças, elas não acontecerão. O esquema atual de poder prepara apenas "reformas" para iludir a opinião pública. Quem for otário embarca em mais este conto político dos vigaristas.

A petelândia está certa... Não vai ter golpe! Eles já deram o golpe...
Releia o artigo de domingo: O Brasil precisa de milhões de "Moros" 

"A petelândia está certa... Não vai ter golpe! Eles já deram o golpe..." 
- III -
Sexta-feira, 01 de abril de 2016
Os Ratos Abandonam o PTitanic 
Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

Nenhum provérbio se adapta melhor ao “desembarque” que o PMDB fez do Governo Dilma Rousseff, do PT, do que aquele que inspirou a abertura desse texto, originário de Portugal, abrigo de grandes navegadores.

Durante os 13 (treze) de governo do PT, que começou em 2003, até hoje, o PMDB sempre foi a peça fundamental de sustentação e apoio desses governos. Ficou na maior parte do tempo com a Vice-Presidência da República, e forneceu dos seus quadros boa parte dos Ministros que compunham ditos governos, sem falar na ocupação de cargos generosos de 2º e 3º escalões espalhados por toda a Administração Pública Federal, e principalmente na participação “democrática” do condomínio da roubalheira que levou o Brasil à beira da falência.

Mas não resta qualquer dúvida que esse apoio foi comprado. E foram incluídos nessa compra também outros partidos, os “nanicos”, como reforço da “quadrilha”. O preço dessa compra foi calculado e pago exatamente na medida do apoio que o Governo precisava para receber aval nos seus projetos e “falcatruas”, na Câmara e no Senado, não importando se para o bem, ou para o mal, sempre predominado esses últimos. E também nunca foi relevante a origem do pagamento dessa compra, se lícito ou vindo de corrupção.

Só mesmo um cego de realidade não enxerga que o PMDB tem tanta culpa quanto o PT pelo caos moral, político, econômico e social em que meteram o Brasil. É preciso ter muita cara de pau e nenhuma vergonha na cara para, logo agora, ao apagar das luzes de um governo do qual foi cúmplice todo o tempo, “virar-o-cocho-onde-comeu” durante todos esses 13 anos, e bancar o moralista, o “salvador da pátria”, como se não tivesse nada a ver com o acontecido, lavando as mãos da sua culpa. Pior de tudo é que uma parte do povo idiota ainda quer manter Dilma (agora mesmo estão em passeatas), e outra parte também idiota está aplaudindo o “impeachment” de Dilma. Mas o impeachment “dela” não passaria de um golpe (não daqueles que andam falando por aí), porém dentro do próprio Governo, interno, de uma facção da quadrilha governamental (a do PMDB), contra a outra facção da quadrilha governamental (a do PT). É guerra declarada entre os maiores crápulas da política.

O pior de tudo é que renomados “pensadores jurídicos” e “juristas de plantão” apegam-se às medíocres formalidades legais que os políticos escreveram na Constituição e nas demais leis, propugnando pela “legalidade” do impeachment de Dilma, não enxergando, todavia, que esse remédio, apesar de legal, pouco mais significa que trocar bosta por merda, e que a única saída que o Brasil teria seria com um “impeachment” nos Três Poderes, com uso da prerrogativa do art. 142 da Constituição, num primeiro momento, somente para afastar todos os malfeitores da nação, para restabelecer, logo após, a decência na política, com total reorganização da sociedade e da política.

A verdade é que o impeachment de fato é legal, mas se ele acontecer o resultado não será nada satisfatório, como, aliás, já se deu no passado com o impeachment de Collor, onde afastaram o “cara”, por bem menos do que Dilma já fez até agora, mas nada melhorou.

Mas a INTERVENÇÃO do poder INSTITUINTE e SOBERANO do povo, por meio das suas Forças Armadas, seria tão legal quanto o impeachment. Está prevista na própria Constituição (art.142), o que não acontecia quando do contragolpe de 64,ocorrido sob regência da Constituição de 1946, que não previa essa figura. E com certeza ela só não acontece agora em virtude da ignorância do povo que recebeu uma lavagem cerebral de 24 horas por dia, condenando esse instituto e os militares da época.

A única diferença que existe entre o impeachment e a intervenção do art.142 da CF é quanto ao órgão julgador. No primeiro caso é na Câmara/Senado, no Poder Legislativo; no segundo, internamente dentro das próprias Forças Armadas, no Poder Militar,em duas das quatro hipóteses previstas na Constituição, INDEPENDENTEMENTE de convocação de algum dos Três Poderes. As FFAA teriam autonomia e mesmo soberania para decidir, mesmo contra a vontade dos seus comandantes vendidos.

Mas o maior obstáculo contra o uso dessa prerrogativa constitucional reside justamente nos que teriam muitos problemas se ela acontecesse: nos políticos, seus capangas e todos os criminosos da coisa pública. Outro obstáculo está nas próprias Forças Armadas, cujos comandantes foram escolhidos dentre os mais covardes e fiéis a esses governos corruptos. O povo só não toma a iniciativa de tirar todos esses vagabundos dos seus tronos à força porque não tem armas e se tentasse isso de “mãos vazias” as armas dos militares se voltariam contra esse povo, ordenado pelo Governo e pelos seus Comandantes capachos e traidores.

Mas tudo indica que a maioria do povo está aprovando, equivocadamente, o impeachment de Dilma, sem que percebam as consequências. Os protestos de rua estão demonstrando essa preferência. Mas esse povo desorientado está procedendo como as “rãs que queriam um novo rei”, uma fábula que bem poderia explicar essa postura. Esse conto versa sobre as rãs que viviam num pântano e não estavam contentes com a monotonia das suas vidas. Pediram a Júpiter um Rei, para ajudá-las a sair da monotonia, e “pensar” por elas (que dava muito “trabalho”). Mas o que receberam foi um pedaço de pau jogado na água, que num primeiro momento assustou-as. Mas logo elas perceberam que tinham sido enganadas, e começaram novamente reclamar, pulando agitadamente em cima do pau que boiava, pedindo mais uma vez um novo Rei, mais enérgico. Júpiter então enviou-lhes uma víbora, que logo começou a devorar as rãs, uma depois da outra.

A única diferença que haveria entre a fábula das rãs e a substituição de Dilma/PT, por Temer/PMDB, está em que Dilma nunca foi tão inofensiva quanto o pau que Júpiter mandou para as rãs, e que a substituição de um por outro (Dilma por Temer) seria igual à troca de uma “víbora”, por outra “víbora”, na fábula. Portanto ficaria tudo igual.

Estaria então valendo a pena todo esse empenho do Brasil por uma troca que certamente não resultará em nada de positivo, como já aconteceu antes com Collor?

Em todas as oportunidades que me aparecem questiono a validade dessa pseudo-democracia que empurraram goela abaixo dos brasileiros. Esse “lixo” que nos governa, todavia, é escolha do povo, mesmo que mediante alguma “ajudinha” das urnas eletrônicas. Então o que se pratica não é democracia. É oclocracia. Por isso não é só “o povo tem o governo que merece”. Também o “governo tem o povo que merece”.

As leis brasileiras longe estão de apresentar alguma coerência. Por um lado os Códigos Civil e de Processo Civil prevêem a hipótese de INTERDIÇÃO DE INCAPAZES, para os casos de enfermidade mental, ou limitação maior nos atos de vontade, sujeitando-os ao instituto da CURATELA. Ora, se maior coerência houvesse no direito brasileiro, o mesmo princípio deveria expandir-se para o DIREITO ELEITORAL.

O único impeditivo é aquilo que equivocadamente chamam de “democracia”, que consagra o direito ilimitado dos idiotas ou loucos de todo o gênero de votarem e serem votados, em eleições controladas pela Justiça Eleitoral. Imagino até que se as restrições para os atos da vida civil fossem levados para a capacidade eleitoral, muita gente, muita mesmo, justamente aquelas que com suas opções e seus “direitos” têm levado todos os brasileiros à ruína, com suas escolhas, ficaria interditada para votar. O voto de um idiota ou demente vale igual ao de uma pessoa que sabe pensar e optar.
Isso é democracia? Para mim não é.

■ (Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo). 
ALGUMAS MATÉRIAS RELACIONADAS:
08 ■ URSAL
URL
- V -
COMUNISMO & NAZISMO
(...) O comunismo procurou uma fundamentação teórica nas teorias do estado dos sofistas gregos e na obra "República" de Platão. No entanto, o comunismo encontrou bem cedo críticos severos, como Aristóteles. O comunitarismo cristão da Igreja Primitiva (descrita no livro de Atos dos Apóstolos da Bíblia), é por vezes comparada como uma forma de comunismo, por apresentar alguns dos mesmos princípios, como o desinteresse pelos bens materiais e um amor generalizado pelo próximo. (...) Entretanto parece que os Comunistas Contemporâneos procuram, procuram... E ainda não se encontraram em lugar algum.

 "Duma decidiu que é hora de "deleninizatsii" (desleninezar = desinfetar) cidades e vilas russas. A idéia foi apoiada pelo partido Rússia Unida.
O Vice-Presidente de Estado do Comitê do Duma, sob as sugestões de Alexander Kurdiumov (LDPR) tomou a iniciativa de mover os monumentos ao líder da revolução mundial Vladimir Lenin das cidades russas."
"- As autoridades locais serão capazes de realizar um referendo ou uma pesquisa de opinião entre todos os moradores das localidades, para descobrir qual é o melhor destino a ser dado para as estátuas. Se necessário, encontrar um local adequado e movê-las, e se não, então desmontar e enviar para o museu ou vender para colecionadores, e os fundos alocados utilizados para a restauração de áreas "Pridvorova", parques e parques paisagísticos, - disse o parlamentar."


URL
Totalitarismo (ou Regime Totalitário) é um sistema político no qual o Estado, normalmente sob o controle de uma única pessoa, político, facção ou classe social, não reconhece limites à sua autoridade e se esforça para regulamentar todos os aspectos da vida pública e privada, sempre que possível. O totalitarismo é caracterizado pela coincidência do autoritarismo (onde os cidadãos comuns não têm participação significativa na tomada de decisão do Estado) e da ideologia (um esquema generalizado de valores promulgado por meios institucionais para orientar a maioria, senão todos os aspectos da vida pública e privada).

Os regimes ou movimentos totalitários mantêm o poder político através de uma propaganda abrangente divulgada pelos meios de comunicação controlados pelo Estado, um partido único que é muitas vezes marcado por culto de personalidade, o controle sobre a economia, a regulação e restrição da expressão, a vigilância em massa e o disseminado uso do Terrorismo de Estado.
(...) "Aqueles que cometeram esse bárbaro crime são tão culpados quanto os que o aprovaram por décadas. Somos todos culpados. É impossível mentir para nós mesmos, justificando crueldade sem sentido por motivos políticos. A execução sumária da Família Romanov é resultado de uma divisão intransigente na Rússia, entre "nós" e "eles" na sociedade. Os resultados desta divisão podem ser vistos até agora. (...) Qualquer tentativa de mudar a vida pela violência está condenada ao fracasso. Temos que acabar com o século, que tem sido uma época de sangue e violência na Rússia, com arrependimento e paz, independentemente de pontos de vista Políticos, Étnicos ou Religiosos que pertençam. Esta é a nossa oportunidade histórica. Na véspera do terceiro milênio, é preciso fazê-lo para o bem da nossa geração e as que virão." (...) 
Boris Yeltsin

URL da Imagem
Essa República de Mentira nada acrescentou de útil, virtuoso e verdadeiro ao Brasil. Por mais que me esforce, não consigo ver nobreza alguma em vossos representantes políticos republicanos... Tampouco algo em suas atitudes que os honrem e engrandeçam.
Enquanto isso na República Federativa do Brasil!... 
Existe um paradoxo entre as posturas das Repúblicas, quanto suas autoridades de opinarem sobre Golpe de Estado Inconstitucional, quando 99% delas principiaram com um criminoso Golpe de Estado. No caso da Fundação do primeiro Estado de Exceção da História do Brasil em 1889, houve um genocídio nos seus 10 primeiros anos de fracassos em nome da sua consolidação, onde 200.000 pessoas foram mortas; a maioria delas sumariamente, numa época em que a população brasileira era 11 vezes menor que a atual, o que corresponde quantitativamente na atualidade a 2.000.000 de mortos. Quando estas repúblicas questionam seus golpes menores dados nos Golpes delas mesmas, é o mesmo que se estivessem questionando suas próprias legitimidades.
(...) "À medida em que o povo foi tomando conhecimento do acontecido, movimentos pela volta da Família Imperial começaram a eclodir por todo o Brasil. O governo republicano os destroçou com punho de ferro. (...)"
Algumas Matérias deste Blog

URL
01 • A MUDANÇA