DEFUNTA REPÚBLICA DE MENTIRA

"(...) É, todavia, difícil compreender por que, até o fim do reinado de Pedro II, o Brasil era um país mais promissor que os EUA, mais importante que a China, a Índia, o Japão, a Coréia e quase todos os países europeus - de onde vieram muitos imigrantes - e hoje ocorre o oposto: (...)" - (Dr. José Carlos de Almeida Azevedo)

Defender a manutenção da imundície da Ilegítima Ditadura Republicana Genocida Brasileira, que seguiu matando pelo futuro milhões com suas inconsequências, negligências, omissões... É de uma falta de conhecimento extrema, de uma burrice crônica absoluta, ou de uma voracidade predatória sem precedentes... Apenas caindo Dilma com o seu "Perda Total", mesmo que seja junto com suas coligações (Partidos dos Partidos...) das Organizações Criminosas das Facções Narco-Psicopatas-Partidárias-Copartícipes dos Regimes Síndico-Comuna-Socialistas-Golpistas, da Máquina de Prostituição Parlamentar do Poder Central Republicano, Alinhada a Política Transnacional Continental Latina Americana do Foro de São Paulo... Quase nada mudará nessa decadente República de mentira nunca proclamada de fato - a sujeira mais uma vez apenas mudará de mãos.

O Brasil é escravizado por uma caricatura republicana presidencialista moralmente ilegítima abortada defunta como regime totalitário, cujas suas predadoras consequências se estenderam pelo futuro numa sucessão de ditaduras civis e militares... Nódoa negra do hoje paradoxalmente dito Exército do monarquista Caxias do Exército Imperial Brasileiro. Aliciados por meia dúzia de traidores da pátria discípulos da Seita Positivista, alguns militares do Exército Imperial foram utilizados como ferramenta executora do trabalho sujo que mergulhou o país nas trevas, com a desastrosa inauguração da primeira ditadura militar da História do Brasil em 15 de novembro de 1889, acabando com a democracia da Monarquia Constitucional Parlamentar Representativa do promissor respeitável Império do Brasil, que ombreava com as outras três nações mais poderosas, cuja sua Armada Imperial somada a Marinha Mercante, foi a 2ª Potência Naval da terra. Num determinado momento da nossa história, já fomos mais poderosos do que os Estados Unidos da América do Norte.

No desastre do Flagelo Republicano, entre mandos e desmandos nesses 126 anos de estagnação, se somam: "12 Estados de Sítios, 17 Atos Institucionais, 6 Dissoluções do Congresso, 19 Revoluções ou Intervenções Militares, 2 Renuncias Presidenciais, 3 Presidentes Impedidos, 4 Presidentes Depostos, 6 Constituições Diferentes, 4 Ditaduras e 9 Governos Autoritários"... Mais os últimos 30 anos de retrocessos perdidos num oceano de esgoto sem precedentes na História do Brasil, com a 6ª tentativa ressuscitadora do pesadelo da tragédia dessa fracassada Nova República Salvadora da Pátria perdida em si mesma, que além de produzir desde 1985 mais de 3.000.000* de assassinatos (*Incluindo as mortes provocadas pelos desserviços e/ou omissões dos sucessivos desgovernos), nos conduziu mais uma vez a um terrível vazio. E, tudo indica que a burrice ou obscuras ambições dos dementes políticos predadores devoradores da pátria, indiferentes ao que já funcionou a contento na história dessa nação fundada em 1822 como Império, continuarão como insaciáveis varejeiras investindo no engodo de novas inúteis defuntas repúblicas, que têm sido sinônimos de Desgraça Nacional. (Emanuel Nunes Silva)

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Cемьи Романовых - O Cruel Massacre dos Romanovs. A grande lambança executada pelos Republicanos Comunistas

O CRUEL MASSACRE DA FAMÍLIA ROMANOV
A GRANDE LAMBANÇA EXECUTADA PELOS REPUBLICANOS COMUNISTAS
(ocorrido na madrugada de 16/17 de julho de 1918)
The videos in this matter contains scenes of atrocities committed against children.
- Introdução -
Em 16 de julho de 1918, o Czar Nicolau II e sua família são executados por bolcheviques em Yekaterinburg, na Rússia 

"(...) O czar Nicolau II e a sua família foram executados em um dia como este, no ano de 1918, pelos bolcheviques - assim chamados os integrantes da facção do Partido Operário Social-Democrata Russo liderada por Vladimir Lênin -, fato que deu fim a três séculos de governo da Dinastia Romanov. Coroado em 1986, Nicolau não estava preparado para governar, o que não ajudava em nada a imensa vontade do povo por mudanças. 
(...)
Em março de 1917, a revolução eclodiu nas ruas de Petrogrado (atual São Petersburgo) e Nicolau foi forçado a abdicar do seu trono no final desse mês. Em novembro daquele ano, os radicais socialistas bolcheviques, liderados por Lênin, tomaram o poder na Rússia e formaram um governo provisório, que pediu a paz para as Potências Centrais na Primeira Guerra e estabeleceu o primeiro estado comunista do mundo. A guerra civil eclodiu na Rússia em junho de 1918, e em julho os "brancos", forças russas antibolcheviques, avançaram em Yekaterinburg, onde localizaram Nicolau e a sua família, durante uma campanha contra as forças bolcheviques. 

As autoridades locais receberam ordens para evitar um resgate dos Romanov, e, depois de uma reunião secreta, uma sentença de morte foi passada para a família imperial. No final da noite de 16 de julho, Nicolau, Alexandra, seus cinco filhos e quatro funcionários foram obrigados a se vestir de forma rápida e descer até o porão da casa em que estavam detidos. Lá, a família e os funcionários foram dispostos em duas fileiras para uma fotografia que, conforme havia sido falado, era tirada para acabar com os rumores de que eles teriam escapado. De repente, uma dúzia de homens armados invadiu o local e matou a família a tiros. Os restos mortais de Nicolau, Alexandra e de três de seus filhos foram escavados em uma floresta perto de Yekaterinburg, em 1991, e positivamente identificados dois anos depois, usando exames de DNA. O príncipe herdeiro Alexei e uma filha dos Romanov não foram contabilizados, alimentando a lenda de que Anastasia, a filha mais nova, teria sobrevivido. Das várias "Anastasias" que surgiram na Europa na década após a Revolução Russa, Anna Anderson, que morreu nos Estados Unidos, em 1984, foi a mais convincente. Em 1994, no entanto, os cientistas usaram DNA para provar que Anna Anderson não era a filha do czar, mas uma polonesa chamada Franziska Schanzkowska. Boasson and Eggler St. Petersburg Nevsky. (...)"  
[Public domain], via Wikimedia Commons
URL
Família Imperial Russa – 1913
Os Romanov. Da esquerda para a direita: Olga, Maria, Nicholas II, Alexandra, Anastasia, Alexei, e Tatiana. Retratado na Livadia Palace em 1913.
Hoje, a fotografia original é realizada no Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia. 

Execução da Família Romanov
https://en.wikipedia.org/wiki/Execution_of_the_Romanov_family 
A Rússia hoje é uma Pseudo Democracia Federal, "(...) baseada num sistema de Estado de Direito sob a forma de República. Os três poderes do Estado: Legislativo, Executivo e Judiciário são independentes uns dos outros. As decisões políticas são tomadas na Assembléia Federal Russa que é constituída por duas câmaras - a Duma e o Conselho Federal. A Duma (em russo Государственная дума, Gasudárstvienaia Duma) é o parlamento russo, com 450 deputados. Todas as leis a serem aplicadas em toda a federação têm de ter aprovação com maioria absoluta na Duma. O presidente da Rússia é o chefe de estado, protetor da constituição, dos direitos e das liberdades dos cidadãos, e tem de acionar qualquer medida para proteger a integridade da soberania russa. É ele que representa a Rússia nos encontros diplomáticos. Tem também a função de escolher o primeiro-ministro desde que tenha consenso com a Duma.(...)" 
O Presidente da Rússia exerce assim, uma espécie de PODER MODERADOR Autoritário, às avessas do que foi o Poder Moderador da Monarquia Parlamentarista do Império do Brasil. 

Execution Romanov
- I -
Pedido de Desculpas pelas Atrocidades cometidas pelos Republicanos Comunistas 

A Monarquia do Império Russo nunca foi tão democrática e liberal quanto a Monarquia Parlamentar (Constitucional) do Império do Brasil. A russa era considerada uma Monarquia Absolutista até o Golpe de Estado Republicano Comunista de 1917, quando tal qual ocorreu no Brasil, foi inaugurada como a primeira Ditadura da História da Rússia; que além de assassinar a Família Imperial, apenas os fuzilamentos mataram algo em torno de 20.000.000 de pessoas na URSS até 1953. Depois do colapso da União Soviética, um Presidente Russo faz um pronunciamento desse em relação a Família Imperial, mesmo o Império Russo sendo na época uma Monarquia Absolutista. Postura bem diferente dessa República Brasileira, que desde os primórdios dos tortuosos meandros da sua lamentável existência, denigre nossas raízes e a legítima Identidade Nacional, aliciando criminosamente com mentiras toda uma nação. 
Em 16 de julho de 1998, Boris Yeltsin oficialmente pede desculpas em seu nome e pela República da Rússia, por terem os Comunistas Republicanos sumariamente assassinado a Família Imperial Russa. Massacre ocorrido na madrugada de 16/17 de julho de 1918.

Caros concidadãos...

É um dia histórico para a Rússia.
Oitenta anos se passaram desde o assassinato do último Imperador russo e sua família. Há muito tempo em silêncio sobre esse crime monstruoso temos de dizer a verdade: o cruel massacre de Yekaterinburg tornou-se um dos episódios mais vergonhosos da nossa história. Ao enterrar os restos mortais de vítimas inocentes, queremos expiar os pecados de nossos antepassados.

Aqueles que cometeram esse bárbaro crime são tão culpados quanto os que o aprovaram por décadas. Somos todos culpados. É impossível mentir para nós mesmos, justificando crueldade sem sentido por motivos políticos. A execução sumária da Família Romanov é resultado de uma divisão intransigente na Rússia, entre "nós" e "eles" na sociedade. Os resultados desta divisão podem ser vistos até agora.

O enterro dos restos mortais de Yekaterinburg é, antes de tudo, um ato de justiça humana. É um símbolo da unidade da nação, uma expiação de culpa comum. Nós todos temos responsabilidade para a memória histórica da nação. E é por isso que eu não poderia deixar de vir. É meu dever estar aqui como indivíduo tanto como Presidente. Eu curvo minha cabeça diante das vítimas de assassinato tão impiedoso. Para a construção de uma nova Rússia, temos que considerar esta sua trágica experiência histórica.

Muitas páginas gloriosas da história da Rússia estavam conectadas com os Romanovs. Mas este nome está ligado a uma das lições mais amargas: Qualquer tentativa de mudar a vida pela violência está condenada ao fracasso. Temos que acabar com o século, que tem sido uma época de sangue e violência na Rússia, com arrependimento e paz, independentemente de pontos de vista Políticos, Étnicos ou Religiosos que pertençam. Esta é a nossa oportunidade histórica. Na véspera do terceiro milênio, é preciso fazê-lo para o bem da nossa geração e das que virão. Vamos lembrar as vítimas inocentes que sucumbiram ao ódio e à violência. Que descansem em paz. 

Boris Yeltsin
Foto: O CRUEL MASSACRE DA FAMÍLIA IMPERIAL ROMANOV PELOS COMUNISTAS

 Последняя императрица России Александра Фёдоровна жена Николая II

Алекса́ндра Фёдоровна — (урождённая принцесса Виктория Алиса Елена Луиза Беатриса Гессен-Дармштадтская, нем) - (Victoria Alix Helena Louise Beatrice von Hessen und bei Rhein)
(http://www.liveinternet.ru/users/ustava51/post281120132/)

Alexandra de Hesse (nome completo: Vitória Alice Helena Luísa Beatriz de Hesse; Darmstadt, Alemanha, 6 de junho de 1872 – Ecaterimburgo, 17 de julho de 1918) era filha de Luís IV, Grão-Duque de Hesse e da Princesa Alice do Reino Unido. Mulher de beleza incomum, foi a Czarina da Rússia assassinada pelos bolcheviques. Em 1894, casou-se com o futuro Czar Nicolau II da Rússia, adotando o nome de Alexandra Feodorovna com o estilo Sua Majestade Imperial.


Sua Majestade Imperial Alexandra Feodorovna 
Romanovs . The Last Waltz.
https://www.youtube.com/watch?t=167&v=y3JmpWYx8L4
Movimento Russo para restaurar a Monarquia
- Российского движения по возрождению монархии

URL

(...) "Ao contrário de seus vizinhos, o Brasil tornou-se independente sob um Imperador. D. Pedro I e seu filho D. Pedro II cumpriram um enorme trabalho histórico de criação e afirmação de um país gigantesco, entregando-o unido, indiviso, falando um mesmo idioma, sem enclaves estrangeiros, com suas fronteiras praticamente definidas, livre da escravidão e aceitando uma transição para a república democrática feita sem derramamento de sangue*. Como imperadores, personificavam um poder do Estado – o Poder Moderador – que dirimia dúvidas e dava a última palavra nos mais graves assuntos nacionais. Seus atos políticos não eram sujeitos a julgamento, pois eram inimputáveis." *À princípio sim... Entretanto, principalmente após a morte de D. Pedro II, a República massacrou impiedosamente nos seus 10 primeiros anos de retrocessos em torno de 200.000 brasileiros, o que corresponderia na atualidade a um genocídio de 2.000.000 de pessoas (inclusive mulheres, crianças e anciões... Militares e Ex-Escravos), sendo a maioria monarquistas contrários a arbitrária ilegítima imposição republicana.

- III -
семьи Романовых
O Resgate da autêntica identidade russa, usurpada pelos republicanos comunistas

ÁLBUM: O CRUEL MASSACRE DA FAMÍLIA IMPERIAL ROMANOV PELOS COMUNISTAS

A Maçonaria no Brasil contribuiu para a consolidação da Independência em 1822, inclusive D. Pedro I chegou a ser Maçom por algum tempo. Quanto à questão Religiosa do II Reinado com o Vaticano preferi não citar, pois foco os poucos Maçons brasileiros que “proclamaram” a República. Forço uma satisfação desta Sociedade sobre os fatos que se consumaram em 15 de novembro de 1889... Se existisse alguém com interesse, competência, vontade ou autoridade para tal, para se manifestar em nome desta Sociedade publicamente sobre este assunto neste Momento Político desta atual desconjuntura, se espelhando, por exemplo, na postura de Boris Yeltsin, quando num gesto de grandeza pede desculpas em seu nome e pela República da Rússia que inventaram, por terem os Comunistas injustificavelmente destruído o Império Russo e assassinado cruelmente toda a Família Imperial. Já estariam prestando um grande serviço à nação, pois facilitaria a restauração da Monarquia Parlamentar no Brasil, que igualmente foi arbitrariamente suprimida a força. 

A Grande Lambança da Maçonaria na Tragédia da Farsa Republicana do Golpe de Estado de 15 de Novembro de 1889
Domingo Sangrento de 9 de janeiro de 1905
O Czar estava viajando pelo interior e não sabia o que se passava. Ele foi traído ao menos por um dos seus subalternos de "confiança" que viajava com ele. Alguns dos telegramas emitidos de São Petersburgo colhidos nas estações em que o trem parava, foram interceptados (filtrados). 
URL da Imagem
Czar Nicolau II (Tsar Nicholas II) 
Nicolau II da Rússia
Nicolau II (em russo: Николáй Алексáндрович Ромáнов; transl.: Nikolái Alieksándrovich Románov) foi o último Imperador da Rússia, Rei da Polônia e Grão-Príncipe da Finlândia. Nasceu no Palácio de Catarina, em Tsarskoye Selo, próximo de São Petersburgo, em 18 de maio (6 de maio no calendário juliano) de 1868. É também conhecido como São Nicolau o Portador da Paixão pela Igreja Ortodoxa Russa. Quanto ao seu título oficial, era chamado Nicolau II, Imperador e Autocrata de Todas as Rússias.
“O domingo, 22 de janeiro (O.S. 9 de janeiro) de 1905, trabalhadores em greve e suas famílias se reuniram em seis pontos na cidade de São Petersburgo, no Império Russo. Eles eram organizados e liderados pelo padre ortodoxo russo George Gapon. Segurando ícones religiosos e cantando hinos e canções patrióticas (particularmente Deus Salve o Czar), uma multidão de "mais de três mil" pessoas prosseguiu sem interferência da polícia em direção ao Palácio de Inverno, residência oficial do Czar. A multidão não sabia que o czar não estava no palácio. Os piquetes do exército perto do palácio lançaram tiros de advertência e, em seguida, dispararam diretamente contra a multidão para dispersá-la. Gapon foi alvo de tiros perto do Arco do Triunfo de Narva. Cerca de quarenta pessoas ao redor dele foram mortas, no entanto, ele não ficou ferido. Embora o Czar não estivesse no Palácio de Inverno ou mesmo na cidade e não tivesse dado a ordem para as tropas atirar, ele recebeu toda a culpa pelas mortes, resultando em uma onda de amargura do povo russo contra o Czar e seu regime autocrático.”
A Rússia tentando fazer as pazes com o seu sangrento passado resgata sua História, e a legítima Identidade Nacional


https://www.youtube.com/watch?v=NfD2vcVc5Fo
Restauração dos Símbolos Monárquicos & Imperiais na Federação Russa (Российская Федерация), tornando-os oficiais.

Monarquias Parlamentares tal qual a Imperial Brasileira foi, respeitam suas Histórias. Como exemplo, a Bandeira da Monarquia do Estado Laico Inglês, consiste numa Cruz Vermelha sobre fundo Branco, fazendo referência à Cruz de São Jorge, o Santo Patrono do país, que, segundo a lenda, salvou uma Princesa de um dragão, e com o seu sangue fez um Sinal da Cruz no seu Escudo Branco. Interessante ressaltar que a Rússia mesmo sendo hoje uma República, nesse aspecto está mais evoluída que o Brasil: restaurou seus Símbolos Monárquicos tornando-os Oficiais, abrangendo inclusive Bandeiras e Brasões de cidades e capitais, e do próprio Estado Russo, por entenderem que independente da explicitada Simbologia Cristã, acima de tudo, representa a sua História. 

Enquanto que na extinta União Soviética aboliram a Foice e o Martelo, a letra do Hino do Império Russo foi reescrita para compor o Hino Nacional da Rússia atual, Restauraram a Bandeira e a Águia Bicéfala do Império... A Águia Bicéfala Imperial agora ornamenta os Prédios Públicos e os Documentos Oficiais... Os Símbolos Religiosos retornaram aos seus respectivos Templos. Como outrora, a Cruz Cristã é destaque nos topos das torres das Igrejas e Catedrais... Por aqui uma minoria que se julga donos da verdade e do Brasil quer fazer tudo ao contrário.
A Rússia Restaurando a Águia Bicéfala do Império como Emblema Nacional... Resgata a sua legítima identidade, continuidade e coesão com sua História Nacional. A imagem do Cavaleiro ao atingir um Dragão – é o Escudo Moscovita, mais antigo do que a Águia Bicéfala, símbolo da vitória do bem sobre o mal. Segundo a versão moscovita o Cavaleiro nessa imagem é São Jorge – Santo Patrono da Cidade de Moscou.

O escudo nacional da Federação da Rússia é a imagem da águia bicéfala dourada, colocada sobre o escudo heráldico vermelho; em cima da águia estão três coroas históricas de Pedro Grande (duas coroas menores em cima das cabeças da águia e uma coroa maior em cima delas); no peito da águia sobre o escudo vermelho está o cavaleiro ao atingir com a sua lança o dragão.

A partir do séc. XIV a águia bicéfala dourada sobre o fundo vermelho tornou-se o símbolo do Império Bizantino em que a cor vermelha (púrpura) era a cor imperial (cesariana) rigorosamente regulamentada e a cor dourada era o símbolo da eternidade. No séc. XV depois do casamento do Grande Príncipe de Moscou, Ivan III com a sobrinha do último Imperador bizantino Sofia Paleilog a águia bicéfala afirmou-se na Rússia como o escudo do Estado. No séc. XVII o escudo assumiu a forma completa da águia bicéfala com três coroas (simbolizando os reinos de Kazan. Ástrakhan e Sibéria integrados no Estado de Moscou ou, segundo a outra versão, significou a fé, esperança e amor), o ceptro (símbolo de defesa da soberania) e a potência (símbolo da unidade e integridade do Estado).

Russian Tsar - Hurrah

A Bandeira da Cidade de Moscou foi restaurada, ela voltou a ser a mesma do Império 
São Petersburgo - Padroeiro: São Pedro
Fundada pelo Czar Pedro, o Grande em 27 de maio de 1703, serviu de Capital do Império Russo por mais de duzentos anos, entre 1713 e 1728 e novamente entre 1732 e 1918. São Petersburgo deixou de ser a Capital em 1918, após a Revolução Russa de 1917. Rebatizada em 1925 pelos Comunistas de Leningrado em homenagem a Vladimir Ilitch Lenin ou Lenine. Em 1991 teve seu nome, Bandeira e Brasão restaurados, no mesmo ano do Colapso da União Soviética.
O Brasão de Armas da Rússia Imperial voltou a ser o Oficial
Coat of Arms of the Russian Federation
Герб русский Федерации
"O Brasão é o emblema oficial do Estado da Federação Russa.
A águia de duas cabeças apareceu pela primeira vez na Rússia, como símbolo de um estado com os Muscóvias, no século 15. Ela veio de Byzantia com Sophia Paleolog, membro do último Imperador da Dinastia Byzantia, que se tornou a esposa de Ivan III, o Grande Duque de Moscou.

A águia de duas cabeças continuou a ser o símbolo da Monarquia Russa e do Estado Russo por mais de quatrocentos anos, até a Revolução de outubro de 1917, e recuperou o seu estatuto em 1993 por ordem do presidente Boris Yeltsin em 30 de novembro de 1993.
Há diferentes interpretações deste símbolo. A versão mais comum diz que duas cabeças da águia simboliza que a Rússia é composta de duas partes - europeus e asiáticos, e eles são de igual importância para o país.

O Brasão de Armas do Estado sobreviveu algumas mudanças durante a história pré-revolucionário da Rússia, embora essas mudanças não foram muito significativas. Quando a velha Dinastia Rurick terminou no século 17 e os Romanovs chegaram ao poder, a águia de duas cabeças passou a ser o símbolo da Rússia, as três coroas que foram adicionadas acima da águia encarna a unidade das três nações - russo, ucraniano e bielo-russo.

Restaurando a águia bicéfala como Emblema Nacional, A Rússia mostra a sua legítima identidade, continuidade e coesão com sua história nacional.
O Emblema Nacional da Federação Russa é o escudo heráldico vermelho quadrilateral com fundo arredondado bordas inferiores e afiada, que mostra a águia dourada de duas cabeças com asas abertas. A águia é coberta com duas coroas pequenas e com uma coroa maior entre elas um pouco acima destas, que encima o brasão; todas elas são interligadas com uma fita."

Russos pedem a volta da Monarquia
A Restauração do Império Russo


Bandeira do Império Russo entre 1699-1917
voltou a ser a Bandeira Nacional da Federação Russa desde 1993. 
Em respeito a Identidade Nacional, suas raízes e seus valores Históricos 

A Bandeira do Comandante Supremo das Forças Armadas da Federação Russa.
Em respeito à Identidade Histórica da Rússia, voltou a ser a versão que outrora foi utilizada pelo Império Russo

- V -
"Czar" Vladimir Putin do "Império Russo"
Царь Владимир Путин в состав Российской империи
 Tsar Vladimir Putin of the Russian Empire
http://www.ukrainebusiness.com.ua/modules/news/images/topics/4e1bbcd2-a224-daec.jpg


Vale a pena assistir o Cerimonial da Clamação no início do vídeo abaixo... Entretanto vejam aos 26:0037:00 e aos 52:45 até o final. Qualquer semelhança com o Vídeo histórico - 1885 acima, parece que é mera coincidência.


 Vladimir Putin inaugurated as President of Russia.07.05.12 - В.Путин.Инаугурация
https://www.youtube.com/watch?v=xAS_s03nccE

O Regime Comunista (Socialista) Republicano, até hoje têm se mostrado um desastre, por ter se mantido, e ainda se mantém em alguns países, à custa de milhões de assassinatos e fuzilamentos mundo afora... Mesmo assim, essencialmente na Extinta União Soviética, conseguiram em determinadas circunstâncias expressivos progressos sobretudo nas áreas tecnológicas e científicas, aplicadas sobremaneira na estratégia da sua Soberania como Potência Global disputada junto aos Estados Unidos. Este extraordinário desenvolvimento não se deveu apenas graças ao Comunismo Soviético em si, e sim mais pela genialidade do povo Russo que foi uma exceção, e também em parte pelo significativo Espólio Tecnológico de Guerra, herdado na derrota da Alemanha Nazista. 

Todos os demais países que já foram ou ainda são comunistas, devem em grande parte seus domínios em determinadas tecnologias à Rússia, um exemplo de peso é a China. Nem vou citar a Apêndice Soviética do Continente Americano - Cuba, que sobrevivia de esmolas da URSS, que na época montaram alguns laboratórios e bases de mísseis na Ilha, e quando se retiraram deixaram para traz algum legado para que Cuba se sustentasse como nação, principalmente na área da saúde, que por incompetência do Regime Cubano, e a falta do pessoal qualificado russo, hoje esse legado se perde num imenso vazio. 
O Pôster Comunista faz menção aos Símbolos Religiosos e seus Templos:
"Todo o passado será jogado no lixo". 1919 - 1921.
The War on Religion 
No Brasil a Lei é branda quanto a "Perseguição Religiosa". No Direito Penal Brasileiro isso é crime: 
Art. 208 - Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: Pena - detenção, de um mês a um ano, ou multa.
Parágrafo único - Se há emprego de violência, a pena é aumentada de um terço, sem prejuízo da correspondente à violência. 
[Código Penal Brasileiro] 
No vídeo foi listado os outros crimes cometidos por alguns Ativistas da Marcha das Vadias em 2013 na Cidade do Rio de Janeiro. 
As atitudes explicitadas no vídeo quanto nas imagens abaixo é contra o Cristianismo em si... Base de todas as Religiões Cristãs. Portanto é um afronto a todas as Religiões Cristãs do Planeta, e aos que seguem os ensinamentos da Bíblia Sagrada, mesmo que não pertençam a qualquer Religião. Até os Espíritas são Cristãos, apesar da Bíblia não deixar muito claro a questão da reencarnação. Vejo nos comentários destas fotos, até ateus e membros de outras religiões não Cristãs, criticando negativamente estas demonstrações gratuitas de arrogância, prepotência e desrespeito ao próximo.

Cartaz Soviético produzido em torno de 1925. Tradução do texto na parte superior: "Abortos induzidos tanto por Parteiras treinadas ou autodidatas não só mutilam a mulher, mas também muitas vezes levam à morte". Legenda para foto superior esquerda: "a Parteira autodidata visita". Quadro superior direito: "Conseqüências do aborto". Imagem inferior: "A morte provocada pelo aborto". Texto no canto inferior esquerdo: "Qualquer aborto é prejudicial". Texto no canto inferior direito: "Qualquer Parteira treinada ou autodidata que induz a um aborto está cometendo um crime".

Independentemente se sou Cristão, Ateu ou Religioso... Não estou aqui para discutir este assunto inerente a individualidade e limitação de cada um sobre os seus conceitos de Deus, ou das suas capacidades intelectuais de entender parte do que seja. 
São Petersburgo - Padroeiro: São Pedro 
Fundada pelo Czar Pedro, o Grande em 27 de maio de 1703, serviu de Capital do Império Russo por mais de duzentos anos, entre 1713 e 1728 e novamente entre 1732 e 1918. São Petersburgo deixou de ser a Capital em 1918, após a Revolução Russa de 1917. Rebatizada em 1925 pelos Comunistas de Leningrado em homenagem a Vladimir Ilitch Lenin ou Lenine. Em 1991 teve seu nome, Bandeira e Brasão restaurados, no mesmo ano do Colapso da União Soviética.
Revolução Bolchevique
O processo de tomada do poder do Estado pelo Partido Bolchevique é interpretado das mais variadas formas. Para alguns, como o revolucionário anarco-marxista Jan Wacław Machajski, atuante naquela época, foi um golpe de Estado e não uma revolução dos trabalhadores. Esta teoria seria defendida por várias tendências políticas de esquerda não-bolchevista e por alguns historiadores. Para outros, os adeptos e seguidores do bolchevismo, a tomada do poder significou a implantação do socialismo na Rússia.

Logo após Lênin assumir o poder, os inimigos dos bolcheviques foram prontamente eliminados, a começar pela família imperial, os Romanov. Nicolau II ficou aprisionado em Ekaterinburgo até julho de 1918, quando foi executado com toda a sua família. Neste período ocorreu um intenso processo de burocratização, com esvaziamento dos "sovietes" e conselhos operários, intensa repressão, inclusive a marinheiros, camponeses, trabalhadores ligados a outras tendências de esquerda (anarquistas, socialistas revolucionários), assim como a dissidentes dentro do Partido Bolchevique.

De 1924 a 1926, o poder do Partido e do país estava nas mãos da tróika formada por Stalin, Lev Kamenev e Gregory Zinoviev, criada por ocasião da doença de Lênin. A segunda tróika, vigente do final de 1926 até o fim de 1928, era composta por Stalin, Nikolai Ivanovitch Bukarin e Alexei Rykov. Zinovyev e Kamenev, foram executados em 1936. Burkarin e Rykov, foram executados em 1938. Karl Radek, integrante do Comintern, faleceu na prisão.

Stálin assumiu o comando do país com poderes ditatoriais. Expulsou do partido e do exército todos os seus possíveis inimigos ou rivais. Milhões foram presos, executados ou deportados para campos de trabalho na Sibéria. Estima-se que mais de 6 milhões de pessoas foram mortas. Os números são eloquentes: o censo de 1937 revelou que a população havia caído em oito milhões de pessoas, por causa da coletivização forçada no campo, da repressão política e das execuções. Entre 1937 e 1938, foram presos cerca de um milhão e meio de “inimigos do povo”. Oficialmente foram realizadas 681.692 execuções - uma média de quase mil por dia.

A stalinização do Exército Vermelho prendeu e eliminou três marechais, 14 comandantes-de-exército, 8 almirantes, 60 comandantes-de-corpos-de-exército, 136 comandantes-de-divisão, 221 comandantes-de-brigada, 11 vice-comissários de defesa, 75 membros do soviete militar e mais 528 outros altos oficiais e funcionários do setor militar. Cientistas e intelectuais também foram atingidos pelo expurgo. Andrei Nikolaevitch Tupolev, projetista do avião que leva seu nome e do primeiro túnel aerodinâmico russo, e Sergei Korolev, que em 1933 construiu o primeiro foguete experimental soviético movido a combustível líquido, foram presos e enviadas para a Sibéria. Também foram presos (e muitos deportados para prisões siberianas ou executados) quase todos os astrônomos do Observatório de Pulkovo, os estatísticos que tabularam o recenseamento de 1937, centenas de linguistas e de biólogos, que refutaram a linguística e a biologia “oficial”, e cerca de 2 mil membros da União dos Escritores.

Entre as vítimas mais famosas estão os escritores Isaac Babel (fuzilado em 1940), Boris Pilniak (fuzilado em 1938) e Iuri Olecha, Panteleimon Romanov, os poetas Nikolai Kliuev (provavelmente morreu em um campo de prisioneiros, em 1937), Nikolai Zabolotsky (preso durante oito anos), o polonês Ossip Mandelstam (morto na Sibéria, em 1938), o armênio Gurgen Maari, os georgianos Paolo Iashvili, Mikheil Javakhishvili e Titsian Tabidze (os dois últimos mortos em 1937) e o compositor Dmitri Shostakovich (jogado no limbo do ostracismo).

Porém a vítima mais conhecida do stalinismo foi Leon Trotski, o fundador do Exército Vermelho. Em 1927, foi expulso do partido e do país. Em 1940, estava exilado no México, quando foi assassinado, a mando de Stalin.

Os crimes de Stalin foram denunciados por Nikita Khrutchev, durante o XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética, em 1953, quando Khrutchev assumiu o cargo de secretário-geral do partido. Tempos depois, já como primeiro-ministro do país, ao participar de uma conferência com membros do Partido Comunista, pediu que lhe fizessem as perguntas por escrito. Uma das indagações, feita por um dos integrantes da platéia, pedia que ele explicasse por que não denunciara o terror de Stalin, quando o ditador ainda estava vivo. Vermelho de raiva, o então chefe do governo soviético gritou: “Quem fez está pergunta?”. Ninguém respondeu. Já calmo, ele prossegue: “Pela mesma razão que você não se apresenta agora; simplesmente por medo”. Calcula-se que, de 1917 a 1953, ano da morte de Stalin, os expurgos, a fome, as deportações em massa, o trabalho forçado no Gulag e os fuzilamentos mataram algo em torno de 20 milhões de pessoas na antiga URSS.
A Rússia hoje é uma Pseudo Democracia Federal, "(...) baseada num sistema de Estado de Direito sob a forma de República. Os três poderes do Estado: Legislativo, Executivo e Judiciário são independentes uns dos outros. As decisões políticas são tomadas na Assembléia Federal Russa que é constituída por duas câmaras – a Duma e o Conselho Federal. A Duma (em russo Государственная дума, Gasudárstvienaia Duma) é o parlamento russo, com 450 deputados. Todas as leis a serem aplicadas em toda a federação têm de ter aprovação com maioria absoluta na Duma. O presidente da Rússia é o chefe de estado, protetor da constituição, dos direitos e das liberdades dos cidadãos, e tem de acionar qualquer medida para proteger a integridade da soberania russa. É ele que representa a Rússia nos encontros diplomáticos. Tem também a função de escolher o primeiro-ministro desde que tenha consenso com a Duma. (...)" 

O Presidente da Rússia exerce assim, uma espécie de PODER MODERADOR Autoritário, às avessas do que foi o Poder Moderador da Monarquia Parlamentarista do Império do Brasil.
- VII -
Algumas imagens dos Romanov
Некоторые изображения Романовых
https://www.flickr.com/photos/beinecke_library/4599558580/in/photostream/




 











URL 01 - URL 02


URL

URL

- VIII -
Divergências entre republicanos brasileiros:
Não é ensinado nas escolas, mas existia um plano dos republicanos radicais para assassinar todos os membros da Família Imperial Brasileira. Execução sumária de membros da Família Imperial Brasileira que eventualmente resistisse à troca da Monarquia pelo Regime Republicano
"Uma dessas correntes republicanas, formada de 'Jacobinos', eram admiradores da Revolução Francesa. Eles defendiam A deposição de D. Pedro II por meio de revolta popular; e a execução da Família Imperial, se necessário. O líder dos 'Jacobinos' era o Advogado Antônio da Silva Jardim, conhecido pelo radicalismo de suas posições. Deposto o Imperador pela força que viria das ruas... À Família Imperial seriam dadas duas opções: a primeira, o exílio, na Europa de preferência; a segunda, em caso de resistência, morte em praça pública em nome dos interesses nacionais (da República propriamente dita) – Silva Jardim gostava de lembrar que, em 1789, os revolucionários parisienses haviam executado na guilhotina o Rei Luís XIV e a Rainha Maria Antonieta, atitude que também deveria guiar os brasileiros.". Entre parênteses anotação minha. 
Concluo: 
Para quem achou a fantástica idéia do Advogado Antônio da Silva Jardim um absurdo, estas suas elucubrações macabras tornaram-se realidade em 1918, quando os Golpistas Comunistas Republicanos executaram sumariamente a Família Imperial Russa. Mesmo que a Monarquia do Império Russo nunca tenha sido tão democrática e liberal quanto a Monarquia Parlamentar (Constitucional) do Império do Brasil... Não se justificou tamanha atrocidade. Inclusive a russa era considerada uma Monarquia Absolutista até o Golpe de Estado Comunista de 1917, quando foi inaugurada a primeira Ditadura da História da Rússia, que além de assassinar a Família Imperial, calcula-se que, de 1917 a 1953, ano da morte de Stalin, os expurgos, a fome, as deportações em massa, o trabalho forçado no Gulag e os fuzilamentos mataram algo em torno de 20 milhões de pessoas na antiga URSS... Já aqui no Brasil, quando os republicanos para consolidar a Ditadura que inventaram em 1889, assassinaram nos 7 primeiros anos de fracasso 150.000 de brasileiros; inclusive mulheres crianças e anciãos (três vezes mais mortes entre militares e civis brasileiros que na Guerra do Paraguai). O que equivaleria em 2013, a 1.700.000 de mortes.
O PODER MODERADOR NO IMPÉRIO DO BRASIL
Segundo João Camillo Torres, a razão da existência do Poder Moderador era devido ao fato de que o "monarca, pela continuidade dinástica, não fazendo parte de grupos, classes, nem possuindo ligações regionais, não devendo seu poder a partidos, grupos econômicos, não tendo promessas eleitorais a cumprir, não precisando de 'pensar no futuro' – o futuro de sua família estará garantido se a paz e a grandeza nacional estiverem preservadas – que não está sujeito a tentação de valer-se de uma rápida passagem pelo seu governo para tirar benefícios e vantagens particulares à custa da nação, deixando o ônus a seus sucessores", pois o seu "sucessor é o próprio filho, sabendo que a História, muitas vezes, cobra de netos crimes dos avós".
O Art. 99 da Constituição de 1824 declarava que a "pessoa do Imperador é inviolável e sagrada; ele não está sujeito à responsabilidade alguma". Tal dispositivo não era uma característica única do regime constitucional brasileiro do século XIX. Pelo contrário, a irresponsabilidade do monarca ainda existe nas atuais monarquias parlamentaristas, que estão entre os países mais democráticos, menos corruptos e com melhor qualidade de vida para seus habitantes. As atribuições reservadas ao Poder Moderador deveriam ser exercidas somente após o Conselho de Estado ter sido consultado. Tais prerrogativas (que estavam enumeradas no Art.101) eram idênticas, em sua maioria, as atribuições reservadas aos monarcas atuais, tais como: Convocar a Assembléia Geral (Parlamento) extraordinariamente nos intervalos das sessões; sancionar os decretos e resoluções da Assembléia Geral, para que tenham força de lei; prorrogar ou adiar a Assembléia Geral e dissolver a Câmara de Deputados, convocando outra imediatamente para substituir a anterior; nomeando e demitindo livremente os ministros de Estado; perdoar e moderar penas impostas aos réus condenados por sentença e conceder anistia.
A dissolução da Câmara de Deputados não deve ser confundida com o fechamento de um Congresso Nacional (ou Parlamento). O primeiro trata-se de uma medida legal existente no Parlamentarismo, enquanto o segundo não passa de um ato ditatorial. Houve um grande cuidado por parte dos monarcas brasileiros na hora de exercer as suas prerrogativas de dissolver a Câmara de Deputados. Por exemplo, no caso de dom Pedro II, em nenhum momento em seus 58 anos como Imperador as dissoluções ocorreram por iniciativa própria, e sim por solicitação do Presidente do Conselho de Ministros. Ocorreram várias dissoluções ao longo de seu reinado, sendo onze ao todo, e destas, dez ocorreram somente após o Conselho de Estado ser consultado sobre o assunto, o que não era obrigatório. Quanto ao poder de veto a projetos de lei, este não era absoluto, e sim parcial: se as duas legislaturas seguintes apresentassem o mesmo projeto sem modificações, entender-se-ia que o monarca houvera consentido com a promulgação do mesmo.

Quanto ao fato de poder nomear os senadores, não se tratava de uma característica peculiar do ordenamento jurídico brasileiro, e sim algo comum em todos os países da época. Nos Estados Unidos, uma república presidencialista, os senadores eram escolhidos pelas Câmaras de Deputados Estaduais (só viria a se modificar em 1917); na Grã-Bretanha, a Câmara dos Lordes era composta por membros vitalícios e hereditários e reservada somente a nobreza; enquanto na França, os senadores, além de vitalícios, eram nomeados. Em nenhum destes três países, considerados à época grandes democracias ao lado do Brasil, havia qualquer participação popular na escolha dos senadores. Enquanto no Brasil, a nomeação dos senadores deveria ocorrer dentro de uma lista dos três candidatos mais votados pelo povo brasileiro (e normalmente, a não ser em raras exceções, o escolhido era justamente o mais votado).
O Poder Moderador "somente pode ser estimado nas conseqüências incomparáveis que teve para a consolidação da unidade nacional e para a estabilidade do sistema político do Império", num "continente politicamente flagelado por ódios civis e pulverizado em repúblicas fracas e rivais". Para Galvão Sousa, o Poder Moderador sob dom Pedro II, "deu margem à famosa ‘ditadura da honestidade’. Transformou-se, logo no poder pessoal do monarca, exercido sempre com alto espírito público". O termo ditadura utilizado pelo autor não possui uma conotação pejorativa relacionada à palavra e sim para exemplificar a força da moralidade e justiça que dom Pedro II impunha no seu papel como monarca constitucional.
- IX -
Socialismo/Comunismo de Esquerda Pode.
Socialismo/Comunismo de Direita não pode.

Crimes de Esquerda Pode  Crimes de Direita não Pode

A LEI deve prevalecer para os dois Símbolos. Bem!... A idéia está lançada. Basta por aqui aperfeiçoar a LEI ANTINAZISTA existente. Os mesmos critérios adotados na LEI ANTINAZISMO, devem ser aplicados também ao COMUNISMO.
Dilma proibiu os Militares Brasileiros de comemorarem o Dia 31 de março (Contra-Golpe de 64). Entretanto ela prefere comemorar a Revolução Cubana que já assassinou mais de 85.000 cubanos naquela ilha prisão cuja população equivale apenas a da Grande São Paulo.
Vejam o que Dilma fala aos 3:20 minutos deste vídeo com uma gigantesca Bandeira Cubana ao fundo. 
O Socialismo Republicano Nazista, tal como o Socialismo Republicano Comunista, buscaram inspiração nas idéias de Karl Marx

01 • Partido (Único) Nacional Socialista (Nazista) dos Trabalhadores Alemães (da República Alemã), tal como o Partido (Único) Comunista (Socialista) da União das Repúblicas Soviéticas, buscou inspiração nas idéias de Karl Marx. Costuma-se dizer que Comunismo é a Ditadura da Esquerda, enquanto o Nazismo seria a Ditadura da Direita. Nada mais falso, tanto o Nazismo quanto o Comunismo têm inspiração marxista. Ambos compartilham do ódio contra a burguesia, desrespeitam a propriedade privada (basta ver os confiscos realizados por ambos Regimes Totalitários Republicanos), do desprezo pelas liberdades individuais, da glorificação do Estado como centro das atenções, e da respectiva diminuição da importância do papel do indivíduo. Além disso, estes Regimes Republicanos pregam a planificação da economia, isto é, defendem o planejamento central da atividade econômica." Na História, todos estes regimes totalitários socialistas/comunistas, foram impostos se utilizando de métodos genocidas. 

Mini-Manual do Guerrilheiro Urbano
02 • Todos os Países Comunistas são Regimes Totalitaristas Republicanos(Liberdade, Igualdade, Fraternidade... Ou a Morte)... A Revolta PopularDemocracia Direta Republicana do Poder PopularPoder do PovoA Nova "Democracia"... O Poder é do Povo até quando Interessa. Esta história já tem mais de dois séculos; 224 anos após a Revolução Francesa isso ainda não se concretizou. Igualzinho aqui: «Liberté, Égalité, Fraternité, ou la Mort», texto exibido em um cartaz anunciando a venda de biens nationaux (1793). logo após a revolução este lema foi escrito em algum momento como "Liberdade, Igualdade, Fraternidade, ou Morte", a parte "Morte" foi posteriormente suprimida por ser muito fortemente associada com o Reino do Terror
03 • Interessante é que estes Inocentes Analfabetos Funcionais, Políticos e afins republicano: Direitistas, Esquerdistas, Centristas de qualquer coisa... Nada falam do GOLPE DE ESTADO, que numa trágica mágica reduziu o Império do Brasil que ombreava com as três mais poderosas nações do planeta, à condição de nação de terceira categoria pertencente a um Terceiro-Mundismo que providencialmente inventaram, lambuzada no pegajoso lodo da imundice do submundo de um inimaginável Mar de Esgoto, Paraíso deste suposto Violentado Estado Democrático de Direito, dirigido por Organizações Criminosas Interpartidárias Aliadas e Coligadas ao Poder Constituído Central da República Federativa do Brasil. Até parece que por alguma razão estranha, estes Senhores nas suas fúteis utopias republicanas, acreditam mesmo que o Brasil foi inventado pela República em 15 de novembro de 1889, marco fundamental da inauguração do primeiro Estado de Exceção da História do Brasil. 
04 • (...) A esquerda jamais pedirá  desculpas por iludir os Jovens, retardar a redemocratização, criar o conflito que enlutou muitas famílias, cometer crimes hediondos e tentar liquidar a democracia. Os socialistas intensificaram a luta armada quando o governo Costa e Silva ensaiou a abertura democrática. (...) A resposta de Marighella no Manual do Guerrilheiro Urbano foi: "atacando de coração essa falsa eleição e a chamada solução política, o guerrilheiro urbano tem que se fazer mais agressivo e violento, girando em torno da sabotagem, terrorismo, expropriações, assaltos, sequestros e execuções"... Esse falso herói é o ícone da esquerda e vem dando o nome a locais públicos em todo o Brasil. Portanto, os socialistas não evoluíram. (...) 

REVOLUÇÃO DE 1964 - AVerdade Sufocada

Por que no Brasil Comunismo pode... Nazismo não pode?
Por que no Brasil o Regime Totalitarista Republicano Comunista pode, e o Regime Totalitarista Republicano Nazista não Pode?...
05 • Diferente das legítimas manifestações de massa em junho e julho de 2013, a maioria das matérias do presente que pululam por aí cobrindo as mazelas provocadas pelas ditas "Revoltas Populares", estão sendo financiadas pelos interesses obscuros do próprio Poder Constituído desta tua decadente República, com o intuito de se desviar à atenção de tragédia maior já em curso... Estratégia marginal deste Regime Tirânico decadente travestido de popular que tanto defendes. Investe-se no Terror para desorientar e/ou confundir a população. Ambiente degradado onde o Governo legisla em causa própria. Criativo e incansável, do alto do seu pedestal, acima do bem e do mal, inventa astutamente meios que geram conflitos com o propósito de instigar para colocar brasileiros contra brasileiros. Eles não são tão burros e sabem que a maioria não passa de marionetes... Por isso o interesse de manter sempre uma considerável legião de analfabetos funcionais durante as últimas décadas, para como abutres se alimentarem dessas ignorâncias. 
06 • Em pleno século XXI, neste Fosso Moral Presidencialista, o desrespeitado povo mantido propositalmente ignorante ainda não está preparado para votar, e nunca estará neste Decadente Cruel Sistema Republicano de Governo. Quanto a esta utopia de Poder Popular bradada nas ruas, que soa como Caos e/ou Desastre Nacional... Não passa de manobras orientadas por mentes obscuras que têm como propósito facilitar a implantação do “Organismo” frustrado num passado recente. A República Federativa Brasileira Fracassou. 
07 • Ainda não encontrei um cidadão que conheça um pouco da História do Brasil, que prove o contrário com argumentos sólidos; e sim iludidos sonhadores acreditando que um dia o povo vai aprender a votar neste ilegítimo Sistema de Governo. E assim! Como mágica, conseguintemente, naturalmente a Desastrada República que ninguém desta “Massa” pediu, e nem sabe para quê ou a quem serve, e que até agora só serviu para reduzir a nação a este Colossal Mar de Esgoto, vai finalmente começar a se libertar desse Fosso Moral. A República nestes 124 anos de fracassos, numa estranha engenharia fez do povo brasileiro uma gigantesca massa imbecil de manobras. Neste universo de imbecilidades naturalmente os mais imbecis são eleitos para representar o povo e administrar a nação.
08 • Tem sido um sistema injusto impiedoso de arrecadação de impostos nunca suficiente para sustentar a farra das suas inconstitucionalidades; onde a vítima mais vulnerável é o povo ingênuo & aliciado, iludido por ideologias estranhas às nossas Raízes, zumbizado pela doutrinação comunista positivista nas escolas; lobotomizado desde tenra idade... Se as pessoas que tiveram algum acesso à cultura, galhofam das nossas raízes, inclusive do período mais grandioso da nossa História... O que esperar dos que nunca tiveram a oportunidade de irem além do degradado ensino público republicano?... Povo alienado sem identidade, sem referencia de pátria, perdido, sem capacidade de discernimentos, vulnerável, sem vontade própria, trabalhado, manipulado, sem ética, vendido... Rebanho ordeiro abduzido, obediente e conformado... Bobo & burro. Massa idiota útil amestrada de manobras. Analfabetos funcionais... 

Onde se concluí que esta irresponsável experiência republicana brasileira tem sido um desastre
09 • Onde se concluí que este Sistema de Governo Republicano não funciona... Fracassou mais uma vez. Nunca funcionou de fato. Na Monarquia Parlamentarista Imperial Brasileira, onde Cargo Político é missão, considera-se irresponsabilidade do Chefe de Estado (Monarca) pertencer a uma determinada cor partidária (como acontece nas repúblicas, quando o presidente responde aos interesses do seu partido, antes de fazê-lo prioritariamente aos interesses da nação). Nas Monarquias Constitucionais a Coroa protege as Instituições Democráticas evitando os conflitos partidários na governabilidade, pelo fato do Monarca ser suprapartidário e por isso não ter que dar satisfação a um determinado partido, e sim aos interesses da nação. Chefe de Estado sem Partido Político só com a Monarquia.
10 • Não tem hoje opção melhor e mais legítima para o Brasil. A Monarquia não está simplesmente no simbolismo da Família Real, e na figura de um Rei de “sangue azul”. Defendo a Monarquia pelo seu sistema em si, e pelo que representou para o Brasil. O Império do Brasil num curto espaço de 60 anos transformou um país atrasado num exemplo de democracia e potência global respeitada no cenário mundial. Este processo ascendente de grandeza foi interrompido por uma traição em 1889, 67 anos após a fundação do Estado Brasileiro como nação livre e soberana em 1822. Defendo o Sistema Monárquico por ele ser contínuo, suprapartidário e se preocupar mais com o desenvolvimento humano do que a maioria das poucas prósperas Repúblicas.
URL
- X -
O que é Comunismo?
01) O termo "Comunismo" surgiu na França na década de 1840, mas adquiriu um significado moderno só em 1918, quando Vladimir Ilitch Lenin, depois de ter tomado o poder no que foi o Império Russo, nomeou seu Partido Comunista.

02) O Comunismo é uma variante do Socialismo. Difere nesta importante relação que, enquanto os socialistas acreditam na democracia e assumem que vão chegar ao poder democraticamente e governar democraticamente.

03) Lênin e seus seguidores comunistas não. Em uma ocasião, Lênin, francamente definiu seu governo como "o poder que não é limitado por nada, por nenhuma lei, que é mantido absolutamente sem regras, fundamentado diretamente na coerção" - uma excelente definição do que mais tarde veio a ser rotulado como um "Regime Totalitário".

04) Os comunistas, como os socialistas e anarquistas, afirmam que sua ditadura é apenas um regime temporário, criado para destruir as classes proprietárias e a ordem sócio-política inteira fundada por eles. Uma vez que a burguesia foi esmagada, o Estado vai “definhar" e ceder a uma associação livre de comunidades.

05) Mas este objetivo não foi atingido de fato por nenhum regime comunista. Por um lado, mesmo após as velhas classes proprietárias serem despojadas, novas surgem ou estão prontos para assumir o lugar das que saem. Em segundo lugar, a fim de manter a “Ditadura do Proletariado" é necessário criar uma casta privilegiada, chamado na Rússia Nomenclatura, que se arroga (apropria) dos direitos e privilégios da velha burguesia.

06) Como resultado, o Estado Comunista em toda parte atrofia: ele permanece estagnado no lugar, incapaz de mudar porém dispostos a ceder. Exemplos de tais regimes comunistas atrofiados hoje são Cuba e Coréia do Norte. A União Soviética, o maior e mais antigo desses regimes, desabou porque a elite começou a fazer mudanças que provocaram a ruína de toda a sua estrutura de sustentação. 

07) A experiência indica que o Regime Comunista apenas pode se dissolver se seus governantes não estiverem mais dispostos a mantê-lo. Ele não pode mais ser dissolvido pelas Camadas Subservientes que outrora contribuíram para a sua consolidação. 

Esta República de Mentira nada acrescentou de útil, virtuoso e verdadeiro ao Brasil.
Por mais que me esforce, não consigo ver nobreza alguma em vossos representantes políticos republicanos... Tampouco algo em suas atitudes que os honrem e engrandeçam.
Existe um paradoxo entre as posturas das Repúblicas, quanto suas autoridades de opinarem sobre Golpe de Estado Inconstitucional, quando 99% delas principiaram com um criminoso Golpe de Estado. No caso da Fundação do primeiro Estado de Exceção da História do Brasil em 1889, houve um genocídio nos seus 10 primeiros anos de fracassos em nome da sua consolidação, onde 200.000 pessoas foram mortas; a maioria delas sumariamente, numa época em que a população brasileira era 11 vezes menor que a atual, o que corresponde quantitativamente na atualidade a 2.000.000 de mortos. Quando estas repúblicas questionam seus golpes menores dados nos Golpes delas mesmas, é o mesmo que se estivessem questionando suas próprias legitimidades.
(...) "À medida em que o povo foi tomando conhecimento do acontecido, movimentos pela volta da Família Imperial começaram a eclodir por todo o Brasil. O governo republicano os destroçou com punho de ferro. (...)"
Enquanto isso a Presidenta na República do Brasil:
Dilma proibiu os Militares Brasileiros de comemorarem o Dia 31 de março (Contra-Golpe de 64). Entretanto ela prefere comemorar a Revolução Cubana que já assassinou mais de 85.000 cubanos naquela ilha prisão cuja população equivale apenas a da Grande São Paulo.
Vejam o que Dilma fala aos 3:20 minutos deste vídeo com uma gigantesca Bandeira Cubana ao fundo.
Outrora a Terrorista Dilma nunca lutou pela Democracia. 

URL 01 - URL 02

O Brasil não possui melhor opção neste degradado ambiente de inconstitucionalidades desta fracassada República. O Momento Político é oportuno para o reencontro dos brasileiros com a sua História, com as suas tradições, com o seu destino de grandeza interrompido por uma traição; redirecionando a Nação Brasileira a sua original Vocação de Grandeza Imperial, onde cargo político é missão. Basta lembrar ao povo que já estivemos bem na História, e aos militares do Exército que seu Patrono é o Duque de Caxias..
"Somos nós, do Exército Brasileiro, que temos na consciência o peso da participação na derrubada do Império e que conhecemos a responsabilidade que nos cabe na instauração desta República que, até os dias de hoje, envergonha a história política do Brasil."
General de Brigada Paulo Chagas

ALGUMAS MATÉRIAS DESTE BLOG
01 • A MUDANÇA
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
29 • Comunismo
30 • Marianne
5