DEFUNTA REPÚBLICA DE MENTIRA

"(...) É, todavia, difícil compreender por que, até o fim do reinado de Pedro II, o Brasil era um país mais promissor que os EUA, mais importante que a China, a Índia, o Japão, a Coréia e quase todos os países europeus - de onde vieram muitos imigrantes - e hoje ocorre o oposto: (...)" - (Dr. José Carlos de Almeida Azevedo)

Defender a manutenção da imundície da Ilegítima Ditadura Republicana Genocida Brasileira, que seguiu matando pelo futuro milhões com suas inconsequências, negligências, omissões... É de uma falta de conhecimento extrema, de uma burrice crônica absoluta, ou de uma voracidade predatória sem precedentes... Apenas caindo Dilma com o seu "Perda Total", mesmo que seja junto com suas coligações (Partidos dos Partidos...) das Organizações Criminosas das Facções Narco-Psicopatas-Partidárias-Copartícipes dos Regimes Síndico-Comuna-Socialistas-Golpistas, da Máquina de Prostituição Parlamentar do Poder Central Republicano, Alinhada a Política Transnacional Continental Latina Americana do Foro de São Paulo... Quase nada mudará nessa decadente República de mentira nunca proclamada de fato - a sujeira mais uma vez apenas mudará de mãos.

O Brasil é escravizado por uma caricatura republicana presidencialista moralmente ilegítima abortada defunta como regime totalitário, cujas suas predadoras consequências se estenderam pelo futuro numa sucessão de ditaduras civis e militares... Nódoa negra do hoje paradoxalmente dito Exército do monarquista Caxias do Exército Imperial Brasileiro. Aliciados por meia dúzia de traidores da pátria discípulos da Seita Positivista, alguns militares do Exército Imperial foram utilizados como ferramenta executora do trabalho sujo que mergulhou o país nas trevas, com a desastrosa inauguração da primeira ditadura militar da História do Brasil em 15 de novembro de 1889, acabando com a democracia da Monarquia Constitucional Parlamentar Representativa do promissor respeitável Império do Brasil, que ombreava com as outras três nações mais poderosas, cuja sua Armada Imperial somada a Marinha Mercante, foi a 2ª Potência Naval da terra. Num determinado momento da nossa história, já fomos mais poderosos do que os Estados Unidos da América do Norte.

No desastre do Flagelo Republicano, entre mandos e desmandos nesses 126 anos de estagnação, se somam: "12 Estados de Sítios, 17 Atos Institucionais, 6 Dissoluções do Congresso, 19 Revoluções ou Intervenções Militares, 2 Renuncias Presidenciais, 3 Presidentes Impedidos, 4 Presidentes Depostos, 6 Constituições Diferentes, 4 Ditaduras e 9 Governos Autoritários"... Mais os últimos 30 anos de retrocessos perdidos num oceano de esgoto sem precedentes na História do Brasil, com a 6ª tentativa ressuscitadora do pesadelo da tragédia dessa fracassada Nova República Salvadora da Pátria perdida em si mesma, que além de produzir desde 1985 mais de 3.000.000* de assassinatos (*Incluindo as mortes provocadas pelos desserviços e/ou omissões dos sucessivos desgovernos), nos conduziu mais uma vez a um terrível vazio. E, tudo indica que a burrice ou obscuras ambições dos dementes políticos predadores devoradores da pátria, indiferentes ao que já funcionou a contento na história dessa nação fundada em 1822 como Império, continuarão como insaciáveis varejeiras investindo no engodo de novas inúteis defuntas repúblicas, que têm sido sinônimos de Desgraça Nacional. (Emanuel Nunes Silva)

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

A Surpreendente D. Maria I. Primeira mulher a assumir o Trono Português, Rainha do Reino do Brasil, a primeira Mulher a Governar o Brasil.

 

URL

A Surpreendente D. Maria I 
Primeira mulher a assumir o Trono Português, Rainha do Reino do Brasil, a primeira Mulher a Governar o Brasil

Infanta D. Maria FranciscaPrincesa 
da Beira, Duquesa de Barcelos; 
pintado por Pavona em 1739. 
D. Maria I de Portugal (17 de dezembro de 1734 – 20 de março de 1816) foi Rainha de Portugal, Brasil, e Algarves. Conhecida como Maria a Piedosa (em Portugal) ou Maria a Louca (no Brasil), ela foi indiscutivelmente a primeira Rainha Reinante de Portugal. Seu reinado foi notável. Com as conquistas dos Reinos Europeus por Napoleão, sua corte seria a próxima. Sob a direção do Príncipe Regente Dom João, a Corte foi transferida para a então Colônia Portuguesa do Brasil, sendo mais tarde elevada a categoria de Reino do Brasil, com a formação conseguinte do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, tendo como Sede de Governo a Cidade do Rio de Janeiro, a Capital de um dos mais vastos territórios espalhados pelo globo: Europa, América do Sul, África, Ásia e Oceania. Posteriormente o Reino do Brasil se emancipa em consequência do Grito do Ipiranga de 7 de setembro de 1822 — Constitucionalmente em 25 de março de 1824, com a primeira Carta Constitucional Brasileira, outorgada e solenemente jurada por D. Pedro I, na Catedral do Império, oficialmente é fundado o Império do Brasil, que veio a transformar em menos de 60 anos (1822 — 1880) um país atrasado, na 3ª potência econômica e militar do planeta – até a tragédia do Golpe de Traição Político-Militar Republicano de 15 de novembro de 1889, executado sem honra ou grandeza por meia dúzia de devotos da Seita Atéia Positivista (Religião da Humanidade) inventada pelo francês Auguste Comte, e sua musa inspiradora Clotilde de Vaux.
Maria nasceu no Palácio Real da Ribeira em Lisboa, destruído mais tarde pelo terremoto de 1755; batizada com o nome de Maria Francisca Isabel Josefa Antónia Gertrudes Rita Joana. No dia de seu nascimento seu avô, o Rei João V de Portugal, denominou-a Princesa da Beira. Ela era a mais velha dos seus irmãos. Quando o pai subiu ao trono em 1750, como Rei D. José I, Maria tornou-se sua herdeira presuntiva, e recebeu os títulos tradicionais de Princesa do Brasil e Duquesa de Bragança. 

Teve uma infância despreocupada, por razão de sua mãe ser uma espanhola amante do ar livre, de música e do conviver. A portuguesa D. Maria I esposa de D. Pedro III de Portugal, foi mãe de D. João VI, o pai de D. Pedro I que teve o filho D. Pedro II (Imperador do Brasil). Foi antes de assumir o trono de Portugal (1777), Princesa do Brasil. Proclamada Rainha do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves em 16 de dezembro de 1815 (sendo a primeira mulher a governar Portugal e por conseqüência o Brasil). 
Foi Rainha da Quarta Dinastia e o vigésimo sexto Monarca a assumir o trono de Portugal, filha de D. José I Rei de Portugal e de D. Mariana Vitória de Bourbon, (ex-noiva de Luís XV, depois Rainha Consorte de Portugal). 

Ficou conhecida pelos cognomes de A Piedosa ou a A Pia, devido à sua extrema devoção religiosa à Igreja Católica. No Brasil é conhecida pelo cognome de Dona Maria, a Louca ou Maria Louca, devido ao declínio das suas faculdades mentais, manifestado com veemência nos últimos 24 anos de vida. Faleceu no Reino do Brasil com 82 anos, sendo o seu corpo transladado para Portugal. D. Maria I é a única monarca portuguesa da Dinastia de Bragança (exceção feita aos restos mortais de D. Pedro I, Imperador do Brasil, que está abrigado pelas paredes de granito do Altar da Pátria em São Paulo), que não se encontra no Panteão dos Braganças; jaz na Basílica da Estrela que ela mesma ergueu em Lisboa. 

Retrato duplo por Alexis Simon Belle
Figura culta, amante da música e da pintura, de temperamento doce e melancólico foi extremamente devota. Soberanamente age com perseverança e justiça. Seu primeiro ato como Rainha, iniciando um período que ficou conhecido como a Viradeira, foi a demissão e exílio da Corte do Marquês de Pombal, a quem nunca perdoara a forma brutal como tratou a Família Távora, a seguir libertou mais de 800 presos políticos, dentre eles muitos jesuítas; a maioria encarcerada pelo “Pombalismo”. Amante da paz, dedicada a obras sociais, concedeu asilo a numerosos aristocratas franceses fugidos do Terror da Revolução Francesa (1789-1799). Procedendo com grande nobreza, transmite novos rumos à administração de Portugal, sobretudo no domínio político, religioso e cultural.


Retrato do Marquês de Pombal (1766), por
Louis-Michel van Loo e Claude Joseph Vernet.
Dona Maria foi a primeira mulher a assumir o trono português. Isso aconteceu em 1777, um período conturbado para o Reino. Duas décadas antes em 01 de novembro de 1755, Lisboa, a Cidade mais opulenta da Europa na época, foi destruída pela catástrofe do terrível terremoto seguido de maremoto e devastadores incêndios, onde cerca de 100.000 pessoas perderam suas vidas, e que além de destruir importantes construções, também destruiu o palácio onde nasceu. Em seguida, ascendeu ao cargo de primeiro-ministro o Marquês de Pombal, que deu início à reconstrução da Capital e promoveu um conjunto de reformas modernizadoras em Portugal e suas colônias, expulsou e prendeu Jesuítas e comprou briga com boa parte da nobreza lusitana. Na sequência de um governo com tamanha ebulição, o reinado conciliador de Dona Maria é negligenciado principalmente por alguns historiadores brasileiros, que não o considera relevante.
O seu reinado, depois de vinte anos com o pai no trono, e com a pesada influência do Marquês de Pombal, não foi fácil. Seu primeiro ato como Rainha foi demitir o popular Secretário de Estado do Reino, o próprio Marquês de Pombal, que havia quebrado o poder da aristocracia reacionária através do caso Távora, em parte por causa do Iluminismo do Pombal e políticas anti-jesuítas. Também uma das suas primeiras providências foi ordenar para que soltassem todos os presos políticos (mais de oitocentos). 

Acontecimentos marcantes deste período foram a adesão de Portugal da Liga de Neutralidade Armada (Julho de 1782) e a cessão de 1781 Delagoa Bay a partir de Áustria para Portugal. No seu reinado paralelamente à reconstrução de Lisboa, realizarão-se obras de vulto. A Rainha, muito religiosa e ligada aos problemas dos mais desprotegidos, reabriu as audiências populares interrompidas no tempo do pai. Era respeitada e amada, e o marido esteve sempre ao seu lado. Foi ele que comprou o Palácio de Queluz onde viveram. 

A Vida de Dona Maria foi conturbada, pontuada por tragédias, sucessivos traumas... Resignação. Talvez a maior de todas suas dores foi a perda de seis dos sete filhos que teve. Foram quatro homens e três mulheres: D. José o primogênito, faleceu aos 27 anos; D. João de Bragança nasceu morto; D. João Francisco faleceu antes de completar um mês; D. Mariana faleceu pouco antes de completar 20 anos; D. Maria Clementina faleceu aos 2 anos; e D. Maria Isabel faleceu com um mês de vida – D. João Maria, seu quarto filho, foi o único que viveu tempo suficiente para ser coroado Rei, como D. João VI. Num breve intervalo de apenas dois anos (1786 a 1788), ela viu morrer o marido, o filho primogênito Príncipe herdeiro D. José e a filha D. Mariana; em 1791 morre seu Confessor. 

Estas mortes, mais as dos outros quatro filhos, somadas ao terrorismo de Napoleão, debilitaram-na tão seriamente que em 1792 surgem manifestações que sinalizam evidencias de que sua saúde mental estava comprometida. Como seu pai não teve filhos homens, e isso punha em risco a continuidade da Dinastia dos Bragança, ela teve de se casar com um tio, Dom Pedro III. Provavelmente por causa do parentesco tão próximo não levado em consideração naqueles tempos, a consanguinidade contribuiu diretamente para o óbito precoce dos seus filhos. O fato de se casar com o próprio tio, era normal no contexto da época e não influenciou negativamente na vida afetiva conjugal. 

Basílica da Estrela
Ela fez a promessa de construir uma igreja caso concebesse um filho homem apto a reinar. Esse filho foi D. José, que chegou a ser nomeado Príncipe do Brasil, mas veio a falecer vítima de varíola aos 27 anos, doença mortal mas perfeitamente evitável já naquela época. Talvez José tenha contraído a doença pelo fato da sua mãe, ingenuamente por razões religiosas, impedir que fosse vacinado quando criança. A Basílica da Estrela, erguida em agradecimento ao nascimento de José, só ficou pronta 2 anos após a sua morte. José era o herdeiro por ser o primogênito, e, por esse motivo, preparado desde a infância para ser Rei de Portugal e provavelmente posteriormente também do Brasil. 

O lugar de José foi ocupado por D. João Maria, associado ao governo desde 1792, assume a Regência do Reino em 1799, aclamado como Dom João VI, Rei de Portugal, Rei do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves; Imperador do Brasil (de Jure), até 1816. D. João VI sempre procurou dar o melhor de si na árdua tarefa lhe imposta, para a qual não havia sido preparado desde a infância como o seu irmão D. José. D. Maria embarca para o Brasil com a Corte em 1807, vindo a falecer no Rio de janeiro em 1816, deixando o seu neto D. Pedro I, o fundador do primeiro e único Império do Hemisfério Sul em 1822, o Império do Brasil, que até o Golpe de traição de 1889, chegou a ser considerado a 2ª potência naval da terra (Armada Imperial junto à Marinha Mercante). 

URL
A principal contribuição da Rainha D.ª Maria I foi à cultura. Em seu governo foram criadas a primeira biblioteca pública do país (Biblioteca Nacional de Lisboa), a Escola de Belas-Artes, Academia Real das Ciências, Academia Real da Marinha, Academia Real da Fortificação, Escolas Primárias, Escolas do Ensino Médio, Casa Pia para dar abrigo e promover a educação das crianças desvalidas ou abandonadas, Academia dos Guardas-Marinhos, A Brigada Real da Marinha (que foi a origem do Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil), um centro de intelectuais cujo objetivo era divulgar o conhecimento produzido em diversas áreas. Constrói a Basílica da Estrela, Igreja da Memória (Lisboa), Apoiou a iniciativa privada na construção do Teatro de São Carlos em Lisboa, e o Teatro de São João no Porto. 

Manda fazer investigações científicas no estrangeiro e no ultramar, cria Hospitais no Brasil (Estado do Brasil). Modifica a reforma da Universidade de Lisboa. Assina um tratado de comércio com a Rússia, manda abrir estradas, favorece a cultura do arroz, desenvolve várias indústrias, e na metrópole, durante o seu reinado é feita pela primeira vez a iluminação pública das ruas. 
Entre os ministros de Dona Maria I, distinguiram-se o Marquês de Angeja e o Visconde de Cerveira. Além disso, a Rainha libertou mais de 800 presos políticos perseguidos por Pombal, grande parte Jesuítas injustamente encarcerados. Prosseguiu na reconstrução de Lisboa destruída pelo terremoto, e avançou no campo diplomático costurando um acordo de paz com a Espanha, que disputava terras ao sul do Brasil, mantendo assim a sua integridade territorial. Foi um período de fortalecimento da economia. Criou-se um canal de comércio forte com a Rússia e reverteu-se o saldo negativo na balança comercial com a Inglaterra. 


1807, 1808... 1816

Em 29 de Novembro de 1807 a Corte Portuguesa embarca no Cais de Belém rumo ao Brasil. 
• A Corte Portuguesa transfere-se para o Brasil, fruto do receio de ser deposta, à semelhança do que ocorrera nos países recentemente invadidos pelas tropas francesas: Napoleão acumula o título de Rei de Itália, dando o título de Rei de Nápoles ao seu irmão José Bonaparte, a quem posteriormente situou no trono da Espanha; nos Países Baixos a coroa é dada a seu irmão Luís Bonaparte (Luís I da Holanda). 

• Em 1801, o primeiro-ministro de Espanha, Manuel Godoy apoiado por Napoleão invadiu Portugal por breves meses e, no subsequente Tratado de Badajoz, Olivença passou para a coroa de Espanha, mais tarde também ocupada pelos franceses. Portugal continuou a fazer frente à França e, ao recusar-se a cumprir o bloqueio naval às Ilhas Britânicas, foi invadido pela coligação franco-espanhola liderada pelo Marechal Junot. A Família Real retira-se para o Brasil a 29 de Novembro de 1807 deixando Portugal a mercê do invasor. 

• A Família Real embarcara desde o dia 27 de novembro, tomando-se a bordo as últimas decisões. No dia 28 de novembro não foi possível levantar ferros porque o vento soprava do Sul. Entretanto, as tropas francesas tinham já passado os campos de Santarém, pernoitando no Cartaxo. No dia 29 de novembro, o vento começou a soprar de nordeste, e bem cedo o Príncipe Regente ordenou a partida. Quatro naus da Marinha Real Britânica, sob o comando do capitão Graham Moore, reforçaram a esquadra portuguesa até o Brasil. A esquadra portuguesa, que saiu do porto de Lisboa em 29 de novembro de 1807, ia comandada pelo vice-almirante Manuel da Cunha Souto Maior.

Chegada da Família Real em Salvador
• Após a partida, os navios da esquadra portuguesa, escoltados pelos ingleses, dispersaram-se devida a uma forte tempestade. Em 5 de dezembro conseguiram se reagrupar e logo depois, em 11 de dezembro, a frota avistou a ilha da Madeira. As embarcações chegaram à costa da Bahia a 18 de janeiro de 1808 e, no dia 22, os habitantes de Salvador já puderam avistar os navios da esquadra. Às quatro horas da tarde do dia 22, após os navios estarem fundeados, o conde da Ponte (governador da capitania da Bahia à época) foi a bordo do navio Príncipe Real. No dia seguinte, fizeram o mesmo os membros da Câmara. A comitiva real só desembarcou às cinco horas da tarde do dia 24, em uma grande solenidade. Em Salvador foi assinado o Decreto de Abertura dos Portos às Nações Amigas. 

URL
7 de março de 1808 - Dia da Chegada da Esquadra conduzindo a Família Real Portuguesa ao Rio de Janeiro. 
8 de Março de 1808 - Dia do desembarque da Família Real 
Portuguesa no Cais do Largo do Paço (atual Praça XV de Novembro), da Cidade do Rio de Janeiro.

• A esquadra partiu de Salvador rumo ao Rio de Janeiro, onde chegou no dia 7 de março de 1808, desembarcando a Família Real no cais do Largo do Paço (atual Praça XV de Novembro), em 8 de março. Os membros da Família Real foram alojados em três prédios no centro da cidade, entre eles o paço do Vice-Rei Marcos de Noronha e Brito, Conde dos Arcos, e o Convento das Carmelitas. 
Chegada da Família Real no Rio de Janeiro

• A Capital do Reino de Portugal foi estabelecida na Capital do Estado do Brasil, a Colônia Portuguesa é elevada a Reino do Brasil, oficialmente Reino do Brasil do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. Com essa "inversão metropolitana", da Cidade do Rio de Janeiro, é exercida a soberania e a governação do Império Ultramarino Português. Pela primeira e única vez na história uma colônia passava a sediar uma corte européia. Assim a Cidade do Rio de Janeiro adquire status de Capital de um dos mais vastos territórios espalhados pelo globo: Europa, América do Sul, África, Ásia e Oceania. 

• Incapacitada, Maria viveu no Brasil por oito anos, sempre em estado infeliz. Ela morreu no Convento do Carmo, na Cidade do Rio de Janeiro, em 20 de março de 1816, aos 81 anos de idade. Após as cerimônias fúnebres, seu corpo foi sepultado no Convento da Ajuda, também no Rio. Com sua morte, o Príncipe Regente João foi aclamado Rei de Portugal, Brasil e Algarves. Em 1821, após o retorno da Família Real para Portugal, seus restos mortais foram transladados para Lisboa e sepultado em um mausoléu na Basílica da Estrela, igreja que ela mesma mandou erguer. O Reino do Brasil desmembrou-se com a independência do Brasil, a 7 de setembro de 1822, proclamada pelo filho do Rei Dom João VI, D. Pedro de Alcântara de Bragança (futuro imperador D. Pedro I do Brasil e Rei D. Pedro IV de Portugal)."
Títulos, Estilo e Honrarias 
(https://pt.wikipedia.org/wiki/Maria_I_de_Portugal)
TÍTULOS 

• 17 de Dezembro de 1734 – 31 de Julho de 1750: Sua Alteza Real, A Princesa da Beira, Duquesa de Barcelos.
31 de Julho de 1750 – 24 de Fevereiro de 1777: Sua Alteza Real, A Princesa do Brasil, Duquesa de Bragança, etc.
24 de Fevereiro de 1777 – 16 de Dezembro de 1815: Sua Majestade Fidelíssima, A Rainha de Portugal e dos Algarves.
16 de Dezembro de 1815 – 20 de Março de 1816: Sua Majestade Fidelíssima, a Rainha do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.

Brasão de armas do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves (1815-1822)

Estilo Real de tratamento de Maria I de Portugal
Estilo Real: Sua Majestade Fidelíssima
Tratamento Direto: Vossa Majestade Fidelíssima
Estilo Alternativo: Senhora 
ESTILO

• O estilo oficial de D. Maria I, desde a sua Aclamação até 1815 foi:
Pela Graça de Deus, Maria I, Rainha de Portugal e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhora da Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia, etc.

• Com a criação do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, em 1815, o seu estilo evoluiu para:
Pela Graça de Deus, Maria I, Rainha do Reino Unido de Portugal, Brasil e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhora da Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia, etc.
 
HONRARIAS

• Enquanto monarca de Portugal, D. Maria I foi Grã-Mestre das seguintes Ordens:
Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo
Ordem de São Bento de Avis
Antiga, Nobilíssima e Esclarecida Ordem de Sant'Iago da Espada 
Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada
URL 
Príncipe Regente de Portugal e toda a Família Real embarcando para o Brasil

Cronologia Sucinta
01• Em 1789, a eclosão da Revolução Francesa espalhou o terror entre as cabeças coroadas da Europa que perturbou profundamente a Rainha D. Maria I, contribuindo com a doença. 
02• Em 21 de Novembro de 1806, Napoleão ordena que todos os países europeus fechassem os seus portos aos navios ingleses. A essa ordem chamou-se Bloqueio Continental. Portugal não aderiu a esse Bloqueio porque era um velho aliado da Inglaterra e com ela mantinha relações comerciais. 

Embarque da Família Real Portuguesa no Cais de Belém 
em 29 de novembro de 1807, para transmigrar para o Brasil. 

ao Rio de Janeiro, em 7 de Março de 1808. 
Óleo de Carlos Kirovsky, que retrata o 
para embarcar na nau D. João VI, quando de sua partida 
do Rio de Janeiro para Portugal, em 25 de abril de 1821.
03• Por isso, em Novembro de 1807, as tropas napoleônicas comandadas pelo general Junot, entram em Portugal. Começa a primeira Invasão Francesa. 
04• Em 29 de Novembro de 1807 a Corte Portuguesa embarca no Cais de Belém rumo ao Brasil.
05• Em 18 de janeiro de 1808 as embarcações chegaram à costa da Bahia, após violenta tempestade seguida de calmaria. 
06• No dia 7 de março de 1808, a esquadra conduzindo a Corte Portuguesa chega ao Rio de Janeiro, desembarcando em 8 de março a Família Real no cais do então Largo do Paço (atual Praça XV de Novembro). O Brasil deixa de ser colônia, e a Cidade do Rio de Janeiro passa ao status de Capital do Império Ultramarino Português.
07• Em 2 de maio de 1808, do Reino do Brasil, foi divulgado às potências da Europa, e ao mundo inteiro, o Manifesto do Príncipe Regente D. João declarando Guerra à França. Em represália pela Primeira Invasão Francesa de Portugal (1807), ordena a invasão e ocupação da Guiana Francesa
08• Em Agosto de 1808, Portugal vence a França nas batalhas de Roliça e Vimeiro. Com estas derrotas o general Junot é obrigado a assinar um tratado de paz, no qual se comprometeu a sair de Portugal.
09• Em 12 de janeiro de 1809 A expedição à Guiana Francesa teve como consequência a capitulação das tropas francesas alocadas na região, assinada na Capital Caiena, sede da administração francesa na Guiana, garantindo para o Brasil além dos considerados Tesouros Botânicos com a posse de La Gabriele, a expansão do território do Estado do Amapá. 
10• Em Março de 1809 deu-se a segunda Invasão Francesa. "(...) Em fevereiro de 1809 o marechal Soult, duque da Dalmácia, deu início à segunda invasão francesa. A entrada das tropas francesas deu-se por Trás-os-Montes, o que permitiu a conquista da Região Norte do país até à fronteira do Douro e satisfazer o sonho de Soult de governar a Lusitânia setentrional, uma das regiões negociadas no acordo de Fontainebleau, antes de Portugal ser invadido pelas tropas napoleônicas e espanholas. Este sonho do general Soult, a par do megalómano sonho de Napoleão de reconstruir um império, durou pouco tempo. Rapidamente as forças anglo-portuguesas combinaram esforços e conseguiram empurrar, de novo, o Exército francês para Espanha, em maio de 1809. Nesta invasão, ficou tristemente célebre o episódio da "ponte das barcas", um desastre que provocou um grande número de mortos entre as populações, que, aterrorizadas pela chegada do invasor, procuraram refúgio na cidade do Porto, atravessando a velha ponte das barcas, que não suportou o peso de tanta gente. (...)"
11• Em Junho de 1810 dá-se a terceira Invasão Francesa. "A Terceira Invasão Francesa teve início em Julho de 1810 e terminou em Abril de 1811, com a retirada das forças francesas para Ciudad Rodrigo. O exército invasor era o maior dos que já tinham invadido Portugal, em 1807 sob o comando de Junot e 1809 sob o comando de Soult. O comandante deste exército, o marechal Massena, era um dos mais conceituados marechais de França. Para a sua derrota contribuiu não só a qualidade do exército anglo-luso, sob comando de Wellington, mas também a estratégia utilizada por este general e desenvolvida com base nas Linhas de Torres Vedras".
12• No mesmo ano de 1810 os franceses são expulsos da Capital Lisboa. Como a Corte estava no Brasil, o Governo de Portugal foi confiado a um Conselho de Regência. 
A Rainha D. Maria I governou o país efetivamente por cerca de 15 anos (1777-1792); enquanto que no período seguinte (1792 -1816) governou seu filho D.João, até sua morte, ocorrida no Rio de Janeiro, onde se encontrava a Família Real desde que se retiraram de Lisboa, por ocasião da primeira Invasão Francesa.  

O Príncipe Regente D. João passando as
Tropas Portuguesas em revista

RESUMO 
D. Maria I de Portugal  

Filha de D. José e de D. Maria Vitória, nasce em Lisboa em 1734. Foi a primeira Rainha de Portugal e conseguintemente do Brasil ainda Colônia e posteriormente Reino do Brasil. Casa com seu tio, o Príncipe D. Pedro III, em 1760. Considerada uma figura culta, amante da música e da pintura, de temperamento doce e melancólico foi extremamente devota. Apesar da sua vida conturbada, pontuada por tragédias, sucessivos traumas... Resignação; talvez a maior de todas suas dores foi a perda de seis dos sete filhos que teve; soberanamente age com perseverança e justiça. 

A primeira das prioridades do seu Governo, após os excessos cometidos durante o Pombalismo (referente aos radicalismos do Marquês de Pombal - Secretário de Estado dos Negócios Interiores do Reino), foi providenciar o afastamento da Corte do Marquês de Pombal. Procedendo com grande nobreza, transmite novos rumos à administração de Portugal, mudança que ficou pitorescamente conhecida por “Viradeira”, sobretudo no domínio político, religioso e cultural. Liberta e reabilita a Família Távora, tendo feito o mesmo em relação aos Jesuítas.
URL 0102
Sebastião José de Carvalho e Melo, conhecido como 
Marquês de Pombal, Secretário de Estado dos 
Negócios Interiores do Reino Português.

No seu reinado intensifica a atividade legislativa no setor econômico, impulsionando notável desenvolvimento. São enviadas missões científicas ao ultramar (Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique). Cria Hospitais no Brasil. Modifica a reforma da Universidade de Lisboa. Assina um tratado de comércio com a Rússia, manda abrir estradas, favorece a cultura do arroz, desenvolve várias indústrias, e na Metrópole, é feita pela primeira vez a iluminação pública das ruas. Desenvolve a assistência com a criação da Casa Pia de Lisboa. Funda-se as Academias: Real das Ciências da Real Biblioteca Pública de Lisboa, da Aula Pública de Esboço e Desenho no Porto, e da Aula Régia de Desenho em Lisboa, um centro de intelectuais cujo objetivo era divulgar o conhecimento produzido em diversas áreas. Criam-se também a Academia Real da Marinha, a Academia Real das Fortificações, Artilharia e Desenho, a Brigada Real da Marinha (que foi a origem do Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil). Constrói a Basílica da Estrela, Igreja da Memória (Lisboa), Apoiou a iniciativa privada na construção do Teatro de São Carlos em Lisboa, e o Teatro de São João no Porto. 

Amada e respeitada por todos, sucessivos golpes abalam-lhe a saúde mental: as mortes do marido (1786), do Príncipe Real (1788) e dos outros cinco filhos, bem como a marcha da Revolução Francesa, que vinha a abalar a sociedade tradicional européia, são motivos mais que suficientes para incapacitá-la. O futuro Dom João VI, associado ao governo desde 1792, assume a Regência do Reino em 1799. D. Maria I embarca para o Brasil com a corte em 1807, vindo a falecer em 1816 no Rio de Janeiro, Capital do Reino do Brasil do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.

Livros Proibidos de Dona Maria I, Rainha de Portugal, mãe de D. João VI, podem ser vistos na Biblioteca Nacional.
“Obras banidas da sociedade, por motivos políticos ou religiosos, faziam parte do acervo pessoal de dona Maria I, Rainha de Portugal e mãe de dom João VI. Livros proibidos pela Santa Inquisição, que deveriam ter sido queimados, na verdade permaneceram guardados nas estantes da corte, escapando da destruição. Quando a Família Real veio para o Brasil, em 1808, trouxe de navio um acervo estimado em cerca de 60 mil obras, incluindo aquelas que deveriam ter sido destinadas à fogueira.”
É proibido, mas... A Rainha pode! 

D. Maria I 
A Vida Notável de Uma Rainha Louca 

Prefácio:

A história da primeira Rainha portuguesa, uma mulher frágil apanhada nas redes da principal disputa do século XVIII entre a Igreja e o Estado, entre as velhas superstições e a época da Razão, entre uma religiosidade poderosa e uma ditadura tirânica. D. Maria encarna fielmente as contradições desse tempo, pois, apesar do seu conservadorismo religioso, soube compreender, pelo menos em alguns aspetos, o Iluminismo, adotando uma abordagem humanitária dos assuntos de Estado. Desde o seu tão aguardado nascimento em Lisboa, então a cidade mais opulenta da Europa, até à sua morte, num ambiente austero no Brasil, esta biografia lê-se como um romance histórico. A autora revisita a história política da época, as complexidades da vida privada da Rainha, os principais acontecimentos e a vida das personalidades desse período histórico. D. Maria I - a Vida Notável de Uma Rainha oferece aos seus leitores uma visão íntima do mundo das monarquias absolutas, da vida quotidiana na corte portuguesa e na velha Europa, antes da Revolução Francesa e da ascensão de Napoleão que levou a dinastia de Bragança à beira da ruína. 

"ELE FOI O ÚNICO QUE ME ENGANOU" 

Frase de Napoleão se referindo a astúcia de D. João VI, quando da sua retirada estratégica com a Família Real Portuguesa e a Corte para o Brasil. 
Em 26 de novembro de 1807 Dom João publica um decreto declarando: 

"Tenho procurado por todos os meios possíveis conservar a neutralidade de que até agora tem gozado os meus fiéis e amados vassalos e apesar de ter exaurido o meu Real Erário, e de todos os sacrifícios a que me tenho sujeitado, chegando ao excesso de fechar os portos dos meus reinos aos vassalos do meu antigo e leal aliado, o Rei da Grã-Bretanha, expondo o comércio dos meus vassalos a total ruína, e a sofrer por este motivo grave prejuízo nos rendimentos de minha coroa. Vejo que pelo interior do meu reino marcham tropas do imperador dos franceses e Rei da Itália, a quem eu me havia unido no continente, na persuasão de não ser mais inquietado (...) e querendo evitar as funestas conseqüências que se podem seguir de uma defesa, que seria mais nociva que proveitosa, servindo só de derramar sangue em prejuízo da humanidade, (...) tenho resolvido, em benefício dos mesmos meus vassalos, passar com a Rainha minha senhora e mãe, e com toda a Real Família, para os Estados da América, e estabelecer-me na Cidade do Rio de Janeiro até a paz geral." 
Dom João transferiu a Corte Portuguesa para o Rio em 1808 para evitar o confronto com a França e levou fama de fujão. Napoleão Bonaparte, no fim da vida, reconheceu que o monarca português foi o único líder europeu que conseguiu enganá-lo em seus tempos de triunfo.
Junot no seu "Diário" manuscrito, guardado na Biblioteca Nacional da Ajuda, revela o quanto os franceses receavam aquele embarque. Ao ser informado que este estava já em execução, e não podendo voar sobre o Ribatejo até Lisboa com as suas tropas, ainda enviou Hermann a Lisboa com a missão de o atrasar ou impedir. "Mr. Hermann ne put voir ni le Prince ni Mr. D. Araujo; celui-ci seulement lui dit que tout était perdu" ("O Sr. Hermann não pôde ver nem o Príncipe nem o Sr. D. Araújo; ele apenas lhe disse que tudo estava perdido"), escreveria depois Junot a Bonaparte. Para Araújo, o mais importante, o "partido francês", estava na verdade perdido - não era mais possível aos franceses aprisionarem o Príncipe-Regente de Portugal.

URL
Príncipe Regente de Portugal e toda a Família Real embarcando para o Brasil

A idéia também de que a Família Real saiu de Portugal fugindo as pressas cheia de medo, é bom ser reconsiderada; é certo que eles tinham que sair de Portugal, Napoleão não perdoaria a negativa de Dom João VI de interromper com os negócios com a Inglaterra e certamente o deporia e/ou mataria, mas daí a sair as pressas de Lisboa já é outra coisa. Imagine alguém saindo as pressas com 12.000 a 15.000 pessoas numa esquadra composta de 58 navios entre naus, fragatas, briques, uma escuna, uma charrua de mantimentos, 21 navios comerciais, e levando consigo uma gigantesca biblioteca, como a que Dom João trouxe para o Rio de Janeiro, e que hoje é a Biblioteca Nacional. Portanto não foi às pressas, foi planejada ainda que necessária. Neste contexto e nas condições dos recursos da época, era de se esperar que algumas coisas na viajem acontecessem... Como tempestades, naufrágios e calmaria, que fizeram as naus perderem o rumo e atrasar a travessia do Atlântico, chegando à Bahia em 23 de janeiro de 1808. 

1808 - A Família Real no Brasil 
Ao evitar-se que a Família Real Portuguesa fosse aprisionada em Lisboa pelas tropas francesas, inviabilizou-se o projeto de Napoleão para a península Ibérica, que consistia em estabelecer nela famílias reais da sua própria família, como ainda se tentou em Espanha com a deposição de Fernando VII e Carlos IV, colocando no trono José Bonaparte. A revelação da correspondência secreta de Junot e de Napoleão, bem como os textos dos Tratados secretos de Tilsit, não deixam margem para quaisquer dúvidas a este respeito. O "partido francês" em Portugal, não se dando por derrotado, começou imediatamente a difundir a idéia de que a retirada estratégica da Corte para o Brasil não era mais do que uma "fuga", que teria deixado Portugal sem Rei e sem Lei. Por esse motivo foi enviada uma delegação sua ao encontro de Junot para que Napoleão Bonaparte lhes desse uma Constituição e um Rei.

"Na madrugada do dia 27 de novembro de 1807 os membros da Família Real saíram de Lisboa. chovia muito em todos os dias que antecederam o embarque da família real, porém no dia 27 não choveu como alguns autores afirmam, o dia amanheceu claro e com céu azul". Por dificuldades surgidas na travessia do Atlântico, parte da frota onde estava o regente separou-se e aportou na Bahia em janeiro de 1808. Depois de uma breve estadia na antiga capital da colônia, todos se reuniram no Rio de Janeiro. 
Quadro de Geoff HuntChegadada Família Real Portuguesa ao Rio de Janeiro em 7 de Março de 1808 ― Óleo sobre tela, 1999, 609 X 914 milímetros. Quadro de Geoff Hunt.  

Em primeiro plano a Nau Príncipe Real, armada com 84 canhões. 

"(...) O quadro representa, no centro, a nau Príncipe Real, onde tinham viajado a Rainha D. Maria I, o Príncipe Regente e os seus dois filhos, os Infantes D. Pedro e D. Miguel, e o Infante espanhol D. Pedro Carlos de Bourbon, no momento em que acaba de fundear, usando a sua caranguejola, vendo-se o estandarte real a flutuar no mastro principal. Os pequenos botes ao redor da nau transportam personagens que não quiseram deixar de cumprimentar imediatamente a Família Real, já que o desembarque só se realizou no dia seguinte. Do lado esquerdo está a nau britânica Marlborough, que se encontrava na baía, a disparar uma salva, com a guarnição colocada nas vergas. Do lado direito pode ver-se a nau Afonso de Albuquerque, que tinha transportado a Princesa Carlota Joaquina e quatro das suas seis filhas, a começar a ferrar as velas preparando-se para entrar no vento e fundear. Atrás está a Medusa, que tinha transportado o ainda secretário de estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra, António de Araújo de Azevedo, futuro Conde da Barca, e a fragata Urânia, que escoltou o Príncipe Regente durante toda a viagem. Ao lado destas, a nau britânica Bedford, que tinha acompanhado a frota portuguesa desde as Canárias. Mais à direita, na linha de costa o fumo branco representa a salva do forte de Villegaignon, que já não existe, vendo-se também – da esquerda para a direita – a costa de Niterói, a entrada da Baía do Rio de Janeiro e o Pão de Açúcar. (...)" 

➤ CRONOLOGIA DA CHEGADA DA CORTE PORTUGUESA AO BRASIL: 
 18 de Janeiro de 1808 – A Esquadra chega à costa da Bahia. 
 22 de Janeiro de 1808 – Os habitantes de Salvador já podiam avistar a Esquadra. Às quatro horas da tarde do mesmo dia os navios fundeiam. 
 24 de Janeiro de 1808 – A Família Real Portuguesa desembarca em Salvador. 
 7 de Março de 1808 – Dia da Chegada da Esquadra conduzindo a Família Real Portuguesa ao Rio de Janeiro. 
 8 de Março de 1808 – Dia do desembarque da Família Real Portuguesa no Cais do Largo do Paço (atual Praça XV de Novembro), da Cidade do Rio de Janeiro.  

A Família Real embarcara desde o dia 27 de novembro, tomando-se a bordo as últimas decisões. No dia 28 de novembro não foi possível levantar ferros porque o vento soprava do Sul. Entretanto, as tropas francesas tinham já passado os campos de Santarém, pernoitando no Cartaxo. No dia 29 de novembro, o vento começou a soprar de nordeste, e bem cedo o Príncipe Regente ordenou a partida. Quatro naus da Marinha Real Britânica, sob o comando do capitão Graham Moore, reforçaram a esquadra portuguesa até o Brasil. ● A esquadra portuguesa, que saiu do porto de Lisboa em 29 de novembro de 1807, ia comandada pelo vice-almirante Manuel da Cunha Souto Maior. 

Após a partida, os navios da esquadra portuguesa, escoltados pelos ingleses, dispersaram-se devida a uma forte tempestade. Em 5 de dezembro conseguiram se reagrupar e logo depois, em 11 de dezembro, a frota avistou a ilha da Madeira. As embarcações chegaram à costa da Bahia a 18 de janeiro de 1808 e, no dia 22, os habitantes de Salvador já puderam avistar os navios da esquadra. Às quatro horas da tarde do dia 22, após os navios estarem fundeados, o conde da Ponte (governador da capitania da Bahia à época) foi a bordo do navio Príncipe Real. No dia seguinte, fizeram o mesmo os membros da Câmara. A comitiva real só desembarcou às cinco horas da tarde do dia 24, em uma grande solenidade.  

Em Salvador foi assinado o Decreto de Abertura dos Portos às Nações Amigas. 
A esquadra partiu de Salvador rumo ao Rio de Janeiro, onde chegou no dia 7 de março de 1808, desembarcando a Família Real no cais do Largo do Paço (atual Praça XV de Novembro), em 8 de março. Os membros da Família Real foram alojados em três prédios no centro da cidade, entre eles o paço do Vice-Rei Marcos de Noronha e Brito, Conde dos Arcos, e o Convento das Carmelitas. 
 
A Capital do Reino de Portugal foi estabelecida na Capital do Estado do Brasil, a Colônia Portuguesa é elevada a Reino do Brasil, oficialmente Reino do Brasil do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. Com essa "inversão metropolitana", da Cidade do Rio de Janeiro, é exercida a soberania e a governação do Império Ultramarino Português. Pela primeira e única vez na história uma colônia passava a sediar uma corte européia. Assim a Cidade do Rio de Janeiro adquire o status de Capital de um dos mais vastos territórios espalhados pelo globo: Europa, América do Sul, África, Ásia e Oceania.
Rei de Portugal - Rei do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves - Imperador do Brasil (de jure)
Ainda em 1808, pouco depois da chegada ao Brasil, os Fuzileiros-Marinheiros, como eram chamados à época, se integraram à expedição que rumava para a Guiana Francesa.

Devido à invasão de Portugal pelas tropas napoleônicas, D. João determinou a invasão de Caiena, sede da administração francesa na Guiana. Em 2 de maio de 1808, foi divulgado às potências da Europa, e ao mundo inteiro, o Manifesto do Príncipe Regente declarando guerra à França:

“Sua Alteza Real o Príncipe Regente Nosso Senhor, no seio do novo Império, que veio criar na América Meridional, levanta a sua voz, e expõe com energia e dignidade os sacrifícios, que, por muitos anos, houvera feito para conservar a tranqüilidade do seu povo comprando por muitos milhões de cruzados uma neutralidade pacífica, que o pérfido Napoleão, Imperador dos franceses, por vezes vendeu, e que logo ele mesmo quebrava, para ter o pretexto de nova negociação: patenteia as traições, as intrigas, e infames manobras, que o mesmo Imperador maquinou por meio dos seus enviados, e agentes, a fim de perturbar a nação portuguesa, e abalar a estabilidade do trono: enfim depois de lembrar a toda a Europa a execranda perfídia, com que o dito Imperador invadiu o Reino de Portugal e o ocupou, declara Sua Alteza Real guerra a Napoleão e aos franceses, permite aos seus vassalos da Europa, do Brasil, e Domínios Ultramarinos o repelir, por mar, e por terra, os seus inimigos e fazer-lhes guerra. Declara Sua Alteza nulos, e de nenhum efeito todos os tratados, que o Imperador dos franceses o obrigou a assinar, e que jamais deporá as armas, senão de acordo com o seu antigo e fiel aliado, Sua Majestade Britânica, e que não consente, nem consentirá em caso algum da cessão do Reino de Portugal, que forma a mais antiga parte da herança, e dos direitos da sua real família. Este manifesto no qual tanto reluz a verdade, e a justiça da causa do Príncipe Regente Nosso Senhor, foi bem recebido na Europa, e com especialidade pelos ingleses, e abriu os olhos a muita gente, a quem Napoleão havia fascinado com as suas imposturas e deslealdade.” 

Assim, a primeira missão de combate dos Fuzileiros-Marinheiros no Brasil foi a invasão da Guiana Francesa, ordenada em represália à invasão de Portugal. Em outro decreto, de 10 de junho, ordenou D. João que “por mar, e por terra se lhes façam todas as hostilidades”, autorizando o corso e os armamentos que seus vassalos quisessem no intuito de propor-se contra a França. 
Já fomos o País do Futuro 

A ● Já fomos o País do Futuro. Perdemos este status em nome de uma irresponsável experiência republicana que inaugurou o primeiro genocídio de fato do povo brasileiro e estagnou a nação. Ao passo que a República de 1889 a 2016 (127 anos), reduziu um Brasil que hoje chamam primeiro mundo, num país fracassado de terceira categoria pertencente a um Terceiro Mundismo que inventaram, cada vez mais dependente das tecnologias dos outros. Ironicamente os golpistas de 1889 pregavam que a República havia chegado para melhorar o Brasil em todos os sentidos (uma espécie de Libertação das Trevas)... Hoje muitos idiotas republicanos culpam a Colonização Portuguesa e o período Imperial por todas as mazelas do Brasil. A República não cumpriu a que veio, e agora quer responsabilizar a História do Brasil até 1889, por suas incompetências e fracassos. 
B ● A Restauração do Parlamentarismo Monárquico Imperial Brasileiro... “(...) É a única saída que temos, o resto é pura ilusão e sofrimento para o Povo e a Nação. Como nosso povo não possui uma posição política, e não apelo para que tenham, pois esta atitude não contempla seus ideais e tampouco uma causa nacional, como um dever para com a Nação, mesmo com os exemplos de corrupção que ocorre presentemente e a necessidade da troca do sistema de governo que vivemos, ora PATRIOTISMO requer cultura Histórica o que as escolas foram direcionadas para não ensinarem à décadas, se adaptaram e estão enganados. É uma pena, reagir é preciso, COMO???? Respondo, MUDAR/TROCANDO pelo IMPÉRIO DO BRASIL que foi testado e deu certo, comprovadamente. (...)" (Fernando Tredicci). 
URL
C ● Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro foi a Capital do Reino do Brasil, do Império Ultramarino Português e do Império do Brasil, usurpada dos brasileiros pelo Crime de Traição e Lesa-Pátria da tragédia do Golpe Republicano de 1889; retrocesso ditatorial totalitário violento, que interrompeu sua evolução natural na Democrática Monarquia Constitucional Parlamentar Representativa Imperial Brasileira, cujas suas predadoras conseqüências se estenderam pelo futuro... Metrópole da Corte, Violentada pela ilegítima imposição republicana, criminosamente descaracterizada, favelizada & Poluída. Sede da Petrobras, corrompida pelas Organizações Criminosas das Facções Narco-Psicopatas-Partidárias-Copartícipes dos Regimes-Síndico-Comuna-Socialistas-Golpistas, da Máquina de Prostituição Parlamentar do Poder Central Republicano, Alinhada a Política Transnacional Continental Latina Americana do Foro de São Paulo. 
D ● TRANSIÇÃO DO ESTADO DO BRASIL (há época ainda Brasil Colônia) Para REINO DO BRASIL E IMPÉRIO DO BRASIL: "(...) Reino do Brasil, oficialmente Reino do Brasil do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves foi a designação oficial assumida em 16 de dezembro de 1815, a elevação do então Estado do Brasil (1621-1815), uma colônia portuguesa, a reino. Este ato decretou oficialmente o fim do Estatuto Colonial do Brasil, motivado, sobretudo, por governar uma nação européia a partir de uma colônia, desde a transferência da Família Real e da nobreza portuguesa em 1808. Tal aconteceu por ordem do então Príncipe-Regente Dom João Maria de Bragança (futuro Rei Dom João VI), após as invasões napoleônicas a Portugal. (...)" 

URL
E ● "(...) O Reino do Brasil teve apenas dois Reis, Dona Maria I (que era a Rainha de Portugal antes da elevação do Brasil a Reino Unido com Portugal) e Dom João VI (que antes da morte de sua mãe, a Rainha Dona Maria I, já governava como Príncipe-RegenteA Capital do Reino era a Cidade do Rio de Janeiro, à época chamada apenas de Corte. Da mesma forma, durante a vigência do Reino Unido do Brasil, foi da sua Capital - a Cidade do Rio de Janeiro - que passou a ser exercida a soberania de Sua Majestade Fidelíssima sob todas as colônias do Ultramar Português. (...)" 
F ● "(...) O Brasil desmembrou-se com a Independência, a 7 de setembro de 1822, proclamada pelo filho do Rei Dom João VI, D. Pedro de Alcântara de Bragança (futuro Imperador D. Pedro I do Brasil e Rei D. Pedro IV de Portugal), que antes da independência era o herdeiro do trono como Príncipe Real do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. Tal episódio resultou na fundação do Império do Brasil, no mesmo ano - 1822, e, por conseguinte, no desmembramento do então território brasileiro do Império Ultramarino Português. (...)" 
REFERÊNCIAS: 
II ■ Estado do Brasil 
III ■ Reino do Brasil 
URL 
A tragédia da experiência republicana brasileira
A tragédia da experiência republicana brasileira definitivamente acabou com o Brasil. Defender este moralmente ilegítimo Regime Republicano Brasileiro é o mesmo que defender o Bandido que enganou, traiu, roubou e assassinou. A República principiou na ilegalidade inaugurando a primeira Ditadura Militar da História do Brasil, que para se manter assassinou 150.000 brasileiros, apenas nos seus sete primeiros anos de fracassos.
O Exército Brasileiro após a proclamação da República matou sob o comando de Floriano 150.000 pessoas, isso é muita gente para morrer sem guerra. Matar nacionais por serem monarquistas pobres, pobres, monarquistas pobres. Canudos todos sabem que não tinha ninguém rico ali. O Exército Brasileiro não tem que ter nenhum receio da Monarquia, absolutamente. No dia que o Exército Brasileiro tiver consciência e voltar a enxergar em Duque de Caxias o grande militar brasileiro, o próprio Exército não agirá e nem fará nada como um golpe ou coisa parecida (...)
Outra grande ação deste “Herói Nacional” Floriano Peixoto, foi a compra daquela esquadra que se chamou de Esquadra de Papelão que ele trouxe dos Estados Unidos, exatamente para combater a Marinha de Guerra (em posse dos Oficiais Monarquistas) (...) E a nossa esquadra infelizmente estava em Santa Catarina, senão a gente teria destruído os americanos. Nós éramos mais poderosos que os americanos (...). Nós éramos a 2ª Marinha Mercante do Mundo e a 4ª Marinha de Guerra do Mundo (Muitos dizem que foi a 3ª). (...) Para mim o motivo da República foi destruir o Brasil...   

Ohanes Kabderian
Toda esta experiência republicana tem sido um desastre. Toda esta experiência republicana é uma experiência de desastres... Não acredito que haja um brasileiro que seja republicano. O Brasil está sem identidade, não há mais conceito de pátria, referência de pátria, nada. Não se tem mais orgulho de ser brasileiro. O que é uma situação bem diferente do nosso Período Imperial; isso é destruir uma nação. Quando você destrói a vontade destrói a nação. A grande crise brasileira não é econômica, não é uma crise de produção climática, a crise brasileira é moral.
Ohanes Kabderian – Monarquia II – 2ª parte
Nós já fomos um grande país, e perdemos esta posição por causa dos desmandos que a República tem feito nestes seus 100 anos... O Brasil perdeu o seu Rumo. A diferença quando se fala de Império do Brasil, e a maneira como o mundo via o Império do Brasil, as grandes nações, não é mais a mesma maneira que vêem o Brasil hoje. O Imperador Pedro II foi Árbitro Internacional (...). A falta de conhecimento do povo infelizmente... Esta traição, o roubo da identidade do Brasil que a República cometeu, fez com que o brasileiro não saiba mais exatamente como é o seu país... Isso é uma subtração de conhecimento. (...)
Queremos que o Brasil volte a ser o que era, o Império, um país respeitado, um país rico, (...) Gostaríamos de ter orgulho de quando saíssemos de nosso país, viajássemos, de ter orgulho quando mostrássemos nosso passaporte, dizer que somos filho de um Império importante. (...) Eu gostaria que o povo brasileiro se lembrasse da situação política brasileira atual e refletisse se não gostaria de voltar a ter um governante reto, honesto, amante do seu país, como foi Princesa Isabel, e como foi D. Pedro I que fundou o Império. Então nossa história nos leva a preferir o que a gente perdeu... O que nos foi tomado.
Essa República de Mentira nada acrescentou de útil, virtuoso e verdadeiro ao Brasil.
Por mais que me esforce, não consigo ver nobreza alguma em vossos representantes políticos republicanos... Tampouco algo em suas atitudes que os honrem e engrandeçam.
ARMADA DO BRASIL IMPÉRIO
A terceira Marinha de Guerra do planeta, que somada à Marinha Mercante, foi a segunda Potência Naval da terra. 
URL 01 - URL 02  FaceBook 
Um dos 90 Navios da Armada Imperial Brasileira até o Golpe de Traição de 1889 - em determinado momento na cronologia do tempo, foi mais poderosa do que a Marinha de Guerra dos EUA, que somada a Marinha Mercante do Império, representava a 2ª Potência Naval da Terra.
Encouraçado de Esquadra Riachuelo  
Armada Imperial Brasileira foi a Força que tentou reverter o Golpe Republicano de 1889, entretanto a maioria dos seus Oficiais e Subalternos fiéis a Monarquia, Heróis da Pátria, foram executados sumariamente. Hoje a República de Mentira continua condecorando, homenageando e protegendo seus Heróis de Barro... Os Terroristas Assassinos internos e externos, com as mais altas Ordens Honoríficas do Brasil, inclusive com àquelas criadas pelo Império.
(...) 
SEGUE NA MATÉRIA: ARMADA IMPERIAL BRASILEIRA (A Armada Nacional)

URL
ALGUMAS MATÉRIAS RELACIONADAS: 
URL
Algumas Matérias deste Blog

01 • A MUDANÇA