DEFUNTA REPÚBLICA DE MENTIRA

"(...) É, todavia, difícil compreender por que, até o fim do reinado de Pedro II, o Brasil era um país mais promissor que os EUA, mais importante que a China, a Índia, o Japão, a Coréia e quase todos os países europeus - de onde vieram muitos imigrantes - e hoje ocorre o oposto: (...)" - (Dr. José Carlos de Almeida Azevedo)

Defender a manutenção da imundície da Ilegítima Ditadura Republicana Genocida Brasileira, que seguiu matando pelo futuro milhões com suas inconsequências, negligências, omissões... É de uma falta de conhecimento extrema, de uma burrice crônica absoluta, ou de uma voracidade predatória sem precedentes... Apenas caindo Dilma com o seu "Perda Total", mesmo que seja junto com suas coligações (Partidos dos Partidos...) das Organizações Criminosas das Facções Narco-Psicopatas-Partidárias-Copartícipes dos Regimes Síndico-Comuna-Socialistas-Golpistas, da Máquina de Prostituição Parlamentar do Poder Central Republicano, Alinhada a Política Transnacional Continental Latina Americana do Foro de São Paulo... Quase nada mudará nessa decadente República de mentira nunca proclamada de fato - a sujeira mais uma vez apenas mudará de mãos.

O Brasil é escravizado por uma caricatura republicana presidencialista moralmente ilegítima abortada defunta como regime totalitário, cujas suas predadoras consequências se estenderam pelo futuro numa sucessão de ditaduras civis e militares... Nódoa negra do hoje paradoxalmente dito Exército do monarquista Caxias do Exército Imperial Brasileiro. Aliciados por meia dúzia de traidores da pátria discípulos da Seita Positivista, alguns militares do Exército Imperial foram utilizados como ferramenta executora do trabalho sujo que mergulhou o país nas trevas, com a desastrosa inauguração da primeira ditadura militar da História do Brasil em 15 de novembro de 1889, acabando com a democracia da Monarquia Constitucional Parlamentar Representativa do promissor respeitável Império do Brasil, que ombreava com as outras três nações mais poderosas, cuja sua Armada Imperial somada a Marinha Mercante, foi a 2ª Potência Naval da terra. Num determinado momento da nossa história, já fomos mais poderosos do que os Estados Unidos da América do Norte.

No desastre do Flagelo Republicano, entre mandos e desmandos nesses 126 anos de estagnação, se somam: "12 Estados de Sítios, 17 Atos Institucionais, 6 Dissoluções do Congresso, 19 Revoluções ou Intervenções Militares, 2 Renuncias Presidenciais, 3 Presidentes Impedidos, 4 Presidentes Depostos, 6 Constituições Diferentes, 4 Ditaduras e 9 Governos Autoritários"... Mais os últimos 30 anos de retrocessos perdidos num oceano de esgoto sem precedentes na História do Brasil, com a 6ª tentativa ressuscitadora do pesadelo da tragédia dessa fracassada Nova República Salvadora da Pátria perdida em si mesma, que além de produzir desde 1985 mais de 3.000.000* de assassinatos (*Incluindo as mortes provocadas pelos desserviços e/ou omissões dos sucessivos desgovernos), nos conduziu mais uma vez a um terrível vazio. E, tudo indica que a burrice ou obscuras ambições dos dementes políticos predadores devoradores da pátria, indiferentes ao que já funcionou a contento na história dessa nação fundada em 1822 como Império, continuarão como insaciáveis varejeiras investindo no engodo de novas inúteis defuntas repúblicas, que têm sido sinônimos de Desgraça Nacional. (Emanuel Nunes Silva)

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Vítimas do Terrorismo Socialista & Comunista nos Anos de Chumbo

Vítimas do Terrorismo Socialista & Comunista nos Anos de Chumbo
(31 de Março de 1964)
- Apresentação -
Nos Capítulos - VI - e - VII - abaixo, estão incluídos os nomes das pessoas mortas e desaparecidas durante os Anos de Exceção (1964 – 1985).
Tanto das pessoas sequestradas, torturadas, assassinadas (despedaçadas), justiçadas... Pelos grupos da Esquerda Armada (terrorismo & guerrilha socialista/comunista), quanto das que foram cassadas, auto-exiladas, presas, torturadas, assassinadas e/ou desaparecidas pela reação do Estado. 

Esta Matéria traz a lista dos nomes de todas as vítimas confirmadas do terrorismo de extrema-esquerda no Brasil. O terrorismo de esquerda ocorreu dentro do contexto da Guerra Fria e não ficou na América Latina restrito ao Brasil, tendo ocorrido em diversos países como Uruguai, Paraguai, Argentina, Peru, Colômbia, Guatemala, etc. Em reação a tentativa das guerrilhas comunistas de tomar o poder, instauraram-se regimes militares na América do Sul para preservar as nações de regimes totalitários, como os que mataram mais de 100 milhões de pessoas na União Soviética, China, África, no Camboja e também na América Central até então. Mais abaixo em outra lista, estão cerca de 530 mortos de ambos os lados, incluindo as vítimas inocentes sem nenhum envolvimento político com as ações armadas, assassinadas intencionalmente ou não pelos grupos radicais de extrema-esquerda. 

Consulte também:
Vítimas do Terrorismo esquerdista no Brasil:

"(...) O terrorismo de extrema-esquerda ocorreu dentro do contexto da Guerra Fria e não ficou restrito ao Brasil, tendo ocorrido em diversos países como Uruguai, Paraguai, Argentina, Peru, Colômbia, Guatemala, etc.

Em reação à tentativa das guerrilhas e grupos terroristas de extrema-esquerda de tomar o poder e instaurar regimes totalitários aos moldes soviéticos e cubanos, diversos países da América do Sul adotaram regimes militares de exceção para garantir a segurança dos seus cidadãos. O proceder das forças de segurança destes regimes é um tema ainda hoje polêmico, porém mais polêmico e preocupante ainda é o silêncio da mídia e das autoridades sobre os crimes cometidos pelos integrantes das células terroristas em atividade nestes mesos países.

Esta página traz a lista de nomes de todas as vítimas confirmadas do terrorismo de extrema-esquerda no Brasil durante o Regime Militar (1964-1985). Tenha em conta que boa parte destes grupos já se encontrava em atividade desde 1961, porém não há documentação abundante sobre suas atividades terroristas devido à convulsão política que o país vivia na época. Das vítimas aqui publicadas, 117 no total, cerca de 19 (1 em cada 6) foi assassinada antes da instituição do AI-5. Nesta lista não estão incluídos os nomes de feridos, mutilados (sobreviventes) ou desaparecidos, somente vítimas assassinadas pelo terrorismo e que morreram durante os ataques ou devido aos ferimentos. (...)"

Vítimas do Terrorismo esquerdista no Brasil
http://direitasja.com.br/vitimas-do-terrorismo-esquerdista-no-brasil/ 
E foi assim que tudo começou... 
(Cel Carlos Alberto Brilhante Ustra)
Recrutamento dos jovens
• Aproveitando o idealismo dos jovens, sua ousadia, sua esperança de poder reformar o mundo, o PCB, o PCdoB e suas dissidências reunia grupos e, discutindo política, incutia nos jovens as idéias do Manifesto Comunista de Marx e Engels. Todas as organizações deram destaque especial ao setor de recrutamento.

• As organizações de esquerda, tendo como suporte experientes militantes comunistas, sempre dispensaram especial atenção ao recrutamento dos jovens - mesmo àqueles no início de sua adolescência -, conhecedores da sua impetuosidade, da alma sonhadora, inquieta e aventureira da juventude. A penetração de idéias subversivas era feita no momento em que o jovem sentia os problemas sociais no meio em que vivia.

• A lavagem cerebral e o comprometimento com as organizações subversivas os tornavam reféns do terror e verdadeiros autômatos. Família, pátria, religião passavam a ser “alienações da burguesia”. Em suas mentes só havia espaço para as convicções ideológicas que lhes impregnaram e que, em muitos casos, levaram-nos à morte em enfrentamentos com os órgãos de segurança.

• O recrutamento dos jovens talvez tenha sido o pior crime cometido pela esquerda armada no Brasil, pois levou rapazes e moças a crimes hediondos, corrompendo-os e tornando-os verdadeiras “buchas de canhão”. Manipular criminosamente o idealismo da juventude foi mais uma demonstração de que, para a esquerda revolucionária, os fins, realmente, justificam os meios.
Cel Carlos Alberto Brilhante Ustra.
Texto completo: A Verdade Sufocada (A história que a esquerda não quer que o Brasil conheça). 


■ Quem são os verdadeiros TORTURADORES??? 
https://www.youtube.com/watch?v=iO4wdRC1oDQ

 "ACUSE-OS DO QUE VOCÊ FAZ, XINGUE-OS DO QUE VOCÊ É" - LÊNIN 

"É perfeito... Enquanto roubam, reclamam da corrupção. Enquanto matam, reclamam da perseguição. Enquanto buscam se perpetuar no poder, acusam os opositores de desrespeitar a democracia. Enquanto censuram a mídia, reclamam da 'elite' que controla os meios de comunicação. Enquanto protegem terroristas, acusam outros países de terem uma Justiça deficiente. Enquanto destroem as instituições, afirmam estar desenvolvendo-as e acusam aqueles que impedem seu trabalho. Enquanto acumulam bilhões para si e seus amigos, falam em justiça social. Enquanto obtém cada vez mais poder sobre o indivíduo, acusam os que tratam de se defender" 

"OS MEIOS JUSTIFICAM OS FINS" ►PUG - PARTIDO ÚNICO GOVERNISTA ►Deste fazem parte também grupos de jovens ativistas pagos por estatais, e iniciados por líderes de legendas como PCdoB, PC, PT, PSOL, PSTU, PSDB, PDT, MST, Via Campesina... Etc. Todas comparticipes do Regime Comuno-Síndico-Socialista da Presidente Dilma Rousseff. 


URL

➤ No Capítulo - I - Comunismo & Revolução Russa, da Matéria: COMUNISMO. 

U • Por razões estranhas, estes Camaradas se apegam analogamente a uma espécie de Fanatismo Religioso exacerbado de tal forma a Causa Socialista&Comunista, que tornam-se nestas cumplicidades cegos aos fracassos, por pior que tenham sido as tragédias, como se tudo fosse justificável... Ironicamente enaltecem a palavra DEMOCRACIA como Tábua de Salvação. Aliciam, corrompem, mentem, roubam, matam... Sempre em nome dessa DEMOCRACIA, mesmo que sejam minoria - “o fim justifica os meios” é uma frase do Maquiavelismo, que tem a pretensão de fazer parecer justo que os governantes e outros poderes devem estar acima da ética e da moral dominante, para alcançar seus objetivos ou realizar seus planos, como se estivessem do alto de seus pedestais acima do bem e do mal. "Acuse-os do que você faz. Xingue-os do que você é" - Lênin
•  
■ COMUNISMO 
http://emanuelnunessilva.blogspot.com.br/2013/10/comunismo.html 
A) – A Luta Armada Brasileira jamais foi legitimada pela população, tanto pelas suas propostas, quanto pelas características (métodos) das suas ações. Não existe legitimidade em cobrar qualquer coisa de quem a derrotou e a anistiou, ao contrário do que certamente fariam... A derrota da Luta Armada Brasileira, não promoveu o banho de sangue como os socialistas fizeram em Cuba, na URSS e na China. Tampouco foi “necessário” matar 30.000 pessoas como ocorreu na Argentina, país com uma população 5 vezes menor que a brasileira. 
B) – Essa mesma gente que hipocritamente demoniza a mais dócil e benevolente das ditaduras militares do Brasil – quiçá mundial, mais providencialmente do que ironicamente: veneram outras ditaduras que mataram milhares de vezes mais... O símbolo que os Partidos Socialistas/Comunistas Brasileiros copiaram da extinta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), o mesmo posteriormente adotado pela República Popular da China – Simboliza a execução de 120.000.000 de pessoas mundo afora.
C) – Apesar da população brasileira ser maior do que a soma das populações dos outros países da América do Sul incluindo Cuba do Caribe, dentre os membros e/ou colaboradores da Luta Armada, durante todo o período dos famosos 21 Anos de Chumbo, morreram ou desapareceram cerca de 400 pessoas, segundo o Livro Direito à Memória e à Verdade, publicado pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos (média de 19 pessoas por ano). Comparando-se este fato ao que aconteceu nas ditaduras do Chile: 3.000 mortos; Argentina: 30.000 mortos; e como parâmetro na Ditadura Comunista Cubana, país hoje com apenas 11 Milhões de habitante: 85.000 mortos; proporcionalmente às características do Brasil, a vitória sobre os grupos que pretendiam implantar arbitrariamente, à custa de muito derramamento de sangue a tal Ditadura do Proletariado (Comunista), teve um número de mortos relativamente reduzido, graças a atuação cirúrgica das FFAA. 
D) – Os brasileiros jamais aderiram ao terrorismo. A justificativa: “O impulso de destruir é também um impulso criativo”, nunca fez escola entre nós. Influenciou um ou outro pervertido. Chacinar autoridades ou pessoas comuns, detonar bombas na multidão, explodir instalações públicas, como sucede rotineiramente em países conhecidos pela irracionalidade de minorias políticas e religiosas, não integram os nossos costumes. O povo mais de uma vez manifestou repugnância a facínoras insensíveis que, em nome de ideologia extremista, ou por mera propensão homicida, não vacilam em sacrificar homens, mulheres e crianças, em sangrentos atentados a tiros ou à bomba. 
E) – O Teatro da Comissão da Verdade, é uma ferramenta que prioriza iludir e desviar principalmente à atenção dos jovens das mazelas desta Organização Criminosa do Poder, ocupando-os com um passado ao qual não presenciaram. Tenta mobilizar os jovens, e já fala em relatório multimídia, além de elaborar um livro de até 400 páginas com informações de acordo com seus interesses aliciatórios sobre a Ditadura. Este “Órgão”, apêndice do Organismo da Internacional que praticamente já está implantado, prepara material multimídia na voz de Chico Buarque... Na época, antes de Stela (codinome Dilma) começar a explodir junto com a sua gente pessoas... Em nome da “Causa”, este Símbolo Chico Buarque de Holanda já era fichado na Polícia por gostar de se apropriar de bens de terceiros.

Eduardo Jorge - lutávamos por uma Ditadura Comunista
F) – Não foi a Violência da Dilma Terrorista que ajudou a derrubar a Ditadura Militar. Foram as ações dos militares que depois de derrotarem a violência de pessoas como Dilma, que redemocratizaram o país, na época em que estas pessoas pretendiam implantar à custa de muito derramamento de sangue uma Ditadura Comunista no Brasil. A última Ditadura Militar nunca foi derrubada, pois foram os próprios “Ditadores” que depois de derrotarem os Terroristas e a Luta Armada, promoveram a abertura política. A Intervenção Militar de 64 aclamada e legitimada pela expressiva maioria da população nunca se caracterizou como Revolução, tampouco posteriormente como uma Ditadura de fato. 
G) – Após o povo sair às ruas pedindo uma atitude enérgica das forças armadas perante o caos que se instalou em 1964, os militares devolveram a ordem ao país durante 20 anos. A entrega do poder não foi possível antes porque os Atentados Terroristas, Luta Armada & Guerrilha, que não visavam a democracia, não permitia ambiente propício para tal. Aos 14:25 do Vídeo: A Ligação umbilical, vital, que existiu entre os Guerrilheiros Brasileiros e a Revolução Cubana/o Governo Cubano, trouxe aqui o testemunho insuspeito neste caso, do Senhor José Dirceu que afirma: “A geração que chegou ao Poder deve muito à Cuba, sou um cubano brasileiro ou um brasileiro cubano". 
Estes vídeos acrescentam mais conteúdo a esta Matéria:
H) – A Lei N.º 6.683, da Anistia (da Abertura Ampla Geral e Irrestrita), sancionada em 28 de agosto de 1979 pelo Presidente João Figueiredo, concedeu perdão aos responsáveis por seus crimes cometidos entre 2 de setembro de 1961 a 15 de agosto de 1979, tanto para os autores dos atentados terroristas, quanto para os crimes cometidos pelos Agentes de Estado. Os beneficiados ganharam a oportunidade de retornar à política, às atividades acadêmicas, ao jornalismo, aos negócios, quase sempre obtendo sucesso... Como temos visto até os dias de hoje. A legislação, de caráter excepcional, justificava-se naquele momento como prova inequívoca do compromisso assumido pelo Governo Militar de pacificar a Nação. Em tal circunstância, procurou-se passar a borracha no passado, isentando de culpa, e do cumprimento de pena, réus civis e militares...
I) – Providencialmente estes que pretendiam impor arbitrariamente uma Ditadura do Comunista (a tal do "proletariado") pelo terror, e com muito derramamento de sangue de inocentes, prontamente aceitaram juridicamente a proposta. Posteriormente portando-se como vítimas de um Estado Opressor... Todos eles consideraram mais que justas suas gordas indenizações “reparadoras” vitalícias. Apesar deste final supostamente construtivo, a maioria desses “derrotados”, agora pretendem anular a Lei da Anistia, obviamente sem deixar de receber suas indenizações, apesar das suas vítimas nada receberem, além de tentarem punir (nem que seja moralmente) quem os combateu.
J) – Uma prova contundente do caráter dessas pessoas é o caso do deportamento dos Atletas cubanos, e da adoção pelo Governo Brasileiro contra a vontade dos brasileiros, do Terrorista italiano Cesare battist condenado por vários assassinatos; indivíduo sanguinário e premeditado, que a pretexto de pertencer a organização anarquista, matou e mutilou inocentes... Não em legítima defesa, mas de forma impiedosa, alimentada por seu instinto sádico. Por razões óbvias, esta gente que hoje é poder, protege seus iguais, contribuindo para a impunidade que impera na República de Mentira Federativa Brasileira.
K) – Inocentar Cesare Battisti, como fez o então Presidente Lula orientado por seus asseclas, cuja incapacidade de entender a grandeza e as responsabilidades do cargo, tem o caráter de anistia individual extemporânea, em benefício de um criminoso comum condenado à prisão perpétua, que ingressou no Brasil clandestinamente com documentos de identidade falsos. O gesto insólito viola tratado celebrado com a Itália, agride o Direito Internacional Público e revela que, em detrimento do Direito italiano, fruto de milenar construção de consagrados juristas. Lula fez com que o Brasil optasse internacionalmente pela ilegalidade da Camorra. Portanto não existe mais no Brasil o tão celebrado pela Classe Jurídica e Política Brasileira, o Estado Democrático de Direito.
L) – Por outro lado, quando os Atletas cubanos que nem criminosos eram, supondo que o Brasil fosse um país soberano e democrático pediram asilo. Qual foi a atitude do Governo Lula?... Os deportaram para Cuba atendendo um pedido do seu camarada Fidel Castro sem a menor cerimônia, para lá serem punidos pelo "gravíssimo crime" por desejarem permanecer no Brasil. O Governo do PT literalmente os prendeu, julgou, condenou e os puniu devolvendo-os para a Ilha Prisão cujo Regime Totalitário Opressor Comunista tanto admira.

M) – Portanto está claro e óbvio que os iguais mais uma vez se protegeram. Ainda não entenderam?... Se o Governo Brasileiro composto por pessoas que na época dos "Anos de Chumbo" sem o menor escrúpulo fazia o mesmo, os Senhores estavam esperando que fosse assinado, mesmo que simbolicamente suas próprias sentenças, extraditando este tal de Terrorista e assassino CESARE BATTISTI, cuja prioridade deles hoje é distorcer as verdades para limparem seus nomes com o propósito de ficarem bem na história, através da tal unilateral Comissão da Verdade criada por eles mesmos, sem nenhum compromisso com a veracidade dos fatos...  
N) – É isso Senhores, então sem argumentos convincentes sobre o caso Battisti, o Governo Lula deu uma desculpa deslavada sobre "Soberania Nacional", desmoralizando o país perante o mundo para agradar o povo brasileiro desinformado; àquele que os elegem... Os Idiotas Úteis, os Analfabetos Funcionais. Fundamentada em meias verdades, esta Comissão da "Verdade", além de revanchista, unilateralmente pretende reescrever um passado heróico que nunca existiu, distorcendo a História que será ensinada nas escolas. A Comissão explicitamente visa construir um véu negro de mentiras sobre os propósitos da Luta Armada, seus métodos e/ou atrocidades utilizados visando o seu objetivo final: a implantação contra a vontade da sociedade brasileira de uma Ditadura do Proletariado (Comunista), enganando esta e as próximas gerações... Numa fantástica pantomima onde se travestem de heróis. 
O) – Partido (Único) Nacional Socialista (Nazista) dos Trabalhadores Alemães (da República Alemã), quanto o Partido (Único) Comunista (Socialista) da União das Repúblicas Soviéticas, buscaram inspiração nas idéias de Karl Marx. Costuma-se dizer que Comunismo é a Ditadura da Esquerda, enquanto o Nazismo seria a Ditadura da Direita. Nada mais falso, tanto o Nazismo quanto o Comunismo têm inspiração marxista. Ambos compartilham do ódio contra a burguesia, desrespeitam a propriedade privada (basta ver os confiscos realizados por ambos Regimes Totalitários Republicanos), do desprezo pelas liberdades individuais, da glorificação do Estado como centro das atenções, e da respectiva diminuição da importância do papel do indivíduo. Além disso, estes Regimes Republicanos pregam a planificação da economia, isto é, defendem o planejamento central da atividade econômica." Na História, todos estes regimes totalitários socialistas/comunistas, foram impostos se utilizando de métodos genocidas.
P) – Todos os Países Comunistas são Regimes Totalitaristas Republicanos: (Liberdade, Igualdade, Fraternidade... Ou a Morte)... A Revolta PopularDemocracia Direta Republicana do Poder PopularPoder do Povo, A Nova "Democracia", Comitê de Salvação Pública, Tribunal Comunitário... O Poder é do Povo até quando Interessa. Esta história já tem mais de dois séculos; 224 anos após a Revolução Francesa isso ainda não se concretizou. Destruiu, exterminou, e nada de útil, virtuoso e verdadeiro acrescentou; igualzinho aqui. «Liberté, Égalité, Fraternité, ou la Mort», texto exibido em um cartaz anunciando a venda de biens nationaux (1793). Logo após a revolução este lema foi escrito em algum momento como "Liberdade, Igualdade, Fraternidade, ou Morte", a parte "Morte" foi posteriormente suprimida por ser muito fortemente associada com o Reino do Terror. Durante a Ocupação Alemã da França na Segunda Guerra Mundial, este lema reacionário foi substituído pela frase "Travail, Famille, Patrie" (Trabalho, Família, Pátria). Após a Libertação, o Governo Provisório da República Francesa (GPRF) restabeleceu o lema republicano: Liberté, Égalité, Fraternité, reincorporando-o na Constituição Francesa.

Q) – Interessante que os Inocentes Analfabetos Funcionais, Políticos e afins republicanos: Direitistas, Esquerdistas, Centristas de qualquer coisa... Nada falam do GOLPE DE ESTADO, que numa trágica mágica reduziu o Império do Brasil que ombreava com as três mais poderosas nações do planeta, à condição de nação de terceira categoria pertencente a um Terceiro-Mundismo que providencialmente inventaram, lambuzada no pegajoso lodo da imundice do submundo de um inimaginável Mar de Esgoto, Paraíso desse Violentado Estado que deveria ser Democrático de Direito, dirigido por Organizações Criminosas Interpartidárias Aliadas e Coligadas ao Poder Constituído Central da República Federativa do Brasil. Até parece que por alguma razão estranha, estes Senhores nas suas fúteis utopias republicanas, acreditam mesmo que o Brasil foi inventado pela República em 15 de novembro de 1889, marco fundamental da inauguração do primeiro Estado de Exceção da História do Brasil. 
R) – Foi a partir de um Golpe de Traição ao Estado Brasileiro, caracterizado e executado como Golpe Militar, sem honra ou grandeza, que esta Farsa Republicana foi implantada à força por uma minoria de conspiradores traidores da pátria, todos devotos da Seita Positivista inventada pelo francês Auguste Comte, à revelia da vontade da maioria, e sem uma prévia consulta popular, em 15 de novembro de 1889; maculando a reputação do Exército de Caxias até que este Crime seja reparado ou ao menos reconhecido. Desta forma, esta República continua sendo moralmente redundantemente ILEGÍTIMA, ILEGAL e IMORAL. 
S) – O único GOLPE de fato que ocorreu por aqui, foi o Militar em 15 de novembro de 1889, quando o Brasil foi usurpado dos brasileiros, pelo primeiro REGIME TOTALITÁRIO REPUBLICANO da nossa História, cujas suas predadoras consequências se desdobraram pelo futuro em sucessivas INSURREIÇÕES, dentro do ambiente ilegítimo degradado dessa República Golpista de mentira abortada defunta. Por ingenuidade ou burrice induzida, ironicamente as pessoas mal sabendo do que seja ser republicano nesse país, batizam estes LEVANTES ocorridos já neste Estado Deprimente de Coisas com Pretensão de Direito, que têm sido meras brigas de Quadrilhas do Crime Organizado Político Partidário: de Golpes. 
- I -
CONCEITUANDO O TERRORISMO 
[Antônio Ribas Paiva] 
01) – Terrorismo é a politização da violência ilegítima. Configura tortura coletiva da sociedade, na tentativa de impor objetivos de grupos ideológicos ou religiosos. 

02) – O terrorismo ilegítima qualquer suposto direito de seus praticantes, porque não se pode admitir o massacre de inocentes, a que título for. 

03) – Como o terrorismo é instrumento de dominação, os terroristas são meros agentes de interesses transnacionais, na guerra permanente, por outros meios. Os chefes terroristas certamente têm conhecimento desse papel, que exercem para o poder real, que estabelece e controla a “Ordem Mundial”. 

04) – Apesar de ilegítimo, cruel e imoral, o terrorismo vem sendo praticado em todo mundo, dizimando e mutilando, crianças, idosos, mulheres, enfim, cidadãos pacíficos, não combatentes. 

05) – A América Latina, infelizmente, também é palco de atrocidades terroristas. Os radicais, predominantemente comunistas, causaram milhares de vítimas inocentes nos últimos quarenta anos, para tentar impor a ditadura comunista à sociedade. 

06) – Do México à Patagônia, os grupos narcoterroristas, que se intitulam comunistas, praticaram um verdadeiro genocídio nas últimas décadas; a queda do muro de Berlim não os dissuadiu. 

07) – A FARC da Colômbia, já dizimou mais de 40 mil inocentes; O TUPAC AMARU, do Peru, também fez milhares de vítimas. 

08) – Felizmente, o Brasil é exceção à regra, tanto na América Latina como no mundo, porque aqui os terroristas foram derrotados, pelas Forças Armadas, com o apoio dos brasileiros. 

09) – As Forças do Bem impediram os Lamarcas, Genoínos, Dirceus e outros, de massacrar os brasileiros. 

10) – No bom combate, morreram cerca de duzentos terroristas comunistas, cujos asseclas, agora, tentam demonizar as Forças do Bem, não satisfeitos com as polpudas e indevidas indenizações que recebem. 

11) – O Presidente Médici, que derrotou o terrorismo comunista no Brasil, impediu, que esses criminosos continuassem matando brasileiros até hoje, como ocorre na Colômbia e no Peru. O general merece o reconhecimento da história, por ter salvado milhares de pessoas, da sanha narcoterrorista. 

12) – No Brasil, apesar de serem promotores da morte, os terroristas e seus asseclas foram premiados com a anistia e com gordas indenizações, que atualmente ascendem a 3,5 bilhões de reais. 

13) – A sociedade brasileira e os governos militares perdoaram esses promotores do mal, na expectativa inocente de que passariam a ser promotores do bem. Ledo engano! Ao invés de se dedicarem a ajudar a construir um Brasil melhor, voltaram-se contra seus benfeitores, em atitude revanchista, porque foram derrotados na injusta guerra que deflagraram contra o povo brasileiro. 

14) – Na Itália e na Alemanha os seus congêneres, Brigadas Vermelhas e Baader-Meinhof, estão na cadeia ou no cemitério, porque não foram perdoados. Ao passo que, os terroristas brasileiros, beneficiados pela anistia, estão no governo e continuam a promover o mal. Os terroristas aparelharam o Estado em próprio proveito, descurando da obrigação de propiciar saúde, educação e segurança ao povo que os perdoou e que desprezam. 

15) – Os frutos da ação maléfica dos terroristas no poder são dois milhões de brasileiros assassinados pelo crime organizado, nos últimos 20 anos. Ou seja: sob o conivente, criminoso e olímpico olhar dos terroristas, a cada 3(três) dias, são assassinados mais brasileiros, do que morreram terroristas em combate, durante 21 anos de governos militares. 

16) – Pior do que o genocídio do povo brasileiro, propiciado pelos terroristas no poder, é o genocídio direto, que praticam roubando o dinheiro público e de empresas públicas, como a Petrobras, condenando com seus crimes 200 milhões de brasileiros à miserabilidade e, fragilizando a soberania brasileira. 

17) – Lamentam-se as vidas perdidas durante a guerra ao terrorismo, porém, a responsabilidade por essas mortes é exclusiva dos terroristas, que atacaram o povo brasileiro, para tentar implantar a ditadura comunista no Brasil. 

18) – O povo brasileiro não permitiu que implantassem a ditadura comunista em 1964 e, não permitirá agora!!! 

19) – Fossem decentes e dignos, os terroristas ao menos respeitariam a memória daqueles que os pouparam, perdoaram, indenizaram e permitiram que assumissem o governo. 

20) – Os presidentes militares, objetivando a pacificação da sociedade, foram complacentes com os inimigos do povo do Brasil e da Democracia. Todavia, a sua magnanimidade pessoal não foi reconhecida e teve funestas consequências, suportadas pela sociedade: o massacre de milhões de brasileiros pelo crime e, a roubalheira dos comunistas e seus “primos”, os socialistas. 

21) – “É importante conhecer a história, para que não se repitam os erros do passado”. Por ter esquecido o mal que lhe foi feito, o bom povo Brasileiro está sendo morto e roubado pelos terroristas que perdoou. 

22) – Porém, tudo tem limites. O limite entre a tolerância e a ação é a segurança do Brasil! A sociedade certamente restabelecerá as instituições, rompidas pelos terroristas e seus “sócios” da classe política, impondo a legitimidade ao trato da coisa pública. 

23) – Caluda traidores! As Forças do Bem e o bom povo brasileiro cumprirão o seu dever e, novamente, salvarão o Brasil das garras do mal. 
Antônio José Ribas Paiva, Advogado, é Presidente Associação dos Usuários de Serviços Públicos.  
O Terrorista Cesare Battisti em confraternização com Chico Alencar do PSOL, e demais Parlamentares de outros Partidos copartícipes do Regime-Síndico-Comuna-Socialista. 

Por que no Brasil Comunismo pode... Nazismo não pode? 

- II -
O Primeiro Estado de Excreção da Seita Positivista da História do Brasil. 

Surgiu em 1889 com a inauguração da Ditadura Militar da República dos Estados Unidos do Brasil, inventada por meia dúzia de traidores da pátria, membros da Seita Positivista de Auguste Comte.  
Principiou pelos piores caminhos possíveis, nas sombras conspiratórias, por meio de intrigas, mentiras, sem honra ou grandeza, arbitrariamente sem uma consulta popular, na ilegalidade do Golpe Militar Republicano de Traição e Lesa-Pátria de 15 de novembro de 1889, nódoa negra do Exército Brasileiro que nada justifica ser homenageado pelo nome do outrora Duque de Caxias do Exército Imperial; dívida vergonhosa que jamais legitimará as ações dos Traidores inventores da Farsa Republicana que acabou com o Brasil... Que o teu Professor educado desde tenra idade neste degradado Estado que finge ser de Direito, te ensinou a história bonita que nunca existiu, de uma tal "Proclamação" da República dos Estados Unidos do Brasil. Obviamente que uma coisa dessa sempre estará fadada ao fracasso enquanto perdurar.
O Princípio da Lambança Política Republicana Brasileira

A Interessante que ninguém questiona como a Lambança Política Republicana principiou. Lembro aos Senhores Analfabetos Funcionais que foi em 1889, com um Golpe Militar de Traição e Lesa-Pátria à revelia. Essa primeira Ditadura para se manter, massacrou impiedosamente 150.000 brasileiros (aos 6:28 do Vídeo:) apenas nos seus 7 primeiros anos de violenta repressão (mulheres, crianças, anciões, ex-escravos e militares opositores à arbitrariedade do primeiro Estado de Exceção Republicano da História do Brasil), numa época em que a população brasileira era de apenas 17.000.000 (12 vezes menor que a atual), que representaria hoje ao genocídio de 1.800.000 pessoas.
B Portanto há muita incoerência neste atual quadro de inconstitucionalidades, cujas negligências, inconsequências, segue assassinando mais de 120.000 brasileiros por ano, os Senhores se ocuparem com as intenções suspeitas desses incompetentes corruptos Desgovernos Republicanos, ao ficarem priorizando & choramingando somente os 400 mortos do último Regime Militar, demonizando apenas a mais Branda Ditadura desse Regime Político Republicano, inaugurado como Totalitário pelos próprios militares, e negligenciar as maiores tragédias das Tiranias desse mesmo Regime...  Além de ser de uma burrice tamanha, nada de proveitoso acrescentará à nação.
C A maioria dessas 400 pessoas morreram na Luta Armada; se empenhavam em impor uma Ditadura do Proletariado (Comunista) contra a vontade da população, extremamente pior que a Ditadura forçada na época por eles próprios com suas ações inconsequentes, estendida o tempo necessário para que fossem derrotados. É muito contra-senso desses Ingênuos Idiotas Úteis Zumbizados retrocederem apenas 50 anos na escala do tempo. Não passam de Marionetes docilmente abduzidas e sem vontade própria, manipuladas pelos barbantes de mentes obscuras; sem que saibam, são mero material descartável utilizado sem o menor escrúpulo, no trabalho sujo.
D A providencial amnésia aliciatória* induzida coletiva, é apenas um dos lamentáveis recursos utilizados no minucioso trabalho lobotomizador republicano. Usam inescrupulosamente a história do país da forma que melhor lhes convém, sempre visando colocar em prática suas ideologias por piores que sejam... Mesmo que seja para ressuscitar algum Regime Político das Trevas. Demonizar estes pequenos supostos “Golpes Militares”, aplicados no principal Golpe Militar deles mesmos... Queiram ou não, gostem ou não, é o mesmo que questionar a legitimidade da própria República inventada pelo Golpe Militar (de Estado) de 15 de novembro de 1889.
- III -
Ohanes Kabderian 
Entrevista
01 • Ohanes Kabderian aos 6:28 do Vídeo - 2ª Parte: O Exército Brasileiro após a proclamação da República matou sob o comando de Floriano 150.000 pessoas, isso é muita gente para morrer sem guerra. Matar nacionais por serem monarquistas pobres, pobres, monarquistas pobres. Canudos todos sabem que não tinha ninguém rico ali. O Exército Brasileiro não tem que ter nenhum receio da Monarquia, absolutamente. No dia que o Exército Brasileiro tiver consciência e voltar a enxergar em Duque de Caxias o grande militar brasileiro, o próprio Exército não agirá e nem fará nada como um golpe ou coisa parecida (...)
02 • Aos 7:40 do Vídeo - 2ª Parte: Outra grande ação deste “Herói Nacional” Floriano Peixoto, foi a compra daquela esquadra que se chamou de Esquadra de Papelão que ele trouxe dos Estados Unidos, exatamente para combater a Marinha de Guerra (em posse dos Oficiais Monarquistas) (...) E a nossa esquadra infelizmente estava em Santa Catarina, senão a gente teria destruído os americanos. Nós éramos mais poderosos que os americanos (...). Nós éramos a 2ª Marinha Mercante do Mundo e a 4ª Marinha de Guerra do Mundo (Muitos dizem que foi a 3ª). (...) Para mim o motivo da República foi destruir o Brasil...   
03 • Aos 8:40 do Vídeo - 2ª Parte: Toda esta experiência republicana tem sido um desastre. Toda esta experiência republicana é uma experiência de desastres... Não acredito que haja um brasileiro que seja republicano. O Brasil está sem identidade, não há mais conceito de pátria, referência de pátria, nada. Não se tem mais orgulho de ser brasileiro. O que é uma situação bem diferente do nosso Período Imperial; isso é destruir uma nação. Quando você destrói a vontade destrói a nação. A grande crise brasileira não é econômica, não é uma crise de produção climática, a crise brasileira é moral.
Ohanes Kabderian – Monarquia II – 2ª parte
Economista Ohanes Kabderian
04 • Aos 4:48 do Vídeo - Última Parte: Nós já fomos um grande país, e perdemos esta posição por causa dos desmandos que a República tem feito nestes seus 100 anos... O Brasil perdeu o seu Rumo. A diferença quando se fala de Império do Brasil, e a maneira como o mundo via o Império do Brasil, as grandes nações, não é mais a mesma maneira que vêem o Brasil hoje. O Imperador Pedro II foi Árbitro Internacional (...). A falta de conhecimento do povo infelizmente... Esta traição, o roubo da identidade do Brasil que a República cometeu, fez com que o brasileiro não saiba mais exatamente como é o seu país... Isso é uma subtração de conhecimento. (...) 
05 • Aos 7:05 do Vídeo - Última ParteQueremos que o Brasil volte a ser o que era, o Império, um país respeitado, um país rico, (...) Gostaríamos de ter orgulho de quando saíssemos de nosso país, viajássemos, de ter orgulho quando mostrássemos nosso passaporte, dizer que somos filho de um Império importante. (...) Eu gostaria que o povo brasileiro se lembrasse da situação política brasileira atual e refletisse se não gostaria de voltar a ter um governante reto, honesto, amante do seu país, como foi Princesa Isabel, e como foi D. Pedro I que fundou o Império. Então nossa história nos leva a preferir o que a gente perdeu... O que nos foi tomado. 
Ohanes Kabderian – Monarquia II – Última Parte
"Somos nós, do Exército Brasileiro, que temos na consciência o peso da participação na derrubada do Império e que conhecemos a responsabilidade que nos cabe na instauração desta República que, até os dias de hoje, envergonha a história política do Brasil."
Essa República de Mentira nada acrescentou de útil, virtuoso e verdadeiro ao Brasil. Por mais que me esforce, não consigo ver nobreza alguma em vossos políticos republicanos brasileiros... Tampouco algo em suas atitudes que os honrem ou engrandeçam.
“O Monarca pensa nas próximas gerações... O Presidente pensa nas próximas eleições”


Bandeira Imperial Brasileira atualizada com as 27 estrelas
URL
- IV -

Quanto à República dos Estados Unidos do Brasil

"Quanto à República dos Estados Unidos do Brasil, sua história mostra uma forma de governo que não consegue fugir de suas origens escabrosas. Nasceu de uma sedição militar (1889). Implantou um regime onde a regra era, como ainda é, a corrupção, a degradação dos costumes e o terror."

"Aliás, não lhe escasseiam na crônica fastos lastimosos e pudendos. Atravessamos, em 1894, a ditadura plena: o governo da espionagem, do cárcere e do fuzil, com o lar doméstico entregue às buscas policiais, o erário ao saque dos cortesões, o crédito público às emissões clandestinas, a vida humana ao espingardeamento, a educação de nossos filhos ao espetáculo de todos os crimes, ao comércio de todas as corrupções. No começo, foi para vencer. Em seguida, para exterminar os vencidos. De 13 de março a 30 de julho as ilhas da nossa baía presenciaram a execução de centenas e centenas de homens, marinheiros da nossa esquadra, que os chora, confiados pelos seus capitães, na hora da rendição, à santidade das leis da guerra e imolados pela vitória truculenta ao apetite dos seus instintos. 

Durante esse período lutuoso o país inteiro, assombrado, assistira a tragédias como as do Paraná, onde o caminho de ferro conduzia aos espigões das serranias as vítimas do rancor homicida, para as sepultar nos despenhadeiros, fuzilando-as na queda. Tivemos, em março de 1897, a demagogia acompadrada com a autoridade, no Rio de Janeiro, destruindo prelos, armando queimadoiros nas praças, organizando a morte, executando as suas sentenças capitais à cara do governo, na sua capital. Viu-se, pouco mais tarde, nos sertões da Bahia, sobre os restos do fanatismo aniquilado, a liquidação pela degola, pelo petróleo, pela trucidação de mulheres e crianças. Nos sertões de S. Paulo a lei de Lynch, alistada ao serviço dos partidos, consumou impunemente, com a notória proteção dos interesses dominantes, uma das mais horrendas cenas de sangue registradas nos anais da nossa ferocidade."
(Ruy Barbosa: em A Imprensa: março de 1900)
Os socialistas não evoluíram


Se ele longe de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, sem rede nacional de televisão, percebeu isso tudo... Imagine quem estava nas Capitais destes Estados. Políbio Braga foi preso duas vezes pelos militares, em 1962 e 1972. Publicou um livro sobre esta experiência, chamado Ahú, diário de uma prisão política.

Os socialistas não evoluíram

"(...) Não defendo crimes hediondos de nenhum dos dois contendores, mas sim a Lei de Anistia e o conhecimento imparcial da verdade dos fatos. No Brasil havia um "centrão democrático" onde estavam o governo e a oposição legal, ambos querendo paz e redemocratização. À direita do governo e à esquerda da oposição havia extremistas que cometeram violações. Existe uma orquestração socialista para que as Forças Armadas peçam desculpas à nação por violações cometidas por militares na defesa da lei, da ordem e das instituições, como se fossem norma institucional e não desvios individuais. (...)"


 https://www.youtube.com/watch?v=UeXIrPc_O8o&list=PLC6D2F4AFD45D0D69
"(...) Lamento pelas famílias dos militantes mortos ou desaparecidos, cujo propósito era implantar um Estado Totalitário incoerente com o que hoje orquestram, pois se utilizavam do terrorismo, sequestro, tortura e execuções... Mas lamento muito mais pelas vítimas de seus crimes e seus familiares, pois muitas ficaram com sequelas e outras nem souberam por que morreram. Os torturados e assassinados pela luta armada quanto suas famílias, nunca são lembrados nem indenizados. A mídia não mostra os dramas de famílias como as de José Conceição (fazendeiro em SP) – torturado e morto a tiros pela ALN de Marighella, ou a de João Pereira (guia do Exército no Araguaia) – torturado e assassinado pelo PCdoB na frente dos pais. Cortaram suas orelhas, dedos e mãos, antes de enfiar-lhe uma faca. (...)" E muitos outros.
"(...) A esquerda jamais pedirá  desculpas por iludir os Jovens, retardar a redemocratização, criar o conflito que enlutou muitas famílias, cometer crimes hediondos e tentar liquidar a democracia. Os socialistas intensificaram a luta armada quando o governo Costa e Silva ensaiou a abertura democrática. (...) A resposta de Marighella no Manual do Guerrilheiro Urbano foi: "atacando de coração essa falsa eleição e a chamada solução política, o guerrilheiro urbano tem que se fazer mais agressivo e violento, girando em torno da sabotagem, terrorismo, expropriações, assaltos, sequestros e execuções"... Esse falso herói é o ícone da esquerda e vem dando o nome a locais públicos em todo o Brasil. Portanto, os socialistas não evoluíram. (...)" 

- V -

Essa República de Mentira nada acrescentou de útil, virtuoso e verdadeiro ao Brasil.
01  Não se consegue ver nada de sensato na curiosa sucessão de desastres ocorridos após o Golpe republicano que descaracterizou e mutilou este país, fazendo com que perdesse seu status de nação respeitada, perdesse o seu rumo, a autonomia e a auto-estima, adotando um permanente sentimento de inferioridade perante os outros povos, que numa ridícula postura submissa, suas culturas passou a admirar e imitar... Enquanto suas Raízes Históricas e a Legítima Identidade Nacional, criminosamente foram sabotadas por uma República de Mentira importada, que seguiu convertendo segundo seus mórbidos interesses, reduzindo o povo numa legião desorientada, sem identidade, sem referência de pátria, sem vontade própria, sem orgulho ou amor pelo seu país... Sem nada. Isso é destruir uma nação na sua essência.
02 Relembrando alguns fatos da nossa recente História, antes da Intervenção Militar de 64, já aconteciam treinamentos de pessoal (inclusive em Cuba sustentada pela URSS), infiltração clandestina de armas e munições no território brasileiro, para serem utilizadas no planejado Golpe Comunista. Após a Intervenção Militar clamada pela população, com o prolongamento da já caracterizada Luta Armada e das Ações Terroristas... Esta intervenção que primordialmente deveria ser curta, foi obrigada a se prolongar como um Regime Militar (Ditadura ou Anos de Chumbo para muitos), conseqüência forçada pelo Terrorismo e a Guerrilha, que acabou por retardar a entrega do poder pelos militares. Isso só foi possível após a derrota destes grupos armadosSou a favor da Intervenção Militar Legítima prevista na Constituição para sanear a nação, quando o Caos se desenha. Se as FFAA não honram seus Juramentos feitos perante a Bandeira da República que inventaram em 1889, não cumprem com suas obrigações e deveres legais constitucionais... Trai a pátria e seu povo. 
03 • Enquanto isso a Outrora Terrorista Dilma, com as suas Hordas de Zumbis Lobotomizados, se apega providencialmente a uma tal de “Comissão da Verdade” inventada e formatada por ela mesma, para iludir os Analfabetos Funcionais, criando um Véu Negro de mentiras sobre a Tragédia Dantesca que desgraça com o país, remetendo-os a um passado distante ao qual não estiveram presente, e que apenas possuem uma vaga noção distorcida do que foi, e nada de útil acrescentará a eles mesmos ou a nação, pelo menos da forma irresponsável que estão sendo direcionados os trabalhos. Explicitamente a intenção deste Governo Central é catalisar a atenção do povo desinformado, para um passado que nada trará de benefício prático a nação, numa tentativa insana de criarem uma fábula onde justificam ações injustificáveis de indivíduos, que assassinavam na maioria pessoas inocentes, em nome da implantação no país de uma Ditadura do Proletariado (Comunista), que a maioria da sociedade repelia, enquanto desgovernam no presente. 
04 • Por quê não aceitam a proposta dos militares de se levantar as ações de todos envolvidos, para que se elabore um documento sério de fato, que tenha alguma utilidade histórica?... Que credibilidade este trabalho da Comissão da "Verdade" terá, se omite os métodos, ações e resultados da Luta Armada, e com qual finalidade lutavam?... Isso mais parece uma grande brincadeira de delinquentes para desviar com as suas lambanças, a atenção do povo desinformado dos verdadeiros problemas da nação, que têm matado dezenas de milhares de pessoas por ano, com o propósito de reescreverem uma História bonita alicerçada em meias "verdades" que se traduz em mentiras, para doutrinar as criancinhas nos bancos das escolas, com uma fábula inventada, onde os Bandidos de outrora, alguns já condenados pelos seus crimes do presente, se travestem de heróis salvadores da Pátria.
05 • Nesta atual Desconjuntura Predatória Governista Socialista & Comunista, se esta tal de Comissão da Verdade fosse séria, e não unilateral, cujos seus membros foram escolhidos a dedo pela própria outrora Terrorista Dilma: todos estariam falando... E segundo os próprios Generais: “doa a quem doer”; e certamente a Dona Dilma Cairia com o seu inútil Desgoverno Fantoche. O resultado desta farsa, indubitavelmente será um Grande Nada Moral sem legitimidade, que nada acrescentará de útil e proveitoso à Nação, e apenas servirá para ilegitimamente travestir os Terroristas, Sequestradores, Assaltantes de Banco, Guerrilheiros, Bandidos já Condenados... De Heróis Salvadores da Pátria, e beneficiar este Desgoverno de Mentira Marxista-Leninista-Maoista. Além de desviar à atenção da população brasileira das mazelas que corroem a nação.
06 • Não defendo Ditaduras... Seja uma Civil análoga a de Getúlio ou as Militares. Eu tinha 15 anos em 1964. A questão é: o quê deveria ser feito naquele momento Histórico da República Brasileira. Entregar o país contra a vontade da maioria da sua população ao Domínio de uma tal de Internacional Comunista, ou clamar por uma intervenção Constitucional das Forças armadas?... A resposta foi o povo nas ruas pedindo uma atitude enérgica das Forças Armadas. Isso é fato incontestável. Quem viveu naquela época foi testemunha desta História... O resto é balela de comunista para iludir, enganar e doutrinar criancinhas com suas cartilhas nas escolas. Quando pessoas são lobotomizadas desde a infância, lenta, gradativa e continuamente, morrem acreditando nas mentiras que lhes foram incutidas, assim! as mentiras acabam virando as suas verdades. É por isso que hoje existe uma geração de supostos Intelectuais (Analfabetos Funcionais) que continuam abduzindo e formando novas gerações de Marionetes (Idiotas Úteis), sem a mínima condição de discernimento. Este processo, acaba se transformando numa trágica irreversível Ciranda sem Fim...
07 • O resultado aí está para que todos vejam, inclusive partindo do próprio "Poder" Central. Demonizam as Forças Armadas pelos 400 mortos e desaparecidos, dos que queriam arbitrariamente à custa de muito derramamento de sangue de brasileiros inocentes, implantar um Regime Autoritário Comunista. As FFAA durante 21 anos combateram com a aprovação de 90% da população às ações destes grupos radicais que nem representavam 1% da população na época. Mesmo ilegitimados pela vontade da maioria, esses militantes continuaram insistindo nos atentados terroristas (que na maioria das vezes matava e mutilava pessoas inocentes); sequestros acompanhados de execuções sumárias; sequestros de aviões; não menos do que 400 assaltos à bancos que também vitimavam inocentes; guerrilha (luta armada) acompanhada de execuções sumárias & justiçamentos... Depois de derrotados, posteriormente essa mesma gente destes tais grupos, muitos deles treinados em Cuba, descaradamente passaram a afirmar que lutavam pela democracia, financiados pelos recursos repassados à Cuba pela União Soviética.

08 Grande parte destes "inofensivos angelicais" Terroristas, receberam treinamento de guerrilha em Cuba financiada pela URSS, outros na própria União Soviética e alguns chegaram "visitar" a China. Terroristas que mataram, “justiçaram”, sequestraram e assaltaram. Estes heróis de mentira, iludidos por líderes oportunistas golpistas, com promessas de serem recompensados num futuro governo tirânico, por terem participado na criação de um gigantesco Estado Comunista Brasileiro no Continente Americano, que abriria mão da sua soberania, em troca de uma tal de Internacional (União de Repúblicas Socialistas da América Latina) comandada por Moscou. Daí a explicação do amor incondicional dessas pessoas por CUBA, Chê GuevaraFidel CastroKarl MarxLenin... É compreensível que uma Dona Dilma que foi educada por um pai búlgaro comunista, numa época em que a Bulgária era uma República Popular Comunista sob a influência da União Soviética, priorize hoje Cuba e uma União de Repúblicas Comunistas na América Latina, em detrimento do Brasil.
09 • Veneram um tal de Sistema de Governo Comunista e seus Líderes, que no século XX matou em torno de 100.000.000 de pessoas, e que segue assassinando neste século XXI. Não defendo Ditaduras, entretanto, as manifestações de rua na época dos "Anos de Chumbo", se comparadas com a Truculência do Terrorismo de Estado atual... Mais parecem brincadeirinha de criança. O incrível é que por mais que procuram... Não conseguem encontrar imagens piores do que às da violência dos atos Terroritas de outrora, ou da repressão deste Suposto Estado Democrático de Direito da atualidade que esta gente inventou. 
10 • Desconheço na História da Humanidade, que tenha existido um país continental, com a população do Brasil, envolvido com Ataques Terroristas e uma Luta Armada durante 21 anos... Que tenha morrido de ambos os lados conflitantes, apenas 550 pessoas, sendo destas, 400 simpatizantes à implantação à força do Comunismo no Brasil... Uma média de 19 pessoas por ano. Houve mortes de pessoas inocentes, atrocidades, torturas?... Sim, nesta “Guerra” como em todas, ocorreram dos dois lados, mas as maiores barbáries foram cometidas pelos Comunistas, que em nome da sua “Nobre Causa” assassinavam pessoas inocentes com requintes de crueldade, ora na frente dos seus filhos, ora criança na frente dos seus pais, como no caso do garoto no Araguaia.
• 
11 • (...) Ainda em relação ao Araguaia, o General Leônidas chama de “guerra” o enfrentamento que ocorreu entre as Forças Armadas e os guerrilheiros do PCdoB. “O que resulta de guerra? Morte. Essas coisas são conseqüências muito naturais. Eles (os grupos de esquerda que participaram da luta armada) perderam a guerra e agora querem ganhar no tapetão”, afirma. De acordo com ele, o número de ativistas políticos de esquerda mortos durante o regime militar — cerca de 350 — foi até pequeno se comparado ao que aconteceu nas ditaduras do Chile, 3 mil mortos, e Argentina, 30 mil mortos. “Nossa vitória, do ponto de vista de (perda de) vidas humanas, foi muito sóbria". Por fim, conclui: “Na guerra só há uma coisa bonita: a vitória. O resto não é bonito”. (...) 
12 (...) Na opinião de Leônidas, o Exército não tinha a obrigação de mostrar o “Livro Negro” a ninguém, já que a obra não foi publicada. “Isso é passado. Vamos olhar para frente”, sugeriu. O general critica os guerrilheiros do Araguaia — “A pergunta é: o que eles estavam fazendo lá? Fazendo um enclave, que é uma coisa lesa-pátria. O resto é conversa fiada” —, critica antigos companheiros de desaparecidos políticos — “Nós cuidamos dos nossos mortos. Eles deviam ter cuidado dos mortos deles” — e critica também os familiares — “Por que não perguntam o que seus filhos estavam fazendo lá? Por que não perguntam se mereciam ou não mereciam, na luta, serem mortos?”. (...)
13 • (...) Na condição de Ministro do Exército, Leônidas se reuniu com o então Presidente da República José Sarney para discutir o que fazer com a versão oficial dos militares para a Luta Armada que o Serviço Secreto do Exército acabara de concluir. “Falei para o Sarney que não ia publicar o livro. Para que criar um problema que não existe?”, recorda Leônidas. “Esse livro”, concluiu o general na conversa com o presidente, “fica como um documento, que nós (militares) podemos ter a necessidade (de divulgar) no futuro”. De acordo com Leônidas, Sarney concordou e ambos deram o caso por encerrado. (...) “Apesar de respeitar muito o general Leônidas, (…) lamentei muito, muito mesmo, sua decisão de guardar as informações de que dispunha. Apesar de entender as circunstâncias, considero que cometeu um equívoco de avaliação irreparável. Foi uma oportunidade de tomar a iniciativa. Foi a oportunidade de sair na frente”, escreveu Del Nero na edição especial do Inconfidência – jornal mensal mantido por oficiais da reserva – de 30 abril, dedicada ao Livro Secreto. Para o coordenador do Projeto Orvil, a esquerda aproveitou o silêncio dos militares para impor uma versão deturpada da ditadura (1964-1985) e da Luta Armada. (...) 
 
14 • Leônidas confirma que partiu dele a ordem para fazer o livro. Diz, porém, que não ficou com nenhum exemplar. “O livro foi feito pelo CIE (Centro de Informações do Exército, serviço secreto da Força) com base nos documentos que o órgão dispunha”, afirma. O general é categórico ao comentar a suposta destruição de documentos do CIE, que, segundo vem argumentando o Exército nos últimos anos, impediria a divulgação de informações referentes ao combate às guerrilhas urbana e rural nas décadas de 1960 e 1970: “Foram queimados coisa nenhuma”. (...) Quais seriam as “necessidades” a que se refere Leônidas? É o próprio general quem explica: atos de “revanchismo” contra as Forças Armadas por parte de “quem perdeu a guerra”. “Naquele tempo (em que o livro foi feito), não havia o que acontece agora, um revanchismo sem propósito”, afirma ele. “No meu período como ministro (1985-90), não houve nenhum problema dessa natureza, essas ‘mães não-sei-do-quê’, (grupos do tipo) Tortura Nunca Mais”. 
15 • São encantados pelo Regime Ditatorial Cubano, e até já cantam de mãos dadas nas aberturas das seções "A Internacional", adotado como hino oficial da extinta União Soviética. Se espelham nos Heróis de Barro, como Che Guevara, Fidel Castro, Karl Marx, Lenin... Demonizam as Forças Armadas Brasileiras por combaterem com o aval da maioria da população os que ingenuamente aliciados ou não, pretendiam implantar à força e à custa do derramamento de muito sangue de milhares de brasileiros, uma Ditadura do Proletariado (Comunista), que hoje descaradamente colocam em prática, nos mesmos moldes das obscuras idéias de outrora, depois de feito um minucioso trabalho de Lobotomização em duas gerações desde tenra idade, à partir dos bancos das escolas. 
16 • Esta lavagem cerebral foi iniciada e executada com primor por professores e ideólogos, em pleno Dóceis Anos de Chumbo (que muitos atualmente acreditam nas suas ingenuidades que não se podia nada). Esta doutrinação se estende até o presente, inclusive feita por uma nova geração de “Professores”. Como resultado, temos hoje neste Fracassado Sistema Republicano Brasileiro, um Governo gerido por analfabetos funcionais, que controlam uma colossal massa de Idiotas Úteis, abduzida e Zumbizada.
17 • Por que será que os Partidos de Esquerda Brasileiros odeiam bandeiras verdes e amarelas, e queimam ensandecidos a Bandeira da República do Brasil?... Procure saber o porquê endeusam Che, Fidel e o Regime Cubano que já assassinou mais de 85.000 pessoas numa "Ilha Prisão" com apenas a população da Grande São Paulo, que comparativamente, proporcionalmente já matou 3.600 vezes mais que o Regime Militar Brasileiro. É isso mesmo: O Regime Castrista que o PT e todos os Partidos Socialistas & Comunistas Brasileiros apoiam, bajulam e veneram, já matou 3.600 vezes mais do que os famosos "Anos de Chumbo" da nossa "Benevolente” Ditadura Militar. Esta complacência e identificação do Governo Brasileiro por Cuba é realmente um estranho fenômeno que transcende os limites da racionalidade.
18 • Lamentavelmente a Intervenção Militar de 1964 apenas retardou a Cubanização do Brasil. Finalmente 30 anos após a entrega do poder pelos militares ― Viva! a agora arbitrária, antidemocrática, inconstitucional, incompetente... República Socialista & Comunista Brasileira. Isso tem sido cíclico nestes 124 anos de retrocessos republicanos... O brasileiro paga mais de 50% de impostos em cascata, e grande parte destes recursos vão para os bolsos dos asseclas governistas, pois não tem havido o justo retorno proporcional. Não se vislumbra nenhuma possibilidade de uma Intervenção Institucional Militar contra o atual quadro de inconstitucionalidades generalizadas. Paralelamente ao desmantelamento lento e contínuo das Forças Armadas, se seguiu progressivamente um primoroso trabalho ideológico lobotomizante dentro dos seus quadros. Estes "parlamentares" celebram e riem da inoperância, falta de unidade e vontade, dentro e/ou entre as FFAA. Nesta desconjuntura institucionalizada, nem sei se existe, em algum momento existiu, interesse ou estratégia em reverter o caos que se desenha. O Brasil deve ser o único país continental do planeta, ao contrário da extinta Comunista URSS, que coloca em risco a sua Soberania Nacional, em nome de uma já há muito fracassada ideologia.
19 • O povo brasileiro está desgovernado e desorientado... Não sabe mais com quem contar. Desesperado se apega ao "Poder Moderador" das Forças Armadas, às suas obrigações institucionais juradas perante a Bandeira da República do Brasil que inventaram em 1889... Ingenuamente achando que ainda existe os Generais de 1964. Sem saída pelo voto, não há ambiente mais propício e legítimo para o Exército Brasileiro finalmente acordar, honrar o seu Patrono Duque de Caxias, cumprir com o seu dever, reparar a lambança feita por alguns Traidores da Pátria em 1889, devolvendo aos brasileiros o que lhes foi tirado, Desproclamando esta República de Mentira (pela lógica, é mais legal anular a República proclamada na ilegalidade, do que anular a Lei da Anistia). Já passou da hora de se resgatar a Gloriosa Nação Brasileira de outrora, que se perde na bruma da memória.
20 • Leia sempre e assista aos vídeos do que é publicado dos dois lados envolvidos. Assista as propagandas financiadas pelo PT (Governo) transformadas em filmes (como exemplo: Carlos Lamarca e Marighella), com o nítido propósito de transformarem Bandidos em Heróis, Santos, São Jorge, ou seja lá o que for. Avalie... Faça tuas reflexões, não se deixe aliciar, não se transforme numa marionete abduzida manipulada por interesses obscuros. Leia sobre o Império do Brasil... O que éramos e em que o Golpe Militar Republicano de 1889 nos transformou. Leia sobre a História do Comunismo, sobre a Revolução Russa de 1917, a Revolução Cubana, a História do Terrorismo Comunista no Brasil, e o porquê quem habita um país Comunista, a opção de visitar ou morar em outro país, é praticamente nula, e quando o faz, fica preso a certas restrições... Como por exemplo: impedido de viajar com sua família, para que fique obrigado a retornar.
Emanuel Nunes Silva 
2011/2012/2013/2014 
Nos Capítulos - VI - e - VII - abaixo, estão incluídos os nomes das pessoas mortas e desaparecidas durante os Anos de Exceção (1964 - 1985).
Tanto das pessoas seqüestradas, torturadas, assassinadas (despedaçadas), justiçadas... Pelos grupos da Esquerda Armada (terrorismo & guerrilha socialista/comunista), quanto das que foram cassadas, auto-exiladas, presas, torturadas, assassinadas e/ou desaparecidas pela reação do Estado. 
"Em 25 de julho de 1966, no Aeroporto dos Guararapes, no Recife, terroristas empreenderam um atentado contra o Gal. Arthur da Costa e Silva. A explosão de uma bomba matou o jornalista Edson Régis de Carvalho e o Almirante Nelson Gomes Fernandes. Além das duas vítimas fatais, ficaram feridas 17 pessoas, entre elas o então coronel do Exército Sylvio Ferreira da Silva, que, além de fraturas expostas, teve amputados quatro dedos da mão esquerda, e Sebastião Tomaz de Aquino, o Paraíba, guarda civil que teve a perna direita amputada. "Um dos executores do atentado, revelado pelas pesquisas e entrevistas de Gorender, foi Raimundo Gonçalves de Figueiredo, codinome CHICO, que viria a ser morto pela Polícia Civil, em abril de 1971, já como integrante da VAR-PALMARES."
Atentados, Sequestros, Execuções... Promovidos pelos Terroristas ocorreram muitos. Para eles: "Os fins justificam os meios".  ("atacando de coração essa falsa eleição e a chamada solução política, o guerrilheiro urbano tem que se fazer mais agressivo e violento, girando em torno da sabotagem, terrorismo, expropriações, assaltos, sequestros e execuções"... Marighella em seu: Manual do Guerrilheiro Urbano). Esse herói de mentira é o ícone da esquerda e vem dando o nome a locais públicos em todo o Brasil. Essa gente remanescente destes grupos, perdoada e indenizada com o dinheiro do contribuinte, é a escória do Brasil. Não são piores do que a maioria dos Políticos, que hoje matam em apenas um dia com suas ações inconseqüentes predatórias, o que o terrorismo e a luta Armada matou durante os 21 anos na última Ditadura da República Brasileira.

- VI -

Vítimas do Terrorismo
Esta Matéria traz a lista dos nomes de todas as vítimas confirmadas do terrorismo de extrema-esquerda no Brasil. O terrorismo de esquerda ocorreu dentro do contexto da Guerra Fria e não ficou restrito ao Brasil, tendo ocorrido em diversos países como Uruguai, Paraguai, Argentina, Peru, Colômbia, Guatemala, etc. Em reação a tentativa das guerrilhas comunistas de tomar o poder, instauraram-se regimes militares na América do Sul para preservar as nações de regimes totalitários, como os que mataram mais de 100 milhões de pessoas na União Soviética, China, África, no Camboja e também na América Central. Mais abaixo em outra lista, estão cerca de 530 mortos mortos de ambos os lados, incluindo as vítimas inocentes sem nenhum envolvimento político com as ações armadas, assassinadas intencionalmente ou não pelos grupos radicais de extrema-esquerda. 


Fantástico - a face oculta da guerrilha brasileira
https://www.youtube.com/watch?v=oBXsYgQBUbg
Segue a lista das vítimas, separadas por ano: 

1964:
12/11/64 – Paulo Macena,  Vigia – RJ
Explosão de bomba deixada por uma organização comunista nunca identificada, em protesto contra a aprovação da Lei Suplicy, que extinguiu a UNE e a UBES. No Cine Bruni, Flamengo, com seis feridos graves e 1 morto.

1965:
27/03/65 – Carlos Argemiro Camargo, Sargento do Exército – Paraná
Emboscada de um grupo de militantes da Força Armada de Libertação Nacional (FALN), chefiado pelo ex-coronel Jeffersom Cardim de Alencar Osorio. Camargo foi morto a tiros. Sua mulher estava grávida de sete meses.

1966:
25/07/66 – Edson Régis de Carvalho, jornalista – PE
25/07/66 – Nelson Gomes Fernandes, almirante – PE
Explosão de bomba no Aeroporto Internacional de Guararapes, com 17 feridos e 2 mortos. Além das duas vítimas fatais, ficaram feridas 17 pessoas, entre elas o então coronel do Exército Sylvio Ferreira da Silva. Além de fraturas expostas, teve amputados quatro dedos da mão esquerda. Sebastião Tomaz de Aquino, guarda civil, teve a perna direita amputada.

1967:
24/11/67 – José Gonçalves Conceição (Zé Dico) – Fazendeiro – SP
Morto por Edmur Péricles de Camargo, integrante da Ala Marighella, durante a invasão da fazenda Bandeirante, em Presidente Epitácio. Zé Dico foi trancado num quarto, torturado e, finalmente, morto com vários tiros. O filho do fazendeiro que tentara socorrer o pai foi baleado por Edmur com dois tiros nas costas.

15/12/67 – Osíris Motta Marcondes,  bancário – SP
Morto quando tentava impedir um assalto terrorista ao Banco Mercantil, do qual era o gerente.

1968:
10/01/68 – Agostinho Ferreira Lima – (Marinha Mercante – Rio Negro / AM)
No dia 06/12/67, a lancha da Marinha Mercante “Antônio Alberto” foi atacada por um grupo de nove terroristas, liderados por Ricardo Alberto Aguado Gomes “Dr. Ramon”, o qual, posteriormente, ingressou na Ação Libertadora Nacional (ALN). Neste ataque Agostinho Ferreira Lima foi ferido gravemente, vindo a falecer no dia 10/01/68.

31/05/68 – Ailton de Oliveira, guarda Penitenciário – RJ
O Movimento Armado Revolucionário (MAR) montou uma ação para libertar nove de seus membros que cumpriam pena na Penitenciária Lemos de Brito (RJ) e que, uma vez libertados, deveriam seguir para a região de Conceição de Jacareí, onde o MAR pretendia estabelecer o “embrião do foco guerrilheiro”. No dia 26/05/68, o estagiário Júlio César entregou à funcionária da penitenciária Natersa Passos, num pacote, três revólveres calibre 38. Às 17h30, teve início a fuga. Os terroristas foram surpreendidos pelos guardas penitenciários Ailton de Oliveira e Jorge Félix Barbosa. Foram feridos, e Ailton morreu no dia 31/05/68. Ainda ficou gravemente ferido o funcionário da Light João Dias Pereira, que se encontrava na calçada da penitenciária. O autor dos disparos que atingiram o guarda Ailton foi o terrorista Avelino Brioni Capitani.

26/06/68-  Mário Kozel Filho – Soldado do Exército – SP
No dia 26/06/68, Kozel atua como sentinela do Quartel General do II Exército. Às 4h30, um tiro é disparado por um outro soldado contra uma camioneta que, desgovernada, tenta penetrar no quartel. Seu motorista saltara dela em movimento, após acelerá-la e direcioná-la para o portão do QG. O soldado Rufino, também sentinela, dispara 6 tiros contra o mesmo veículo, que, finalmente, bate na parede externa do quartel. Kozel sai do seu posto e corre em direção ao carro para ver se havia alguém no seu interior. Havia uma carga com 50 quilos de dinamite, que, segundos depois, explode. O corpo de Kozel é dilacerado. Os soldados João Fernandes, Luiz Roberto Julião e Edson Roberto Rufino ficam muito feridos.

É mais um ato terrorista da organização chefiada por Lamarca, a VPR. Participaram do crime os terroristas Diógenes José de Carvalho Oliveira, Waldir Carlos Sarapu, Wilson Egídio Fava, Onofre Pinto, Edmundo Coleen Leite, José Araújo Nóbrega, Oswaldo Antônio dos Santos, Dulce de Souza Maia, Renata Ferraz Guerra Andrade e José Ronaldo Tavares de Lima e Silva. Ah, sim: a família de Lamarca recebeu indenização. De Kozel, quase ninguém mais se lembra.

27/06/68 – Noel de Oliveira Ramos – civil – RJ
Morto com um tiro no coração em conflito na rua. Estudantes distribuíam, no Largo de São Francisco, panfletos a favor do governo e contra as agitações estudantis conduzidas por militantes comunistas. Gessé Barbosa de Souza, eletricista e militante da VPR, conhecido como “Juliano” ou “Julião”, infiltrado no movimento, tentou impedir a manifestação com uma arma. Os estudantes, em grande maioria, não se intimidaram e tentaram segurar Gessé que fugiu atirando, atingindo mortalmente Noel de Oliveira Ramos e ferindo o engraxate Olavo Siqueira.

27/06/68 – Nelson de Barros – Sargento PM -  RJ
No dia 21/06/68, conhecida como a “Sexta-Feira Sangrenta”, realizou-se no Rio uma passeata contra o regime militar. Cerca de 10.000 pessoas ergueram barricadas, incendiaram carros, agrediram motoristas, saquearam lojas, atacaram a tiros a embaixada americana e as tropas da Polícia Militar. No fim da noite, pelo menos 10 mortos e centenas de feridos. Entre estes, estava o sargento da PM Nelson de Barros, que morreu no dia 27.

01/07/68 – Edward Ernest Tito Otto Maximilian Von Westernhagen – major do Exército Alemão – RJ
Morto no Rio, onde fazia o Curso da Escola de Comando e Estado Maior do Exército. Assassinado na rua Engenheiro Duarte, Gávea, por ter sido confundido com o major boliviano Gary Prado, suposto matador de Che Guevara, que também cursava a mesma escola. Autores: Severino Viana Callou, João Lucas Alves e um terceiro não-identificado. Todos pertenciam à organização terrorista COLINA- Comando de Libertação Nacional.

07/09/68 – Eduardo Custódio de Souza – Soldado PM – SP
Morto com sete tiros por terroristas de uma organização não identificada quando de sentinela no DEOPS, em São Paulo.

20/09/68 – Antônio  Carlos  Jeffery – Soldado PM – SP
Morto a tiros quando de sentinela  no quartel da então Força Pública de São Paulo (atual PM) no Barro Branco. Organização terrorista que praticou o assassinato: Vanguarda Popular Revolucionária. Assassinos: Pedro Lobo de Oliveira, Onofre Pinto, Diógenes José Carvalho de Oliveira, atualmente conhecido como “Diógenes do PT”, ex-auxiliar de Olívio Dutra no Governo do RS.

12/10/68 – Charles Rodney Chandler – Cap. do Exército dos Estados Unidos – SP
Herói na guerra com o Vietnã, veio ao Brasil para fazer o Curso de Sociologia e Política, na Fundação Álvares Penteado, em São Paulo/SP. No início de outubro de 68, um “Tribunal Revolucionário”, composto pelos dirigentes da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), Onofre Pinto (Augusto, Ribeiro, Ari), João Carlos Kfouri Quartin de Morais (Maneco) e Ladislas Dowbor (Jamil), condenou o capitão Chandler à morte, porque ele “seria um agente da CIA”. Os levantamentos da rotina de vida do capitão foram realizados por Dulce de Souza Maia (Judite). Quando retirava seu carro das garagem para seguir para a Faculdade, Chandler foi assassinado com 14 tiros de metralhadora e vários tiros de revólver,  na frente da sua mulher, Joan,  e de seus 3 filhos. O grupo de execução era constituído pelos terroristas Pedro Lobo de Oliveira (Getúlio), Diógenes José de Carvalho Oliveira (Luis, Leonardo, Pedro) e Marco Antônio Bráz de Carvalho (Marquito).

24/10/68 – Luiz Carlos Augusto – civil – RJ
Morto, com 1 tiro, durante uma passeata estudantil.

25/10/68 – Wenceslau Ramalho Leite – civil – RJ
Morto, com quatro tiros de pistola Luger 9mm durante o roubo de seu carro, na avenida 28 de Setembro, Vila Isabel, RJ. Autores: Murilo Pinto da Silva (Cesar ou Miranda) e Fausto Machado Freire (Ruivo ou Wilson), ambos integrantes da organização terrorista COLINA (Comando de Libertação Nacional).

07/11/68 – Estanislau Ignácio Correia – Civil – SP
Morto pelos terroristas Ioshitame Fugimore, Oswaldo Antônio dos Santos e Pedro Lobo Oliveira, todos integrantes da Vanguarda Popular Revolucionária(VPR), quando roubavam seu automóvel na esquina das ruas Carlos Norberto Souza Aranha e Jaime Fonseca Rodrigues, em São Paulo.

1969:
07/01/69 – Alzira Baltazar de Almeida – (Dona de casa – Rio de Janeiro / RJ)
Uma bomba jogada por terroristas, embaixo de uma viatura policial, estacionada em frente à 9ª Delegacia de Polícia, ao explodir, matou a jovem Alzira, de apenas 18 anos de idade, uma vítima inocente que na ocasião transitava na rua.

11/01/69 – Edmundo Janot – (Lavrador – Rio de Janeiro / RJ)
Morto a tiros, foiçadas e facadas por um grupo de terroristas que havia montado uma base de guerrilha nas proximidades da sua fazenda.

29/01/69 – Cecildes Moreira de Faria (Subinspetor de Polícia)
20/01/69 – José Antunes Ferreira (Guarda Civil) – BH/MG
Durante a abordagem de um um “aparelho” do Comando de Libertação Nacional (Colina), na rua Itacarambu nº 120, bairro São Geraldo, identificado por Pedro Paulo Bretas, “Kleber”, a equipe de segurança foi recebida por rajadas de metralhadora, disparadas por Murilo Pinto Pezzuti da Silva, “Cesar” ou “Miranda”, que, com 11 tiros, mataram o Subinspetor Cecildes Moreira da Silva, que deixou viúva e oito filhos, e o Guarda Civil José Antunes Ferreira, ferindo, ainda, o Investigador José Reis de Oliveira. No interior do “aparelho”, foram presos o assassino Murilo Pinto Pezzuti da Silva o os terroristas do Colina: Afonso Celso Lana Leite, ”Ciro”; Mauricio Vieira de Paiva, ”Carlos”; Nilo Sérgio Menezes Macedo; Júlio Antonio Bittencourt de Almeida, “Pedro”; Jorge Raimundo Nahas, “Clovis” ou “Ismael”; Maria José de Carvalho Nahas, “Celia” ou “Marta”, e foram apreendidos 1 fuzil FAL, 5 pistolas, 3 revólveres, 2 metralhadoras, 2 carabinas, 2 granadas de mão, 702 bananas de dinamite, fardas da PM e dinheiro de assaltos.

31/03/69 – Manoel Da Silva Dutra – Civil – Rio de Janeiro / RJ
Morto durante assalto ao banco Andrade Arnaud. O caso é particularmente importante porque um dos então terroristas que participaram da operação se chamava Carlos Minc. Ele vinha do Colina, que se fundiu com a VPR para formar a VAR-PALMARES.

14/04/69 – Francisco Bento da Silva – motorista – SP
14/04/69 – Luiz Francisco da Silva – guarda bancário –SP
Mortos durante um assalto, praticado pela Ala Vermelha do PC do B ao carro pagador (uma Kombi) do Banco Francês-Italiano para a América do Sul, na Alameda Barão de Campinas, quando foram roubados vinte milhões de cruzeiros. Participaram desta ação os seguintes terroristas: Élio Cabral de Souza, Derly José de Carvalho, Daniel José de Carvalho, Devanir José de Carvalho, James Allen Luz, Aderval Alves Coqueiro, Lúcio da Costa Fonseca, Gilberto Giovanetti, Ney Jansen Ferreira Júnior, Genésio Borges de Melo e Antônio Medeiros Neto.

08/05/69 – José de Carvalho – Investigador de Polícia – SP
Atingido com um tiro na boca durante um assalto ao União de Bancos Brasileiros, em Suzano, no dia 07 de maio, vindo a falecer no dia seguinte. Nessa ação, os terroristas feriram, também, Antonio Maria Comenda Belchior e Ferdinando Eiamini. Participaram os seguintes terroristas da Ação Libertadora Nacional (ALN): Virgílio Gomes da Silva, Aton Fon Filho, Takao Amano, Ney da Costa Falcão, Manoel Cyrilo de Oliveira Neto e João Batista Zeferino Sales Vani. Takao Amano foi baleado na coxa e operado, em um “aparelho médico” por Boanerges de Souza Massa, médico da ALN.

09/05/69 – Orlando Pinto da Silva – Guarda Civil – SP
Morto com dois tiros, um na nuca e outro na testa, disparados por Carlos Lamarca, durante assalto ao Banco Itaú, na rua Piratininga, Bairro da Mooca. Na ocasião também foi esfaqueado o gerente do Banco, Norberto Draconetti. Organização responsável por esse assalto: Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).

27/05/69 – Naul José Montovani – Soldado PM – SP
Em 27/05/69 foi realizada uma ação contra o 15º Batalhão da Força Pública de São Paulo, atual PMESP, na Avenida Cruzeiro do Sul, SP/SP. Os terroristas Virgílio Gomes da Silva, Aton Fon Filho, Carlos Eduardo Pires Fleury, Maria Aparecida Costa, Celso Antunes Horta e Ana Maria de Cerqueira César Corbusier metralharam o soldado Naul José Montovani, que estava de sentinela e que morreu instantaneamente. O soldado Nicário Conceição Pulpo, que correu ao local ao ouvir os disparos, foi gravemente ferido na cabeça, tendo ficado paralítico.

22/06/69 – Guido Boné – Soldado PM – SP
22/06/69 – Natalino Amaro Teixeira – Soldado PM -SP
Mortos por militantes da ALN que atacaram e incendiaram a rádio-patrulha RP 416, da então Força Pública de São Paulo, hoje Polícia Militar, matando os seus dois ocupantes, os soldados Guido Bone e Natalino Amaro Teixeira, roubando suas armas.

11/07/69 – Cidelino Palmeiras do Nascimento – Motorista de táxi – RJ
Morto a tiros quando conduzia, em seu carro, policiais que perseguiam terroristas que haviam assaltado o Banco Aliança, agência Muda. Participaram deste assassinato os terroristas Chael Charles Schreier, Adilson Ferreira da Silva, Fernando Borges de Paula Ferreira, Flávio Roberto de Souza, Reinaldo José de Melo, Sônia Eliane Lafóz e o autor dos disparos Darci Rodrigues, todos pertencentes a organização terrorista VAR-Palmares.

24/07/69 – Aparecido dos Santos Oliveira – Soldado PM – SP
O Banco Bradesco, na rua Turiassu, no Bairro de Perdizes, foi assaltado por uma frente de grupos de esquerda. Foram roubados sete milhões de cruzeiros. Participaram da ação:

- Pelo Grupo de Expropriação e Operação: Devanir José de Carvalho, James Allen Luz, Raimundo Gonçalves de Figueiredo, Ney Jansen Ferreira Júnior, José Couto Leal;
- Pelo Grupo do Gaúcho: Plínio Petersen Pereira, Domingos Quintino dos Santos, Chaouky Abara; e,
- Pela VAR-Palmares: Chael Charles Schreier, Roberto Chagas e Silva, Carmem Monteiro dos Santos Jacomini e Eduardo Leite.

20/08/69 – José Santa Maria – Gerente de Banco – RJ
Morto por terroristas que assaltaram o Banco de Crédito Real de Minas Gerais, do qual era gerente.

25/08/69 – Sulamita Campos Leite – dona de casa, PA
Parente do terrorista Flávio Augusto Neves Leão Salles. Morta na casa dos Salles, em Belém, ao detonar, por inadvertência ,uma carga de explosivos escondida pelo terrorista.

31/08/69 – Mauro Celso Rodrigues – Soldado PM – MA
Morto quando procurava impedir a luta entre proprietários e posseiros, incitada por movimentos subversivos.

03/09/69 – José Getúlio Borba – Comerciário – SP
03/09/69 – João Guilherme de Brito – Soldado da Força Pública – SP
Os terroristas da Ação Libertadora Nacional (ALN) Antenor Meyer, José Wilson Lessa Sabag, Francisco José de Oliveira e Maria Augusta Tomaz resolveram comprar um gravador na loja Lutz Ferrando, na esquina da Avenida Ipiranga com a Rua São Luis. O pagamento seria feito com um cheque roubado num assalto. Descobertos, receberam voz de prisão e reagiram. Na troca de tiros, o guarda civil João Szelacsak Neto ficou ferido com um tiro na coxa, e o funcionário da loja, José Getúlio Borba, foi mortalmente ferido. Perseguidos pela polícia, o terrorista José Wilson Lessa Sabag matou a tiros o soldado da Força Pública (atual PM) João Guilherme de Brito.

20/09/69 – Samuel Pires – Cobrador de ônibus – SP
Morto por terroristas quando assaltavam uma empresa de ônibus.

22/09/69 – Kurt Kriegel – Comerciante – Porto Alegre/RS
Comerciante Kurt Kriegel, morto pela Var-Palmates em Porto Alegre.

30/09/69 – Cláudio Ernesto Canton – Agente da Polícia Federal – SP
Após ter efetuado a prisão de um terrorista, foi atingido na coluna vertebral, vindo a falecer em conseqüência desse ferimento.

04/10/69 – Euclídes de  Paiva Cerqueira – Guarda particular – RJ
Morto por terroristas durante assalto ao carro transportador de valores do Banco Irmãos Guimarães

06/10/69 – Abelardo Rosa Lima – Soldado PM – SP
Metralhado por terroristas numa tentativa de assalto ao Mercado Peg-Pag. Autores: Devanir José de Carvalho (Henrique), Walter Olivieri, Eduardo Leite (Bacuri), Mocide Bucherone e Ismael Andrade dos Santos. Organizações Terroristas: REDE (Resistência Democrática) e MRT (Movimento Revolucionário Tiradentes).

07/10/69 – Romildo Ottenio – Soldado PM – SP
Morto quando tentava prender um terrorista.

31/10/69 – Nilson José de Azevedo Lins- civil – PE
Gerente da firma Cornélio de Souza e Silva, distribuidora da Souza Cruz, em Olinda. Foi assaltado e morto quando ia depositar, no Banco, o dinheiro da firma. Organização: PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário). Autores: Alberto Vinícius Melo do Nascimento, Rholine Sonde Cavalcante Silva, Carlos Alberto Soares e João Maurício de Andrade Baltar.

04/11/69 – Estela Borges Morato – Investigadora do DOPS – SP
04/11/69 – Friederich Adolf Rohmann – Protético -SP
Mortos durante a operação que resultou na morte do terrorista Carlos Marighela.

14/11/69 – Orlando Girolo – Bancário – SP
Morto por terroristas durante assalto ao Bradesco.

17/11/69 – Joel Nunes – Subtenente PM – RJ
Neste dia, o PCBR assaltou o Banco Sotto Maior, na Praça do Carmo, no subúrbio carioca de Brás de Pina, de onde foram roubados cerca de 80 milhões de cruzeiros. Na fuga, obstados por uma viatura policial, surgiu um violento tiroteio no qual Avelino Bioni Capitani matou o sargento da PM Joel Nunes. Na ocasião, foi preso o terrorista Paulo Sérgio Granado Paranhos.

18/12/69 – Elias dos Santos – Soldado do Exército – RJ
Havia um aparelho do PCBR na rua Baronesa de Uruguaiana nº 70, no bairro de Lins de Vasconcelos. Ali, Prestes de Paula, ao fugir pelos fundos da casa, disparou um tiro de pistola 45 contra Elias dos Santos.

1970:
17/01/70 – José Geraldo Alves Cursino – (Sargento PM – São Paulo / SP)
Morto a tiros por terroristas.

20/02/70 – Antônio  Aparecido Posso  Nogueró – Sargento PM – São Paulo
Morto pelo terrorista Antônio Raimundo de Lucena quando tentava impedir um ato terrorista no Jardim Cerejeiras, Atibaia/SP.

11/03/70 – Newton de  Oliveira Nascimento – Soldado PM – Rio de Janeiro
No dia 11/03/70, os militantes do grupo tático armado da ALN Mário de Souza Prata, Rômulo Noronha de Albuquerque e Jorge Raimundo Júnior deslocavam-se num carro Corcel azul, roubado, dirigido pelo último, quando foram interceptados no bairro de Laranjeiras- RJ por uma patrulha da PM. Suspeitando do motorista, pela pouca idade que aparentava, e verificando que Jorge Raimundo não portava habilitação, os policiais ordenaram-lhe que entrasse no veículo policial, junto com Rômulo Noronha Albuquerque, enquanto Mauro de Souza Prata, acompanhado de um dos soldados, iria dirigindo o Corcel até a delegacia mais próxima. Aproveitando-se do descuido dos policiais, que não revistaram os detidos, Mário, ao manobrar o veículo para colocá-lo à frente da viatura policial, sacou de uma arma e atirou, matando com um tiro na testa o soldado da PM Newton Oliveira Nascimento, que o escoltava no carro roubado. O soldado Newton deixou a viúva dona Luci e duas filhas menores, de quatro e dois anos.

31/03/70 – Joaquim Melo – Investigador de Polícia – Pernambuco
Morto por terroristas durante ação contra um “aparelho”.

02/05/70 – João Batista de Souza – Guarda de Segurança – SP
Um comando terrorista, integrado por Devanir José de Carvalho, Antonio André Camargo Guerra, Plínio Petersen Pereira, Waldemar Abreu e José Rodrigues Ângelo, pelo Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT), e mais Eduardo Leite (Bacuri), pela Resistência Democrática (REDE), assaltaram a Companhia de Cigarros Souza Cruz, no Cambuci/SP. Na ocasião Bacuri assassinou o guarda de segurança João Batista de Souza.

10/05/70 – Alberto Mendes Junior – 1º Tenente PM – SP
Esta é uma das maiores expressões da covardia e da violência de que era capaz o terrorista Carlos Lamarca. No dia 08/05/70, 7 terroristas, chefiados por ele, estavam numa pick-up e pararam num posto de gasolina em Eldorado Paulista. Foram abordados por policiais e reagiram a bala, conseguindo fugir. Ciente do ocorrido, o Tenente Mendes organizou uma patrulha. Em duas viaturas, dirigiu-se de Sete Barras para Eldorado Paulista. Por volta das 21h, houve o encontro com os terroristas, que estavam armados com fuzis FAL, enquanto os PMs portavam o velho fuzil Mauser modelo 1908. Em nítida desvantagem bélica, vários PMs foram feridos, e o Tenente Mendes verificou que diversos de seus comandados estavam necessitando de urgentes socorros médicos. Julgando-se cercado, Mendes aceitou render-se desde que seus homens pudessem receber o socorro necessário. Tendo os demais componentes da patrulha permanecido como reféns, o Tenente levou os feridos para Sete Barras.

De madrugada, a pé e sozinho, Mendes buscou contato com os terroristas, preocupado que estava com o restante de seus homens. Encontrou Lamarca, que decidiu seguir com seus companheiros e com os prisioneiros para Sete Barras. Ao se aproximarem dessa localidade, foram surpreendidos por um tiroteio, ocasião em que dois terroristas – Edmauro Gopfert e José Araújo Nóbrega – desgarraram-se do grupo, e os cinco terroristas restantes embrenharam-se no mato, levando junto o Tenente Mendes. Depois de caminharem um dia e meio na mata, os terroristas e o tenente pararam para descansar. Carlos Lamarca, Yoshitame Fujimore e Diógenes Sobrosa de Souza afastaram-se e formaram um “tribunal revolucionário”, que resolveu assassinar o Tenente Mendes. Os outros  dois, Ariston Oliveira Lucena e Gilberto Faria Lima, ficaram vigiando o prisioneiro.

Poucos minutos depois, os três terroristas retornaram. Yoshitame Fujimore desfechou-lhe violentos golpes na cabeça, com a coronha de um fuzil. Caído e com a base do crânio partida, o Tenente Mendes gemia e se contorcia em dores. Diógenes Sobrosa de Souza desferiu-lhe outros golpes na cabeça, esfacelando-a. Ali mesmo, numa pequena vala e com seus coturnos ao lado da cabeça ensangüentada, o Tenente Mendes foi enterrado. Em 08/09/70, Ariston Lucena foi preso pelo DOI-CODI e apontou o local onde o tenente estava enterrado.

11/06/70 – Irlando de Moura Régis – Agente da Polícia Federal – RJ
Foi assassinado durante o seqüestro do embaixador da Alemanha, Ehrendfried Anton Theodor Ludwig Von Holleben. A operação foi executada pelo Comando Juarez Guimarães de Brito. Participaram Jesus Paredes Soto, José Maurício Gradel, Sônia Eliane Lafóz, José Milton Barbosa, Eduardo Coleen Leite (Bacuri), que matou Irlando, Herbert Eustáquio de Carvalho, José Roberto Gonçalves de Rezende, Alex Polari de Alverga e Roberto Chagas da Silva.

15/07/70 – Isidoro Zamboldi – segurança – SP
Morto pela terrorista Ana Bursztyn durante assalto à loja Mappin.

19/08/70 – Vagner Lúcio Vitorino da Silva – Guarda de segurança – RJ
Morto durante assalto do Grupo Tático Armado da organização terrorista MR-8 ao Banco Nacional de Minas Gerais, no bairro de Ramos. Sônia Maria Ferreira Lima foi quem fez os disparos que o mataram. Participaram, também, dessa ação os terroristas Reinaldo Guarany Simões, Viriato Xavier de Melo Filho e Benjamim de Oliveira Torres Neto, os dois últimos recém-chegados do curso em Cuba.

29/08/70 – José Armando Rodrigues – Comerciante – CE
Proprietário da firma Ibiapaba Comércio Ltda. Após ter sido assaltado em sua loja, foi seqüestrado, barbaramente torturado e morto a tiros por terroristas da ALN. Após seu assassinato, seu carro foi lançado num precipício na serra de Ibiapaba, em São Benedito, CE. Autores: Ex-seminaristas Antônio Espiridião Neto e Waldemar Rodrigues Menezes (autor dos disparos), José Sales de Oliveira, Carlos de Montenegro Medeiros, Gilberto Telmo Sidney Marques, Timochenko Soares de Sales e Francisco William.

14/09/70 – Bertolino Ferreira da Silva – Guarda de segurança – SP
Morto durante assalto praticado pelas organizações terroristas ALN e MRT ao carro pagador da empresa Brinks, no Bairro do Paraíso em São Paulo.

21/09/70 – Célio Tonelly – soldado da PM – SP
Morto em Santo André. Quando de serviço em uma rádio-patrulha, tentou deter terroristas que ocupavam um automóvel.

27/10/70 – Walder Xavier de Lima – Sargento da Aeronáutica – BA
Morto quando, ao volante de uma viatura, conduzia terroristas presos, em Salvador. O assassino, Theodomiro Romeiro dos Santos (Marcos) o atingiu com um tiro na nuca. Organização: PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário).

10/11/70 – José Marques do Nascimento – Civil – SP
10/11/70 – Garibaldo de Queiroz – Soldado PM -SP
10/11/70 – José Aleixo Nunes – Soldado PM -SP
Mortos em confronto com terroristas da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) que faziam uma panfletagem armada na Vila Prudente, São Paulo.

10/12/70 – Hélio de Carvalho Araújo – Agente da Polícia Federal – RJ
No dia 07/12, o embaixador da Suíça no Brasil, Giovanni Enrico Bucher, foi seqüestrado pela VPR. Participaram da operação os terroristas Adair Gonçalves Reis, Gerson Theodoro de Oliveira, Maurício Guilherme da Silveira, Alex Polari de Alverga, Inês Etienne Romeu, Alfredo Sirkis, Herbert Eustáquio de Carvalho e Carlos Lamarca. Após interceptar o carro que conduzia o Embaixador, Carlos Lamarca bateu com um revólver Smith-Wesson, cano longo, calibre 38, no vidro do carro. Abriu a porta traseira e, a uma distância de dois metros, atirou, duas vezes contra o agente Hélio. Os terroristas levaram o embaixador e deixaram o agente agonizando. Transferido para o hospital Miguel Couto, morreu no dia 10/12/70.

1971:
07/01/71 – Marcelo Costa Tavares – (Estudante – 14 anos – MG)
Morto por terroristas durante um assalto ao Banco Nacional de Minas Gerais.

Participaram da ação: Newton Moraes, Aldo Sá Brito, Macos Nonato da Fonseca e Eduardo Antonio da Fonseca.

12/02/71 – Américo Cassiolato – Soldado PM – São Paulo
Morto, friamente, por assassinos em Pirapora do Bom Jesus, quando tentava impedir  ações criminosas.

20/02/71 – Fernando Pereira – Comerciário – Rio de Janeiro
Morto por terroristas quando tentava impedir um assalto ao estabelecimento “Casa do Arroz”, do qual era gerente.

08/03/71 – Djalma Peluci Batista – Soldado PM – Rio de Janeiro
Morto por terroristas, durante assalto ao Banco do Estado do Rio de Janeiro.

24/03/71 – Mateus Levino dos Santos – Tenente da FAB – Pernambuco
O PCBR necessitava roubar um carro para participar do seqüestro do cônsul norte-americano, em Recife.  No dia 26/06/70, o grupo decidiu roubar um Fusca, estacionado em Jaboatão dos Guararapes, na Grande Recife, nas proximidades do Hospital da Aeronáutica. Ao tentarem render o motorista, descobriram tratar-se de um tenente da Aeronáutica. Carlos Alberto disparou dois tiros contra o militar: um na cabeça e outro no pescoço. Depois de nove meses de intenso sofrimento, morreu no dia 24 de março de 1971, deixando viúva e duas filhas menores. O imprevisto levou o PCBR a desistir do seqüestro.

04/04/71 – José Julio Toja Martinez – Major do Exército -  Rio de Janeiro
No início de abril, a Brigada Pára-Quedista recebeu uma denúncia de que um casal de terroristas ocupara uma casa localizada na rua Niquelândia, 23, em Campo Grande/RJ. Não desejando passar esse informe à 2ª Seção do então I Exército, sem aprofundá-lo, a 2ª Seção da Brigada, chefiada pelo major Martinez, montou um esquema de vigilância da casa. Por volta das 23h, chega um casal de táxi. A mulher ostentava uma volumosa barriga, sugerindo gravidez.

O major Martinez acabara de concluir o curso da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, onde, por três anos, exatamente o período em que a guerra revolucionária se desenvolvera, estivera afastado desses problemas em função da própria vida escolar bastante intensa. Estagiário na Brigada de Pára-Quedista, a quem também não estava afeta a missão de combate à subversão, não se havia habituado à virulência da ação terrorista.

Julgando que o casal nada tinha a ver com a subversão, Martinez iniciou a travessia da rua, a fim de solicitar-lhe que se afastasse daquela área. Ato contínuo, da barriga, formada por uma cesta para pão com uma abertura para saque da arma ali escondida, a “grávida” retirou um revólver, matando-o antes que pudesse esboçar qualquer reação. O capitão Parreira, de sua equipe, ao sair em sua defesa, foi gravemente ferido por um tiro desferido pelo terrorista. Nesse momento, os demais agentes desencadearam cerrado tiroteio, que causou a morte do casal de terroristas.

Eram os militantes do MR-8 Mário de Souza Prata e Marilena Villas-Bôas Pinto, responsáveis por uma extensa lista de atos terroristas.  No “aparelho” do casal, foram encontrados explosivos, munição e armas, além de dezenas de levantamentos de bancos, de supermercados, de diplomatas estrangeiros e de generais do Exército. Martinez deixou viúva e quatro filhos, três meninas e um menino, a mais velha, à época, com 11 anos.

07/04/71 – Maria Alice Matos – Empregada doméstica – Rio de Janeiro
Morta por terroristas quando do assalto a um depósito de material de construção.

15/04/71 – Henning Albert Boilesen – (Industrial – São Paulo)
Quando da criação da Operação Bandeirante, o então comandante do II Exército, general Canavarro, reuniu-se com o governador do Estado de São Paulo, com várias autoridades federais, estaduais, municipais e com industriais paulistas para solicitar o apoio para um órgão que necessitava ser criado com rapidez, a fim de fazer frente ao crescente terrorismo que estava em curso no estado de São Paulo. Assim, vários industriais, entre eles Boilesen, se cotizaram para atender ao pedido daquela autoridade militar.

Por decisão de Lamarca, Boilesen, um dinamarquês naturalizado brasile iro, foi assassinado. Participaram da ação os terroristas Yuri Xavier Pereira, Joaquim Alencar Seixas, José Milton Barbosa, Dimas Antonio Casimiro e Antonio Sérgio de Matos.  No relatório escrito por Yuri, e apreendido pela polícia, aparecem as frases “durante a fuga trocávamos olhares de contentamento e satisfação. Mais uma vitória da Revolução Brasileira”. Vários carros e casas foram atingidos por projéteis. Duas mulheres foram feridas. Sobre o corpo de Boilesen, atingido por 19 tiros, panfletos da ALN e do MRT, dirigidos “Ao Povo Brasileiro”, traziam a ameaça: “Como ele, existem muitos outros e sabemos quem são. Todos terão o mesmo fim, não importa quanto tempo demore; o que importa é que eles sentirão o peso da JUSTIÇA REVOLUCIONÁRIA. Olho por olho, dente por dente”.

10/05/71 -  Manoel da Silva Neto – Soldado PM – SP
Morto por terroristas durante assalto à Empresa de Transporte Tusa.

14/05/71 – Adilson Sampaio – Artesão – RJ
Morto por terroristas durante assalto às lojas Gaio Marti.

09/06/71 – Antônio Lisboa Ceres de Oliveira – Civil – RJ
Morto por terroristas durante assalto à boate Comodoro.

01/07/71 – Jaime Pereira da Silva – Civil – RJ
Morto por terroristas na varanda de sua casa durante tiroteio entre terroristas e policiais.

02/09/71 – Gentil Procópio de Melo -Motorista de praça – PE
A organização terrorista denominada Partido Comunista Revolucionário determinou que um carro fosse roubado para realizar um assalto. Cumprindo a ordem recebida, o terrorista José Mariano de Barros tomou um táxi em Madalena, Recife. Ao chegar ao Hospital das Clínicas, quando fingia que ia pagar a corrida, apareceram seus comparsas, Manoel Lisboa de Moura e José Emilson Ribeiro da Silva, que se aproximaram do veículo. Emilson matou Procópio com dois tiros.

02/09/71 – Jayme Cardenio Dolce – Guarda de segurança – RJ
02/09/71 – Silvâno Amâncio dos Santos – Guarda de segurança – RJ
02/09/71 – Demerval Ferreira dos Santos – Guarda de segurança – RJ
Assassinados pelos terroristas Flávio Augusto Neves Leão Salles, Hélio Pereira Fortes, Antônio Carlos Nogueira Cabral, Aurora Maria do Nascimento Furtado, Sônia Hipólito e Isis Dias de Oliveira, durante assalto à Casa de Saúde Dr. Eiras.

…/10/71 – Alberto da Silva Machado – Civil – RJ
Morto por terroristas durante assalto à Fábrica de Móveis Vogal Ltda, da qual era um dos proprietários.

22/10/71 – José do Amaral – Sub-oficial da reserva da Marinha – RJ
Morto por terroristas da VAR-PALMARES e do MR-8 durante assalto a um carro transportador de valores da Transfort S/A. Foram feridos o motorista Sérgio da Silva Taranto e os guardas Emílio Pereira e Adilson Caetano da Silva.

Autores: James Allen Luz (Ciro), Carlos Alberto Salles (soldado), Paulo Cesar Botelho Massa, João Carlos da Costa.

01/11/71 – Nelson Martinez Ponce – Cabo PM – SP
Metralhado por Aylton Adalberto Mortati durante um atentado praticado por cinco terroristas do MOLIPO (Movimento de Libertação Popular) contra um ônibus da Empresa de Transportes Urbano S/A, em Vila Brasilândia, São Paulo.

10/11/71 – João Campos – Cabo PM – SP
Morto na estrada de Pindamonhangaba, ao interceptar um carro que conduzia terroristas armados.

22/11/71 – José Amaral Vilela – Guarda de segurança  – RJ
Neste dia os terroristas Sérgio Landulfo Furtado, Norma Sá Ferreira, Nelson Rodrigues Filho, Paulo Roberto Jabour, Thimothy William Watkin Ross e Paulo Costa Ribeiro Bastos assaltaram um carro-forte da firma Transfort, na Estrada do Portela, em Madureira.

27/11/71 – Eduardo Timóteo Filho – Soldado PM – RJ
Morto por terroristas, durante assalto contra as Lojas Caio Marti.

13/12/71 – Hélio Ferreira de Moura – Guarda de Segurança – RJ
Morto, por terroristas, durante assalto contra um carro transportador de valores da Brink’s, na Via Dutra.

1972:
18/01/72 – Tomaz Paulino de Almeida – (sargento PM – São Paulo / SP)
Morto, a tiros de metralhadora, no bairro Cambuci, quando um grupo terrorista roubava o seu carro.

Autores do assassinato: João Carlos Cavalcante Reis, Lauriberto José Reyes e Márcio Beck Machado, todos integrantes do Movimento de Libertação Nacional (Molipo).

As famílias dos assassinos João Carlos Cavalcante Reis e Lauriberto José Reyes foram indenizadas pela Lei nº 1.140/95.

20/01/72 – Sylas Bispo Feche – (Cabo PM São Paulo / SP)
O cabo Sylas Bispo Feche, integrava uma Equipe de Busca e Apreensão do DOI/CODI/II Exército. Sua equipe executava uma ronda, quando um carro VW, ocupado por duas pessoas, cruzou um sinal fechado quase atropelando uma senhora que atravessava a rua com uma criança no colo. A sua equipe saiu em perseguição ao carro suspeito, que foi interceptado. Ao tentar aproximar-se para pedir os documentos dos dois ocupantes do veículo, o cabo Feche foi, covardemente, metralhado por eles.

Os assassinos do cabo Feche, ambos membros da Ação Libertadora Nacional (ALN), mortos no tiroteio que se seguiu, foram Gelson Reicher“Marcos” que usava identidade falsa com o nome de Emiliano Sessa, chefe de um Grupo Tático Armado (GTA) e já tinha praticado mais de vinte atos terroristas, inclusive o seqüestro de um médico; e Alex Paula Xavier Pereira “Miguel”, que usava identidade falsa com o nome de João Maria de Freitas, com curso de guerrilha em Cuba e autor de mais de quarenta atos terroristas, inclusive atentados a bomba na cidade do Rio de Janeiro.

As famílias dos assassinos Gelson Reicher e Alex Paula Xavier Pereira foram indenizadas pela Lei nº 9.140/95.

25/01/72 – Eizo Ito – (Estudante – São Paulo / SP)
Aluno do Centro de Formação de Pilotos Militares, morto por terroristas quando roubavam seu carro.

01/02/72 – Iris do Amaral – Civil – Rio de Janeiro
Morto durante um tiroteio entre terroristas da ALN e policiais. Ficaram feridos nesta ação os civis Marinho Floriano Sanches, Romeu Silva e Altamiro Sinzo. Autores: Flávio Augusto Neves Leão Salles (”Rogério”, “Bibico”) e Antônio Carlos Cabral Nogueira (”Chico”, “Alfredo”.)

05/02/72 – David A. Cuthberg – Marinheiro inglês – Rio de Janeiro
A respeito desse assassinato, sob o título “REPULSA”, o jornal “O Globo” publicou:

“Tinha dezenove anos o marinheiro inglês David  A. Cuthberg que, na madrugada de sábado, tomou um táxi com um companheiro para conhecer o Rio, nos seus aspectos mais alegres. Ele aqui chegara como amigo, a bordo da flotilha que nos visita para comemorar os 150 anos de Independência do Brasil. Uma rajada de metralhadora tirou-lhe a vida, no táxi que se encontrava. Não teve tempo para perceber o que ocorria e, se percebesse, com certeza não poderia compreender.

Um terrorista, de dentro de outro carro, apontara friamente a metralhadora antes de desenhar nas suas costas o fatal risco de balas, para, logo em seguida, completar a infâmia, despejando sobre o corpo, ainda palpitante, panfletos em que se mencionava a palavra liberdade. Com esse crime repulsivo, o terror quis apenas alcançar repercussão fora de nossas fronteiras para suas atividades, procurando dar-lhe significação de atentado político contra jovem inocente, em troca da publicação da notícia num jornal inglês.

O terrorismo cumpre, no Brasil, com crimes como esse, o destino inevitável dos movimentos a que faltam motivação real e consentimento de qualquer parcela da opinião pública: o de não ultrapassar os limites do simples banditismo, com que se exprime o alto grau de degeneração dessas reduzidas maltas de assassinos gratuitos”.

A ação criminosa foi praticada pelos seguintes terroristas, integrantes de uma frente formada por três organizações comunistas:
- ALN – Flávio Augusto Neves Leão Salles (”Rogério”, “Bibico”), que fez os disparos com a metralhadora, Antônio Carlos Nogueira Cabral (”Chico”, “Alfredo”), Aurora Maria Nascimento Furtado (”Márcia”, “Rita”), Adair Gonçalves Reis (”Elber”, “Leônidas”, “Sorriso”);
- VAR-PALMARES – Lígia Maria Salgado da Nóbrega (”Ana”, “Célia”, “Cecília”), que jogou dentro do táxi os panfletos que falavam em vingança contra os “Imperialistas Ingleses”; Hélio Silva (”Anastácio”, “Nadinho”), Carlos Alberto Salles (”Soldado”);
- PCBR – Getúlio de Oliveira Cabral (”Gogó”, “Soares”, “Gustavo”)

15/02/72 – Luzimar Machado de Oliveira – Soldado PM – Goiás
O terrorista Arno Preiss encontrava-se na cidade de Paraiso do Norte, que estava incluída no esquema de trabalho de campo do MOLIPO. Usava o nome falso de Patrick McBundy Comick. Arno tentou entrar com sua documentação falsa no baile carnavalesco do clube social da cidade. Sua documentação levantou suspeita nos policiais, que o convidaram a comparecer à delegacia local. Ao deixar o clube, julgando-se desmascarado, Arno sacou seu revólver e disparou à queima roupa contra os policiais, matando o PM Luzimar Machado de Oliveira e ferindo gravemente o outro PM que o conduzia, Gentil Ferreira Mano. Acabou morto.

18/02/72 – Benedito Monteiro da Silva – Cabo PM – São Paulo
Morto quando tentava evitar um assalto terrorista a uma agencia bancária em Santa Cruz do Rio Pardo.

27/02/72 – Napoleão Felipe Bertolane Biscaldi – Civil – São Paulo
Morto durante um tiroteio entre os terroristas Lauriberto José Reyes e José Ibsem Veroes com policiais, na rua Serra de Botucatu, no bairro Tatuapé. Nesta ação, um policial foi ferido a tiros de metralhadoras por Lauriberto. Os dois terroristas morreram no local.

12/03/72 – Manoel dos Santos – Guarda de Segurança – São Paulo
Morto durante assalto terrorista à fábrica de bebidas Charel Ltda.

12/03/72 – Aníbal Figueiredo de Albuquerque – Cel R1 do Exército – SP
Morto durante assalto à fábrica de bebidas Charel Ltda., da qual era um dos proprietários.

08/05/72 – Odilo Cruz Rosa – Cabo do Exército – PA
Morto na região do Araguaia quando uma equipe comandada por um tenente e composta ainda, por dois sargentos e pelo Cabo Rosa foram emboscados por terroristas comandados por Oswaldo Araújo Costa, o “Oswaldão”, na região de Grota Seca, no Vale da Gameleira. Neste tiroteio foi morto o Cabo Rosa e feridos o Tenente e um Sargento.

02/06/72 – Rosendo – Sargento PM – SP
Morto ao interceptar 04 terroristas que assaltaram um bar e um carro da Distribuidora de Cigarros Oeste LTDA.

29/06/72 – João Pereira – Mateiro-região do Araguaia – PA
“Justiçado exemplarmente” pelo PC do B por ter servido de guia para as forças legais que combatiam os guerrilheiros. A respeito, Ângelo Arroyo declarou em seu relatório: “A morte desse bate-pau causou pânico entre os demais da zona”.

09/09/72 – Mário Domingos Panzarielo – Detetive Polícia Civil – RJ
Morto ao tentar prender um terrorista da ALN.

23/09/72 – Mário Abraim da Silva – Segundo Sargento do Exército – PA
Pertencia ao 2º Batalhão de Infantaria de Selva, com sede em Belém. Sua Companhia foi deslocada para combater a guerrilha na região do Araguaia. Morto em combate, durante um ataque guerrilheiro no lugarejo de Pavão, base do 2º Batalhão de Selva.

27/09/72 – Sílvio Nunes Alves – Bancário – RJ
Assassinado em assalto ao Banco Novo Mundo, na Penha, pelas organizações terroristas PCBR – ALN – VPR – Var Palmares e MR8. Autor do assassinato: José Selton Ribeiro.

.../09/72 – Osmar… – Posseiro – PA
“Justiçado” na região do Araguaia pelos guerrilheiros por ter permitido que uma tropa de pára-quedistas acampasse em suas terras.

01/10/72 – Luiz Honório Correia – Civil – RJ
Morto por terroristas no assalto à empresa de Ônibus Barão de Mauá.

06/10/72 – Severino Fernandes da Silva – Civil – PE
Morto por terroristas durante agitação no meio rural.

06/10/72 – José Inocêncio Barreto – Civil – PE
Morto por terroristas durante agitação no meio rural.

1973:
21/02/73 – Manoel Henrique de Oliveira – Comerciante – São Paulo
No dia 14 de junho de 1972, as equipes do DOI de São Paulo, como já faziam há vários dias, estavam seguindo quatro terroristas da ALN que resolveram almoçar no restaurante Varela, no bairro da Mooca. Quando eles saíram do restaurante, receberam voz de prisão. Reagindo, desencadearam tiroteio com os policiais. Ao final, três terroristas estavam mortos, e um conseguiu fugir. Erroneamente, a ALN atribuiu a morte de seus três companheiros à delação de um dos proprietários do restaurante e decidiu justiçá-lo.

O comando “Aurora Maria do Nascimento Furtado”, constituído por Arnaldo Cardoso Rocha, Francisco Emanuel Penteado, Francisco Seiko Okama e Ronaldo Mouth Queiroz, foi encarregado da missão e assassinou, no dia 21 de fevereiro, o comerciante Manoel Henrique de Oliveira, que foi metralhado sem que pudesse esboçar um gesto de defesa. Seu corpo foi coberto por panfletos da ALN, impressos no Centro de Orientação Estudantil da USP por  interveniência do militante Paulo Frateschi.

22/02/73 – Pedro Américo Mota Garcia – Civil – Rio de Janeiro
Por vingança, foi “justiçado” por terroristas por haver impedido um assalto contra uma agência da Caixa Econômica Federal.

25/02/73 – Octávio Gonçalves Moreira Júnior – Delegado de Polícia – SP
Com a tentativa de intimidar os integrantes dos órgãos de repressão, um “Tribunal Popular Revolucionário” decidiu “justiçar” um membro do DOI/CODI/II Exército. O escolhido foi o delegado de polícia Octávio Gonçalves Moreira Júnior.

12/03/73 – Pedro Mineiro – Capataz da Fazenda Capingo
“Justiçado” por terroristas na Guerrilha do Araguaia.

24/07/73 – Francisco Valdir de Paula – Soldado do Exército – região do Araguaia – PA
Instalado numa posse de terra, no município de Xambioá, fazendo parte de uma rede de informações montada na área de guerrilha, foi identificado pelos terroristas e assassinado. Seu corpo nunca foi encontrado.

1974:
10/04/74 – Geraldo José Nogueira – Soldado PM – São Paulo
Morto numa operação de captura de terroristas.
URL da Imagem

5
- VII -

Anexo: Lista de cassados, exilados, presos, sequestrados, torturados, mortos e/ou desaparecidos durante o Regime Militar de 1964 
Lista das pessoas cassadas, exiladas, presas, sequestradas, torturadas, assassinadas, despedaçadas, desaparecidas pelas ações das forças Governo Militar (1964-1985). A lista inclui os nomes dos justiçados pelos mesmos membros dos grupos de Esquerda/Extrema-Esquerda aos quais pertenciam (terrorismo & guerrilha socialista/comunista) que combatia o Regime Militar, para implantar contra a vontade da maioria esmagadora da população, uma Ditadura do Proletariado (Comunista).

"(...) O terrorismo de extrema-esquerda ocorreu dentro do contexto da Guerra Fria e não ficou restrito ao Brasil, tendo ocorrido em diversos países como Uruguai, Paraguai, Argentina, Peru, Colômbia, Guatemala, etc. Em reação à tentativa das guerrilhas e grupos terroristas de extrema-esquerda de tomar o poder e instaurar regimes totalitários aos moldes soviéticos e cubanos, diversos países da América do Sul adotaram regimes militares de exceção para garantir a segurança dos seus cidadãos. O proceder das forças de segurança destes regimes é um tema ainda hoje polêmico, porém mais polêmico e preocupante ainda é o silêncio da mídia e das autoridades sobre os crimes cometidos pelos integrantes das células terroristas em atividade nestes mesos países. Esta página traz a lista de nomes de todas as vítimas confirmadas do lado do terrorismo de extrema-esquerda no Brasil durante o Regime Militar (1964-1985). Tenha em conta que boa parte destes grupos já se encontrava em atividade desde 1961, porém não há documentação abundante sobre suas atividades terroristas devido à convulsão política que o país vivia na época. (...)"
ÍNDICE

•        1 - De acordo com o Livro Negro do Terrorismo no Brasil 
•        2 - De acordo com a ONG Grupo Terrorismo Nunca Mais (Ternuma)
•        3 - De acordo com o livro Direito à Memória e à Verdade
•        4 - Presos
•        5 - Cassados(e/ou presos)
•        6 - Exilados
•        7 - Mortos e desaparecidos
•        8 - Outros 

1
O nome dos vinte e três indivíduos abaixo foram publicados numa reportagem de Lucas Figueiredo para a edição de julho de 2007 da revista Rolling Stone Brasil. Todos eles tiveram suas mortes confirmadas pelo Livro Negro do Terrorismo no Brasil do Centro de Informações do Exército

•        Althair Tsunoda Junior 
•        Alcery Maria Gomes da Silva
•        André Grabois
•        Antônio Alfredo Campos
•        Antônio Carlos Monteiro Teixeira
•        Antônio dos Três Reis Oliveira
•        Bergson Gurjão Farias
•        Boanerges de Sousa Massa
•        Ciro Flávio Salazar de Oliveira
•        Divino Ferreira de Sousa
•        Francisco José de Oliveira
•        Francisco Manuel Chaves
•        Helenira Resende de Sousa
•        Idalísio Soares Aranha Filho
•        João Carlos Haas Sobrinho
•        João Gualberto Calatrônio
•        Joelson Crispim
•        José Toledo de Oliveira
•        Kleber Lemos da Silva
•        Manuel José Nurchis
•        Maria Lúcia Petit da Silva
•        Miguel Pereira dos Santos
•        Rui Carlos Vieira Berbert
•        Vânio José de Matos
•        Fabiano Lellis 

2
De acordo com a ONG Grupo Terrorismo Nunca Mais (Ternuma)
Relação cronológica da pessoa tombadas pela ação da esquerda armada entre os anos de 1964 a 1974.

•        Paulo Macena - vigia - Rio de Janeiro - 12 de novembro de 1964 
•        Carlos Argemiro Camargo - sargento do Exército – Paraná - 27 de março de 1965
•        Edson Régis de Carvalho - jornalista - Pernambuco - 25 de julho de1966
•        Nelson Gomes Fernandes - almirante - Pernambuco - 25 de julho de1966
•        Raimundo de Carvalho Andrade - cabo PM – Goiás - 28 de setembrode 1966
•        José Gonçalves Conceição (Zé Dico)- fazendeiro - São Paulo - 24 de novembro de 1967
•        Osíris Motta Marcondes - bancário – São Paulo - 15 de dezembro de1967
•        Agostinho Ferreira Lima - marinha mercante - Rio Negro (Amazonas) -10 de janeiro de 1968 -
•        Ailton de Oliveira - guarda penitenciário - Rio de Janeiro - 31 de maiode 1968
•        Mário Kozel Filho - soldado do Exército - São Paulo - 26 de junho de1968
•        Noel de Oliveira Ramos - civil - Rio de Janeiro - 27 de junho de 1968
•        Nelson de Barros - sargento PM - Rio de Janeiro - 27 de junho de 1968
•        Edward Ernest Tito Otto Maximilian von Westernhagen - major do Exército Alemão - Rio de Janeiro - 1 de julho de 1968 -
•        Eduardo Custódio de Sousa - soldado PM – São Paulo - 7 de setembrode 1968
•        Antônio Carlos Jeffery - soldado PM – São Paulo - 20 de setembro de1968
•        Charles Rodney Chandler - capitão do Exército dos Estados Unidos - São Paulo - 12 de outubro de 1968
•        Luís Carlos Augusto - civil - Rio de Janeiro - 24 de outubro de 1968
•        Venceslau Ramalho Leite - civil - Rio de Janeiro - 25 de outubro de1968
•        Estanislau Ignácio Correia - civil - São Paulo - 7 de novembro de 1968
•        Alzira Baltasar de Almeida - dona de casa - Rio de Janeiro - 7 de janeiro de 1969
•        Edmundo Janot - lavrador - Rio de Janeiro - 11 de janeiro de 1969
•        Cecildes Moreira de Faria - subinspetor de Polícia - Belo Horizonte - 29 de janeiro de 1969
•        José Antunes Ferreira - guarda civil - Belo Horizonte - 29 de janeiro de1969
•        Francisco Bento da Silva - motorista – São Paulo - 14 de abril de 1969
•        Luís Francisco da Silva - guarda bancário – São Paulo 14 de abril de1969
•        José de Carvalho - investigador de Polícia – São Paulo - 8 de maio de1969
•        Orlando Pinto da Silva - guarda civil – São Paulo - 9 de maio de 1969
•        Naul José Montovani - soldado PM – São Paulo - 27 de maio de 1969
•        Boaventura Rodrigues da Silva - soldado PM - São Paulo - 4 de junhode 1969
•        Guido Boné - soldado PM - São Paulo - 22 de junho de 1969
•        Natalino Amaro Teixeira - soldado PM - São Paulo - 22 de junho de1969
•        Cidelino Palmeiras do Nascimento - taxista - Rio de Janeiro - 11 de julho de 1969
•        Aparecido dos Santos Oliveira - soldado PM - São Paulo - 24 de julhode 1969 
•        José Santa Maria - gerente de banco - Rio de Janeiro - 20 de agosto de1969
•        Sulamita Campos Leite - dona de casa - Pará - 25 de agosto de 1969
•        Mauro Celso Rodrigues - soldado PM - Maranhão - 31 de agosto de1969
•        José Getúlio Borba - comerciário - São Paulo - 3 de setembro de 1969
•        João Guilherme de Brito - soldado da Força Pública - São Paulo - 3 de setembro de 1969
•        Samuel Pires - cobrador de ônibus – São Paulo - 20 de setembro de1969
•        Kurt Kriegel - comerciante - Porto Alegre - 22 de setembro de 1969
•        Cláudio Ernesto Canton - agente da Polícia Federal - São Paulo - 30 de setembro de 1969
•        Euclídes de Paiva Cerqueira - guarda particular - Rio de Janeiro - 4 de outubro de 1969
•        Abelardo Rosa Lima - soldado PM - São Paulo - 6 de outubro de 1969
•        Romildo Ottenio - soldado PM - São Paulo - 7 de outubro de 1969
•        Nilson José de Azevedo Lins - civil - Pernambuco - 31 de outubro de1969
•        Estela Borges Morato - investigadora do DOPS - São Paulo - 4 de novembro de 1969
•        Friederich Adolf Rohmann - protético - São Paulo - 4 de novembro de1969
•        Mauro Celso Rodrigues - soldado PM - Maranhão - 7 de novembro de1969
•        Orlando Girolo - bancário - São Paulo - 14 de novembro de 1969
•        Joel Nunes - subtenente PM - Rio de Janeiro - 17 de novembro de 1969
•        Elias dos Santos - soldado do Exército – Rio de Janeiro - 18 de dezembro de 1969
•        José Geraldo Alves Cursino - sargento PM - São Paulo - 17 de janeirode 1970
•        Antônio Aparecido Posso Nogueró - sargento PM – São Paulo - 20 de fevereiro de 1970
•        Newton de Oliveira Nascimento - soldado PM – Rio de Janeiro - 11 de março de 1970
•        Joaquim Melo - investigador de Polícia – Pernambuco - 31 de março de1970
•        João Batista de Sousa - guarda de segurança - São Paulo - 2 de maiode 1970
•        Alberto Mendes Junior - primeiro-tenente PMESP – São Paulo - 10 de maio de 1970
•        Irlando de Moura Régis - agente da Polícia Federal - Rio de Janeiro -11 de junho de 1970
•        Isidoro Zamboldi - guarda de segurança - São Paulo - 15 de julho de1970
•        Benedito Gomes - capitão do Exército São Paulo - 12 de agosto de 1970
•        Vagner Lúcio Vitorino da Silva - guarda de segurança Rio de Janeiro -19 de agosto de 1970
•        José Armando Rodrigues - comerciante - Ceará - 29 de agosto de 1970
•        Bertolino Ferreira da Silva - guarda de segurança - São Paulo - 14 de setembro de 1970
•        Célio Tonelli - soldado PM - São Paulo - 21 de setembro de 1970
•        Autair Macedo - guarda de segurança - Rio de Janeiro - 22 de setembro de 1970
•        Valder Xavier de Lima - sargento da Aeronáutica - Bahia - 27 de outubro de 1970
•        José Marques do Nascimento - civil - São Paulo - 10 de novembro de1970
•        Garibaldo de Queirós - soldado PM - São Paulo - 10 de novembro de1970
•        José Aleixo Nunes - soldado PM - São Paulo - 10 de novembro de 1970
•        Hélio de Carvalho Araújo - agente da Polícia Federal – Rio de Janeiro -10 de dezembro de 1970
•        Marcelo Costa Tavares - estudante - Minas Gerais - 7 de janeiro de1971
•        Américo Cassiolato - soldado PM – São Paulo - 12 de fevereiro de1971
•        Fernando Pereira - comerciário – Rio de Janeiro - 20 de fevereiro de1971
•        Djalma Peluci Batista - soldado PM – Rio de Janeiro - 8 de março de1971
•        Mateus Levino dos Santos - tenente da FAB – Pernambuco - 24 de março de 1971
•        José Júlio Toja Martinez - major do Exército – Rio de Janeiro - 4 de abril de 1971
•        Maria Alice Matos - empregada doméstica – Rio de Janeiro - 7 de abrilde 1971
•        Henning Albert Boilensen - industrial – São Paulo - 15 de abril de 1971
•        Manuel da Silva Neto - soldado PM – São Paulo - 10 de maio de 1971
•        Adilson Sampaio - artesão – Rio de Janeiro - 14 de maio de 1971
•        Antônio Lisboa Ceres de Oliveira - civil - Rio de Janeiro - 9 de junho de1971
•        Jaime Pereira da Silva - civil - Rio de Janeiro - 1 de julho de 1971
•        Gentil Procópio de Melo - motorista de praça - Pernambuco - 2 de setembro de 1971
•        Jayme Cardenio Dolce - guarda de segurança - Rio de Janeiro - 2 de setembro de 1971
•        Silvâno Amâncio dos Santos - guarda de segurança - Rio de Janeiro - 2 de setembro de 1971
•        Demerval Ferreira dos Santos - guarda de segurança - Rio de Janeiro -2 de setembro de 1971
•        Alberto da Silva Machado - civil - Rio de Janeiro - outubro de 1971
•        José do Amaral - suboficial da reserva da Marinha Rio de Janeiro - 22 de outubro de 1971
•        Nelson Martinez Ponce - cabo PM - São Paulo - 1 de novembro de1971
•        João Campos - cabo PM - São Paulo - 10 de novembro de 1971
•        José Amaral Vilela - guarda de segurança - Rio de Janeiro - 22 de novembro de 1971
•        Eduardo Timóteo Filho - soldado PM - Rio de Janeiro - 27 de novembrode 1971
•        Hélio Ferreira de Moura - guarda de segurança – Rio de Janeiro - 13 de dezembro de 1971
•        Tomaz Paulino de Almeida - sargento PM - São Paulo - 18 de janeirode 1972 -
•        Sylas Bispo Feche - cabo PM - São Paulo - 20 de janeiro de 1972
•        Elzo Ito - estudante - São Paulo - 25 de janeiro de 1972
•        Iris do Amaral - civil – Rio de Janeiro - 1 de fevereiro de 1972
•        David A. Cuthberg - marinheiro inglês – Rio de Janeiro - 5 de fevereirode 1972
•        Luzimar Machado de Oliveira - soldado PM – Goiás - 15 de fevereirode 1972
•        Benedito Monteiro da Silva - cabo PM – São Paulo - 18 de fevereiro de1972
•        Napoleão Filipe Bertolane Biscaldi - civil – São Paulo - 27 de fevereirode 1972
•        Walter César Galleti - comerciante – São Paulo - 6 de março de 1972
•        Manuel dos Santos - guarda de segurança – São Paulo - 12 de marçode 1972
•        Aníbal Figueiredo de Albuquerque - coronel R1 do Exército – São Paulo - 12 de março de 1972
•        Odilo Cruz Rosa - cabo do Exército – Pará - 8 de maio de 1972
•        Rosendo - sargento PM - São Paulo - 2 de junho de 1972
•        João Pereira - mateiro da região do Araguaia - Pará - 29 de junho de1972
•        Mário Domingos Panzarielo - detetive da Polícia Civil - Rio de Janeiro -9 de setembro de 1972
•        Mário Abraim da Silva - segundo sargento do Exército - Pará - 23 de setembro de 1972
•        Sílvio Nunes Alves - bancário - Rio de Janeiro - 27 de setembro de1972
•        Osmar... - posseiro - Pará - setembro de 1972
•        Luís Honório Correia - civil - Rio de Janeiro - 1 de outubro de 1972
•        Severino Fernandes da Silva - civil - Pernambuco - 6 de outubro de1972
•        José Inocêncio Barreto - civil - Pernambuco - 6 de outubro de 1972
•        Manuel Henrique de Oliveira - comerciante – São Paulo - 21 de fevereiro de 1973
•        Pedro Américo Mota Garcia - civil – Rio de Janeiro - 22 de fevereirode 1973
•        Octávio Gonçalves Moreira Júnior - delegado de polícia – São Paulo -25 de fevereiro de 1973
•        Pedro Mineiro - capataz da Fazenda Capingo – Pará - 12 de março de1973
•        Francisco Valdir de Paula - soldado do Exército-região do Araguaia - Pará
•        Geraldo José Nogueira - soldado PM – São Paulo - 10 de abril de 1974 

3
De acordo com o livro Direito à Memória e à Verdade
Direito à Memória e à Verdade publicado pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos

•        Carlos Lamarca (23 de outubro de 1937 — 17 de setembro de 1971) 
•        Eduardo Collen Leite (1945-70)
•        Esmeraldina Carvalho Cunha (1922-72)
•        Iara Iavelberg (7 de maio de 1944 – 20 de agosto de 1971)
•        Massafuni Yoshinaga (1949-76)
•        Nilda Carvalho Cunha (1954-71)
•        Zuleika Angel Jones - Zuzu Angel (5 de junho de 1921 — 14 de abril de1976) 

4
PRESOS
(inclui os que também foram torturados)

•        Ana Arraes 
•        Caetano Veloso
•        Chico Buarque
•        Dilma Rousseff
•        Eros Grau
•        Gilberto Gil
•        João Amazonas
•        José Genoíno
•        Paulo Coelho
•        Paulo Francis
•        Luiz Inácio Lula da Silva
•        Frei Tito
•        Geraldo Vandré
•        Raul Seixas
•        Vinícius de Moraes
•        Jaguar
•        Ziraldo
•        Bete Mendes
•        Maria Joaquina Marques-Dias
•        Ruy Mauro Marini
•        Irmã Maurina
•        Waldomira Bispo Macedo
•        Francisco Onofre Pereira, Chico Tatu
•        Porfírio Francisco de Sousa (preso e torturado - Montes Claros-MG)
•        Maurício Paiva (estudante de Engenharia, UNE - preso, torturado e exilado - Belo Horizonte-MG)
•        João Cândido (estudante, preso - Montes Claros-MG)
•        Rafael Brandão (estudante, DEMC - preso - Montes Claros-MG)
•        Juscelino Kubitschek de Oliveira (preso em 1968 - RJ) 

5
CASSADOS (E/OU PRESOS)
O ex-presidente Juscelino Kubitschek teve os direitos políticos cassados.

•        Miguel Arraes 
•        Mário Covas
•        Celso Furtado
•        Juscelino Kubitschek
•        Luís Carlos Prestes
•        Negrão de Lima
•        Darcy Ribeiro
•        Jânio Quadros
•        Nelson Werneck Sodré
•        Josué de Castro
•        Antônio Constantino
•        Tenório Cavalcanti
•        Antônio de Pádua Ferreira da Silva
•        Nei Ortiz Borges
•        Arnaldo Salles
•        José Gilson Felicio de Jesus 

6
EXILADOS 
(O Governo Militar não exilou ninguém. Todos se Auto-Exilaram e/ou deixaram o país pelos seus interesses políticos ideológicos. A maioria fugia do país ou foram prisioneiros trocados por pessoas sequestradas pela Luta Armada)

•        Adilson José de Freitas 
•        Betinho
•        Leonel Brizola
•        José Dirceu
•        Fernando Gabeira
•        João Goulart
•        Luís Carlos Prestes
•        Nara Leão
•        Raul Seixas
•        Mario Quintana
•        Miguel Arraes
•        Chico Buarque de Holanda
•        Caetano Veloso
•        Gilberto Gil
•        Sérgio Ferro
•        Oscar Niemeyer
•        João Batista Vilanova Artigas
•        Paulo Freire
•        Paulo Coelho
•        Milton Santos
•        José Serra
•        Vinicius Nunes
•        Juscelino Kubitschek 

7
MORTOS E DESAPARECIDOS

•        Abelardo Rausch Alcântara
•        Abílio Clemente Filho
•        Aderval Alves Coqueiro
•        Adriano Fonseca Filho
•        Afonso Henrique Martins Saldanha
•        Alberi Vieira dos Santos
•        Albertino José de Oliveira
•        Alberto Aleixo
•        Alceri Maria Gomes da Silva
•        Aldo de Sá Brito Sousa Neto
•        Alex de Paula Xavier Pereira
•        Alexander José Ibsen Voeroes
•        Alexandre Vannucchi Leme
•        Alfeu de Alcântara Monteiro
•        Almir Custódio de Lima
•        Aluísio Palhano Pedreira Ferreira
•        Amaro Luíz de Carvalho
•        Ana Maria Nacinovic Corrêa
•        Ana Rosa Kucinski Silva
•        Anatália de Sousa Melo Alves
•        André Grabois
•        Ângelo Arroyo
•        Ângelo Cardoso da Silva
•        Ângelo Pezzuti da Silva
•        Antogildo Pacoal Vianna
•        Antônio Alfredo de Lima
•        Antônio Benetazzo
•        Antônio Carlos Bicalho Lana
•        Antônio Carlos Monteiro Teixeira
•        Antônio Carlos Nogueira Cabral
•        Antônio Carlos Silveira Alves
•        Antônio de Pádua Costa
•        Antônio dos Três Reis Oliveira
•        Antônio Ferreira Pinto - Alfaiate
•        Antônio Guilherme Ribeiro Ribas
•        Antônio Henrique Pereira Neto - Padre Henrique
•        Antônio Joaquim Machado
•        Antonio Marcos Pinto de Oliveira
•        Antônio Raymundo Lucena
•        Antônio Sérgio de Mattos
•        Antônio Teodoro de Castro
•        Ari da Rocha Miranda
•        Ari de Oliveira Mendes Cunha
•        Arildo Valadão
•        Armando Teixeira Frutuoso
•        Arnaldo Cardoso Rocha
•        Arno Preis
•        Ari Abreu Lima da Rosa
•        Augusto Soares da Cunha
•        Áurea Eliza Pereira Valadão
•        Aurora Maria Nascimento Furtado
•        Avelmar Moreira de Barros
•        Aylton Adalberto Mortati
•        Benedito Pereira Serra
•        Bergson Gurjão Farias
•        Bernardino Saraiva
•        Boanerges de Sousa Massa
•        Caiuby Alves de Castro
•        Carlos Alberto Soares de Freitas
•        Carlos Eduardo Pires Fleury
•        Carlos Lamarca - Capitão do Exercito
•        Carlos Marighella
•        Carlos Nicolau Danielli
•        Carlos Roberto Zanirato
•        Carlos Schirmer
•        Carmem Jacomini
•        Casimiro Luís de Freitas
•        Catarina Abi-Eçab
•        Célio Augusto Guedes
•        Celso Gilberto de Oliveira
•        Chael Charles Schreier
•        Cilon da Cunha Brun
•        Ciro Flávio Salasar Oliveira
•        Cloves Dias Amorim
•        Custódio Saraiva Neto
•        Daniel José de Carvalho
•        Daniel Ribeiro Callado
•        David Capistrano da Costa
•        David de Sousa Meira
•        Dênis Casemiro
•        Dermeval da Silva Pereira
•        Devanir José de Carvalho
•        Dilermano Melo Nascimento
•        Dimas Antônio Casimiro
•        Dinaelza Soares Santana Coqueiro
•        Dinalva Oliveira Teixeira
•        Divino Ferreira de Sousa
•        Divo Fernandes de Oliveira
•        Djalma Carvalho Maranhão
•        Dorival Ferreira
•        Durvalino de Sousa
•        Edgard Aquino Duarte
•        Edmur Péricles Camargo
•        Edson Luis de Lima Souto
•        Edson Neves Quaresma
•        Edu Barreto Leite
•        Eduardo Antônio da Fonseca
•        Eduardo Collen Leite - Bacuri
•        Eduardo Collier Filho
•        Eiraldo Palha Freire
•        Elmo Correia
•        Elson Costa
•        Elvaristo Alves da Silva
•        Emanuel Bezerra dos Santos
•        Enrique Ernesto Ruggia
•        Epaminondas Gomes de Oliveira
•        Eremias Delizoicov
•        Eudaldo Gomes da Silva
•        Evaldo Luís Ferreira de Sousa
•        Ezequias Bezerra da Rocha
•        Félix Escobar Sobrinho
•        Fernando Augusto Santa Cruz Oliveira
•        Fernando Augusto Valente da Fonseca
•        Fernando Borges de Paula Ferreira
•        Fernando da Silva Lembo
•        Flávio Carvalho Molina
•        Francisco das Chagas Pereira
•        Francisco Emanuel Penteado
•        Francisco José de Oliveira
•        Francisco Manuel Chaves
•        Francisco Seiko Okama
•        Francisco Tenório Júnior
•        Frederico Eduardo Mayr
•        Gastone Lúcia Carvalho Beltrão
•        Gelson Reicher
•        Geraldo Magela Torres Fernandes da Costa
•        Gerosina Silva Pereira
•        Gerson Theodoro de Oliveira
•        Getúlio de Oliveira Cabral
•        Gilberto Olímpio Maria
•        Gildo Macedo Lacerda
•        Grenaldo de Jesus da Silva
•        Guido Leão
•        Guilherme Gomes Lund
•        Hamilton Fernando da Cunha
•        Helber José Gomes Goulart
•        Hélcio Pereira Fortes
•        Helenira Resende de Sousa Nazaré
•        Heleny Teles Ferreira Guariba
•        Hélio Luís Navarro de Magalhães
•        Henrique Cintra Ferreira de Ornellas
•        Higino João Pio
•        Hiran de Lima Pereira
•        Hiroaki Torigoe
•        Honestino Guimarães
•        Iara Iavelberg
•        Idalísio Soares Aranha Filho
•        Ieda Santos Delgado
•        Íris Amaral
•        Ishiro Nagami
•        Ísis Dias de Oliveira
•        Ismael Silva de Jesus
•        Israel Tavares Roque
•        Issami Nakamura Okano
•        Itair José Veloso
•        Iuri Xavier Pereira
•        Ivan Mota Dias
•        Ivan Rocha Aguiar
•        Jaime Petit da Silva
•        James Allen da Luz
•        Jana Moroni Barroso
•        Jane Vanini
•        Jarbas Pereira Marques
•        Jaome Amorim Miranda
•        Jeová Assis Gomes
•        João Alfredo Dias
•        João Antônio Abi-Eçab
•        João Barcelos Martins
•        João Batista Franco Drummond
•        João Batista Rita
•        João Bosco Penido Burnier - Padre
•        João Carlos Cavalcanti Reis
•        João Carlos Haas Sobrinho
•        João Domingues da Silva
•        João Gualberto Calatroni
•        João Leonardo da Silva Rocha
•        João Lucas Alves
•        João Massena Melo
•        João Mendes Araújo
•        João Roberto Borges de Sousa
•        Joaquim Alencar de Seixas
•        Joaquim Câmara Ferreira
•        Joaquim Pires Cerveira
•        Joaquinzão
•        Joel José de Carvalho
•        Joel Vasconcelos Santos
•        Joelson Crispim
•        Jonas José Albuquerque Barros
•        Jorge Alberto Basso
•        Jorge Aprígio de Paula
•        Jorge Leal Gonçalves Pereira
•        Jorge Oscar Adur - Padre
•        José Bartolomeu Rodrigues de Sousa
•        José Campos Barreto
•        José Carlos Novaes da Mata Machado
•        José de Oliveira
•        José de Sousa
•        José Ferreira de Almeida
•        José Gomes Teixeira
•        José Guimarães
•        José Huberto Bronca
•        José Idésio Brianezi
•        José Inocêncio Pereira
•        José Júlio de Araújo
•        José Lavechia
•        José Lima Piauhy Dourado
•        José Manuel da Silva
•        José Maria Ferreira Araújo
•        José Maurílio Patrício
•        José Maximino de Andrade Netto
•        José Mendes de Sá Roriz
•        José Milton Barbosa
•        José Montenegro de Lima
•        José Porfírio de Sousa
•        José Raimundo da Costa
•        José Roberto Arantes de Almeida
•        José Roberto Spiegner
•        José Roman
•        José Sabino
•        José Silton Pinheiro
•        José Soares dos Santos
•        José Toledo de Oliveira
•        José Wilson Lessa Sabag
•        Juarez Guimarães de Brito
•        Juarez Rodrigues Coelho
•        Juscelino Kubitschek
•        Kleber Lemos da Silva
•        Labib Elias Abduch
•        Lauriberto José Reyes
•        Líbero Giancarlo Castiglia
•        Lígia Maria Salgado Nóbrega
•        Lincoln Bicalho Roque
•        Lincoln Cordeiro Oest
•        Lourdes Maria Wanderley Pontes
•        Lourenço Camelo de Mesquita
•        Lourival de Moura Paulino
•        Lúcia Maria de Sousa
•        Lucimar Brandão
•        Lúcio Petit da Silva
•        Luís Alberto Andrade de Sá e Benevides
•        Luís Almeida Araújo
•        Luís Antônio Santa Bárbara
•        Luís Inácio Maranhão Filho
•        Luís Paulo da Cruz Nunes
•        Luís Afonso Miranda da Costa Rodrigues
•        Luís Carlos Almeida
•        Luís Eduardo da Rocha Merlino
•        Luís Eurico Tejera Lisboa
•        Luís Fogaça Balboni
•        Luís Gonzaga dos Santos
•        Luís Guilhardini
•        Luís Hirata
•        Luís José da Cunha
•        Luís Renato do Lago Faria
•        Luís Renato Pires de Almeida
•        Luís Renê Silveira e Silva
•        Luís Vieira
•        Luísa Augusta Garlippe
•        Lyda Monteiro da Silva
•        Manuel Aleixo da Silva
•        Manuel Fiel Filho
•        Manuel José Mendes Nunes de Abreu
•        Manuel Lisboa de Moura
•        Manuel Raimundo Soares
•        Manuel Rodrigues Ferreira
•        Manuel Alves de Oliveira
•        Manuel José Nurchis
•        Márcio Beck Machado
•        Marco Antônio Brás de Carvalho
•        Marco Antônio da Silva Lima
•        Marco Antônio Dias Batista
•        Marcos José de Lima
•        Marcos Nonato Fonseca
•        Margarida Maria Alves
•        Maria Ângela Ribeiro
•        Maria Augusta Thomaz
•        Maria Auxiliadora Lara Barcelos
•        Maria Célia Corrêa
•        Maria Lúcia Petit da Silva
•        Maria Regina Lobo Leite Figueiredo
•        Maria Regina Marcondes Pinto
•        Mariano Joaquim da Silva
•        Marilena Villas Boas
•        Mário Alves de Sousa Vieira
•        Mário de Sousa Prata
•        Maurício Grabois
•        Maurício Guilherme da Silveira
•        Merival Araújo
•        Miguel Pereira dos Santos
•        Milton Soares de Castro
•        Míriam Lopes Verbena
•        Neide Alves dos Santos
•        Nelson de Sousa Kohl
•        Nelson José de Almeida
•        Nelson Lima Piauhy Dourado
•        Nestor Veras
•        Newton Eduardo de Oliveira
•        Nilda Carvalho Cunha
•        Nilton Rosa da Silva- Bonito
•        Norberto Armando Habeger
•        Norberto Nehring
•        Odijas Carvalho de Sousa
•        Olavo Hansen
•        Onofre Pinto
•        Orlando da Silva Rosa Bonfim Júnior
•        Orlando Momente
•        Ornalino Cândido da Silva
•        Orocílio Martins Gonçalves
•        Osvaldo Orlando da Costa
•        Otávio Soares da Cunha
•        Otoniel Campo Barreto
•        Pauline Reichstul
•        Paulo César Botelho Massa
•        Paulo Costa Ribeiro Bastos
•        Paulo de Tarso Celestino da Silva
•        Paulo Mendes Rodrigues
•        Paulo Roberto Pereira Marques
•        Paulo Stuart Wright
•        Pedro Alexandrino de Oliveira Filho
•        Pedro Domiense de Oliveira
•        Pedro Inácio de Araújo
•        Pedro Jerônimo de Sousa
•        Pedro Matias de Oliveira - Pedro Carretel
•        Pedro Ventura Felipe de Araújo Pomar
•        Péricles Gusmão Régis
•        Raimundo Eduardo da Silva
•        Raimundo Ferreira Lima
•        Raimundo Gonçalves Figueiredo
•        Raimundo Nonato Paz
•        Ramires Maranhão do Vale
•        Ranúsia Alves Rodrigues
•        Raul Amaro Nin Ferreira
•        Reinaldo Silveira Pimenta
•        Roberto Cieto
•        Roberto Macarini
•        Roberto Rascardo Rodrigues
•        Rodolfo de Carvalho Troiano
•        Ronaldo Mouth Queirós
•        Rosalindo Sousa
•        Rubens Beirodt Paiva
•        Rui Osvaldo Aguiar Pftzenreuter
•        Rui Carlos Vieira Berbert
•        Rui Frazão Soares
•        Santo Dias da Silva
•        Sebastião Gomes da Silva
•        Sérgio Correia
•        Sérgio Landulfo Furtado
•        Severino Elias de Melo
•        Severino Viana Colon
•        Sidney Fix Marques dos Santos
•        Silvano Soares dos Santos
•        Soledad Barret Viedma
•        Sônia Maria Lopes de Moraes Angel Jones
•        Stuart Angel Jones
•        Suely Yumiko Kanayama
•        Telma Regina Cordeiro Corrêa
•        Teresinha Viana de Assis
•        Tomás Antônio da Silva Meireles Neto
•        Tito de Alencar Lima (Frei Tito)
•        Tobias Pereira Júnior
•        Túlio Roberto Cardoso Quintiliano
•        Uirassu de Assis Batista
•        Umberto Albuquerque Câmara Neto
•        Valdir Sales Saboya
•        Vandick Reidner Pereira Coqueiro
•        Victor Carlos Ramos
•        Virgílio Gomes da Silva
•        Vítor Luíz Papandreu
•        Vitorino Alves Moitinho
•        Vladimir Herzog
•        Walkíria Afonso Costa
•        Walter de Sousa Ribeiro
•        Walter Kenneth Nelson Fleury
•        Walter Ribeiro Novaes
•        Wânio José de Mattos
•        Wilson Silva
•        Wilson Sousa Pinheiro
•        Wilton Ferreira
•        Yoshitane Fujimori
•        Zuleika Angel Jones (Zuzu Angel)
•        Ramires Maranhão do Valle 

8
OUTROS

•        Honestino Guimarães 

•        José Porfírio
•        Josué de Castro
•        Osvaldo Orlando da Costa, o Osvaldão
•        Santo Dias
•        Marcos Ariel
•        Antonio Nogueira da Silva Filho (VPR)
•        José Luís Del Roio
•        Francisco Onofre Pereira, Chico Tatu
Ferramentas
•        Esta página foi modificada pela última vez à(s) 23h55min de 16 de dezembro de 2011. 

5
- VIII -

Enquanto isso a Presidenta na República do Brasil:
Dilma proibiu os Militares Brasileiros de comemorarem o Dia 31 de março (Contra-Golpe de 64). Entretanto ela prefere comemorar a Revolução Cubana que já assassinou mais de 85.000 cubanos naquela ilha prisão cuja população equivale apenas a da Grande São Paulo.
Vejam o que Dilma fala aos 3:20 minutos deste vídeo com uma gigantesca Bandeira Cubana ao fundo.
Outrora a Terrorista Dilma nunca lutou pela Democracia. 

URL 01 - URL 02

O Brasil não possui melhor opção neste degradado ambiente de inconstitucionalidades desta fracassada República. O Momento Político é oportuno para o reencontro dos brasileiros com a sua História, com as suas tradições, com o seu destino de grandeza interrompido por uma traição; redirecionando a Nação Brasileira a sua original Vocação de Grandeza Imperial, onde cargo político é missão. Basta lembrar ao povo que já estivemos bem na História, e aos militares do Exército que seu Patrono é o Duque de Caxias..
"Somos nós, do Exército Brasileiro, que temos na consciência o peso da participação na derrubada do Império e que conhecemos a responsabilidade que nos cabe na instauração desta República que, até os dias de hoje, envergonha a história política do Brasil."
General de Brigada Paulo Chagas

Dilma proibiu os Militares Brasileiros de comemorarem o Dia 31 de março (Contra-Golpe de 64). Entretanto ela prefere comemorar a Revolução Cubana que já assassinou mais de 85.000 cubanos naquela ilha prisão cuja população equivale apenas a da Grande São Paulo.
Vejam o que Dilma fala aos 3:20 minutos deste vídeo com uma gigantesca Bandeira Cubana ao fundo.

5
- IX -

Quando vários setores da sociedade unissonamente passam a falar a mesma linguagem num país em Crise Institucional. Desconfie. É porque algo relevante está na iminência de acontecer...

Aos Senhores que moram nos Grandes Centros Urbanos como eu. Pelo sim ou pelo não, abasteçam vossas despensas com víveres não perecíveis; pelo menos formem uma reserva estratégica para 6 meses. Cidades pequenas que em um momento como este eu gostaria de estar, sempre acabam dando o seu jeito. Neste ano de 2014 tudo pode acontecer (espero que façam o necessário na paz)... Tragédia maior será não se esboçar nenhuma reação. Se acontecer algo análogo à 64 esperem algo bem pior. Pois essa gente está bilionária com o dinheiro dos nossos impostos, que não tem sido devolvido em serviços proporcionais ao que se arrecada. Para onde está indo todo este dinheiro da tal “6ª Economia Global”, além dos bolsos dos membros das Organizações Criminosas que alicerça o Poder Constituído deste Estado que não é mais de Direito, que permite o desmantelamento do país?... Que Deus nos defenda dessa gente, cuja religião é uma Ideologia, que têm como deuses: Chê, Fidel Castro, Karl Marx, Lenine... Providencialmente demonizam as Forças Armadas Brasileiras, como se fossem a única ameaça a seus bizarros propósitos (não acredito mais que sejam ou ainda possuam condições de reverter o quadro que já está explicitamente descaradamente desenhado). Sem querer alarmar ninguém, vou começar a me precaver. E não se esqueçam dos produtos de Higiene Pessoal, e do estoque de Papel Higiênico.
País Medíocre

É, todavia, difícil compreender por que, até o fim do reinado de Pedro II, o Brasil era um país mais promissor que os EUA, mais importante que a China, a Índia, o Japão, a Coréia e quase todos os países europeus - de onde vieram muitos imigrantes - e hoje ocorre o oposto: o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA é cerca de 13 vezes maior que o nosso e essa nação possui o maior poderio científico, tecnológico, econômico e militar do planeta; a Coréia do Sul, há 40 anos, era um dos países mais atrasados do mundo e hoje é mais desenvolvido que o nosso. No Brasil, após 118 anos, o regime republicano mantém uma legião de analfabetos, oferece educação da pior qualidade e exames feitos por instituições internacionais comprovam que seus alunos se classificam entre os mais despreparados do mundo. Os sucessivos governos republicanos não foram capazes de resolver as questões mais elementares de educação, saúde, transporte, saneamento e segurança.

José Carlos Azevedo, doutor em Física pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), foi reitor da Universidade de Brasília (UnB)
O Estado de São Paulo, 10/09/2007

5
- X -

Quanto à República dos Estados Unidos do Brasil
"(...) Quanto à República dos Estados Unidos do Brasil, sua história mostra uma forma de governo que não consegue fugir de suas origens escabrosas. Nasceu de uma sedição militar (1889). Implantou um regime onde a regra era, como ainda é, a corrupção, a degradação dos costumes e o terror."

"Aliás, não lhe escasseiam na crônica fastos lastimosos e pudendos. Atravessamos, em 1894, a ditadura plena: o governo da espionagem, do cárcere e do fuzil, com o lar doméstico entregue às buscas policiais, o erário ao saque dos cortesãos, o crédito público às emissões clandestinas, a vida humana ao espingardeamento, a educação de nossos filhos ao espetáculo de todos os crimes, ao comércio de todas as corrupções. No começo, foi para vencer. Em seguida, para exterminar os vencidos. De 13 de março a 30 de julho as ilhas da nossa baía presenciaram a execução de centenas e centenas de homens, marinheiros da nossa esquadra, que os chora, confiados pelos seus capitães, na hora da rendição, à santidade das leis da guerra e imolados pela vitória truculenta ao apetite dos seus instintos. 

Durante esse período lutuoso o país inteiro, assombrado, assistira a tragédias como as do Paraná, onde o caminho de ferro conduzia aos espigões das serranias as vítimas do rancor homicida, para as sepultar nos despenhadeiros, fuzilando-as na queda. Tivemos, em março de 1897, a demagogia acompadrada com a autoridade, no Rio de Janeiro, destruindo prelos, armando queimadoiros nas praças, organizando a morte, executando as suas sentenças capitais à cara do governo, na sua capital. Viu-se, pouco mais tarde, nos sertões da Bahia, sobre os restos do fanatismo aniquilado, a liquidação pela degola, pelo petróleo, pela trucidação de mulheres e crianças. Nos sertões de S. Paulo a lei de Lynch, alistada ao serviço dos partidos, consumou impunemente, com a notória proteção dos interesses dominantes, uma das mais horrendas cenas de sangue registradas nos anais da nossa ferocidade."
(Rui Barbosa: em A Imprensa: março de 1900)
"A historiografia oficial não relata a presença, em nossas águas, de navios da Marinha dos Estados Unidos da América que, com tiro de peça, atingiram um dos navios do dissidente Almirante Saldanha (1893). Atingiram também a nossa soberania. E tudo a pedido do traidor Floriano Peixoto, então Presidente da República. (Nos bons tempos do Império do Brasil, eram os nossos navios que iam impor a ordem onde se fizesse necessário.) (...)" 

A República para se manter foi obrigada a construir um Ridículo Brasil sem Identidade durante estas 4 gerações (31 anos cada). Se pessoas que tiveram algum acesso à cultura, bem ou mal conseguiram concluir seus cursos superiores, e até fizeram alguma das ditas Pró-Graduações, galhofam das nossas raízes, inclusive do período mais Grandioso da nossa História... O Imperial. O que esperar dos que nunca tiveram a oportunidade de irem além do degradado ensino público?... Isso tem que ser revertido, desconstruído, para reencontrarmos nosso Destino de Grandeza interrompido por uma traição.
150.000 brasileiros foram covardemente massacrados pela violenta imposição repressiva republicana nos seus sete primeiros anos de fracassos. A República se encarregou por reduzir o respeitado estável soberano Império do Brasil, a uma nação de 3ª categoria hoje pertencente a um Terceiro Mundismo que inventaram desarmônico com suas Raízes Históricas, e da Legítima Identidade Nacional, onde a Classe Política Brasileira se deleita num colossal esgoto moral, Paraíso das Quadrilhas de Bandidos (Partidos) do Crime Organizado do Poder Constituído. Perdidos nas alucinações das suas ilimitadas medíocres ambições... Intelectualmente masturbam-se continuamente se dispondo com mau-caratismo do Erário. Requintado alimento dos seus insaciáveis sórdidos prazeres, onde todos se lambuzam nas suas lambanças... Estas prolongadas inconsequentes descaradas delinquências inconstitucionais engessam o progresso, assassina milhões de brasileiros, além de colocar em risco a Soberania Nacional.
O que fazer quando a República não cumpre sua própria Constituição.
Quando o Poder Constituído passa a maior parte do tempo tentando explicar o inexplicável, e numa estranha complacência e conivência descaradamente justifica suas inconstitucionalidades?

Quando o Governo que deveria estar dando nobres exemplos para o povo, faz questão de ser Fora da Lei e Desordem... Quando o Estado Democrático de Direito não é mais democrático, e o Poder Constituído corrompe e alicia com seus sucessivos maus exemplos nosso maior tesouro inclusive nas escolas... Nossas crianças e jovens?

O que fazer quando o Supremo Tribunal Federal, a mais alta instância do Poder Judiciário do Brasil que acumula competências típicas de Suprema Corte e Tribunal Constitucional que tem função institucional fundamental de servir como guardião da Constituição Federal, e por isso julga as inconstitucionalidades... Não é mais Lei?

Quando as Forças Armadas que tem como missão garantir os poderes constitucionais, a lei e a ordem... Conseqüentemente a próprias segurança e integridade da nação, são progressivamente desmoralizadas, ameaçadas, desmanteladas, lhes tirando suas capacidades de ação ou reação? 

Emanuel Nunes Silva 
Complementos inseridos em 2013
Continuem acreditando neste Modelo Republicano Brasileiro inventado por meia dúzia de traidores da Pátria em 1889. Continuem acreditando nesta Ciranda Republicana de Mentira que nunca vai conduzir o Brasil a lugar algum.
A cada geração criada, educada, influenciada dentro deste ineficiente omisso Sistema Corrompido Viciado, ingenuamente passa a acreditar na recuperação destas estruturas corroídas. É natural este apego e o impulso de tentar juntar os cacos. Afinal foi o mundo que herdaram, são seus universos. É compreensível que não pensem em opções melhores... Mesmo que tenhamos o exemplo do Império como país independente, soberano e respeitado no universo das nações no seu tempo, e o do desastre desta Moralmente Ilegal Decadente República. Pensam pequeno. Preferem por sugestão ou por burrice induzida, continuar presos ao corpo deste Estado em decomposição que rasteja em direção ao abismo.
O Brasil não acabou em 2013. Acabou em 15 de novembro de 1889. O que tem ocorrido nestes 125 anos de fracassos republicanos, são sucessivas tentativas de ressuscitar um Gigante Republicano de Palha que já nasceu morto.
 
Quando esta gente vai perceber que a desgraça da nação Brasileira é este Sistema Republicano de Governo alienígena às raízes Históricas da fundação do Estado Independente e Soberano Brasileiro. Substituíram um Império respeitado, por uma Alegoria Estrangeira Feminina Marianne de virtudes abstratas. Saída para o Brasil nesta Ilegítima República não existe; tampouco Identidade Nacional. Nossos Valores e a Legítima Identidade Nacional Inerentes à Pátria Brasileira passaram a ser vilipendiadas à partir do Golpe de Traição e Lesa-Pátria de 1889, quando foi inaugurado o primeiro Estado de Exceção da História do Brasil.
O Brasil alcançou o seu futuro no 2º Reinado do Império, respeitando sua época na escala do tempo. A partir do desastre do Golpe Militar de 15 de novembro de 1889, que resultou na Proclamação desta Ilegítima Alienígena República à margem da lei, à revelia das nossas raízes, identidade histórica e valores. Indiferente à opinião da população brasileira, que não foi consultada ou participou democraticamente deste processo... Nestas particularidades, moralmente esta República é ilegal. Não importa quais sejam os argumentos dos que discordam, pois trata-se de fatos Históricos, que por conveniências e interesses acabaram por justificar o injustificável e legitimar o ilegitimável, sufocando à força os contestamentos, punindo-os com as execuções sumárias em massa.

Essa República de Mentira nada acrescentou de útil, virtuoso e verdadeiro ao Brasil.
Por mais que me esforce, não consigo ver nobreza alguma em vossos representantes políticos republicanos... Tampouco algo em suas atitudes que os engrandeçam.
Existe um paradoxo entre as posturas das Repúblicas, quanto suas autoridades de opinarem sobre Golpe de Estado Inconstitucional, quando 99% delas principiaram com um criminoso Golpe de Estado. No caso da Fundação do primeiro Estado de Exceção da História do Brasil em 1889, houve um genocídio nos seus 10 primeiros anos de fracassos em nome da sua consolidação, onde 200.000 pessoas foram mortas; a maioria delas sumariamente, numa época em que a população brasileira era 11 vezes menor que a atual, o que corresponde quantitativamente na atualidade a 2.000.000 de mortos. Quando estas repúblicas questionam seus golpes menores dados nos Golpes delas mesmas, é o mesmo que se estivessem questionando suas próprias legitimidades.
(...) "À medida em que o povo foi tomando conhecimento do acontecido, movimentos pela volta da Família Imperial começaram a eclodir por todo o Brasil. O governo republicano os destroçou com punho de ferro. (...)"

ALGUMAS MATÉRIAS DESTE BLOG
01 • A MUDANÇA
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
29 • Comunismo
30 • Marianne
5